Na Paulista, Bolsonaro repete ameaças e diz que 'canalhas' nunca irão prendê-lo

brasil
07.09.2021, 16:27:04
Atualizado: 07.09.2021, 19:04:14
Avenida Paulista recebe milhares de apoiadores do presidente Bolsonaro (Reprodução/GloboNews)

Na Paulista, Bolsonaro repete ameaças e diz que 'canalhas' nunca irão prendê-lo

Presidente volta a ameaçar ministro do Supremo Tribunal Federal, chama Alexandre de Moraes de canalha e retoma a pauta do voto impresso

O presidente Jair Bolsonaro repetiu, em discurso na tarde desta terça (7), na Avenida Paulista, em São Paulo, as ameaças contra o Supremo Tribunal Federal. O presidente foi ainda mais incisivo do que no discurso feito pela manhã em Brasília. Ele atacou diretamente o ministro Alexandre de Moraes, a quem chamou de canalha e disse que não cumprirá as decisões do ministro.

Leia mais: Dani Alves, Bianca Bin, Vera Holtz: famosos vão de críticas a apoios a atos com Bolsonaro 

Leia também: Bolsonaro faz ameaça a ministros do STF em ato com milhares em Brasília

O presidente ainda voltou a falar sobre o voto impresso, em ataque ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso. O projeto já foi rejeitado pelo Congresso. Bolsonaro ainda deu aviso ao STF em relação às investigações da corte: "Digo aos canalhas que nunca serei preso".

Em ataque direto a Moraes, Bolsonaro disse que o ministro tem tempo para se redimir e deu a ele duas opções: seguir sua linha ou deixar a corte. "Ou esse ministro (Alexandre de Moraes) se enquadra ou ele pede para sair. Não se pode admitir que uma pessoa apenas, um homem apenas turve a nossa liberdade. Dizer a esse ministro que ele tem tempo ainda para se redimir, tem tempo ainda de arquivar seus inquéritos. Sai, Alexandre de Moraes. Deixa de ser canalha. Deixa de oprimir o povo brasileiro, deixe de censurar (...) seu (...) povo. Mais do que isso. Nós devemos, sim, porque eu falo em nome de vocês determinar que todos os presos políticos sejam postos em liberdade", disse Bolsonaro.

Em outro momento, Bolsonaro diz que não cumprirá decisões dadas por Moraes. "Alexandre de Moraes, esse presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou", completou. 
 
O ministro é  responsável pelo inquérito que investiga o financiamento e organização de atos contra as instituições e a democracia. Moraes já determinou prisões de aliados bolsonaristas. O presidente Bolsonaro é alvo de cinco inquéritos no Supremo e no Tribunal Superior Eleitoral. Moraes vai ser presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no próximo ano.
Em outro momento, Bolsonaro diz que Moraes teve oportunidades de agir com respeito ao seu grupo, mas não agiu e disse que não vai admitir que o ministro siga a "desrespeitar" a Constituição.

"A paciência do nosso povo já se esgotou Nós acreditamos e queremos a democracia. A alma da democracia é o voto. Não podemos admitir um sistema eleitoral que não fornece qualquer segurança. Nós queremos eleições limpas, democráticas, com voto auditável e contagem pública dos votos. Não podemos ter eleições onde pairem dúvidas sobre os eleitores. Não posso participar de uma farsa como essa patrocinada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Não vamos mais admitir que pessoas como Alexandre de Moraes continue a açoitar a nossa democracia e desrespeitar a nossa Constituição. Ele teve todas as oportunidades de agir com respeito a todos nós, mas não agiu dessa maneira como continua a não agir", disse Bolsonaro.

Leia abaixo alguns trechos do discurso de Bolsonaro na manifestação realizada na avenida Paulista.

"Dizer a esse ministro referindo-se a Alexandre de Moraes que ele tem tempo anda para se redimir, tem tempo ainda de arquivar seus inquéritos.

Sai Alexandre de Moraes, deixa de ser canalha, deixa de oprimir o povo brasileiro.

Nós acreditamos e queremos a democracia, a arma da democracia é o voto. Não podemos admitir um sistema eleitoral que não ofereça segurança por ocasião das eleições.

Não é uma pessoa do Tribunal Superior Eleitoral que vai nos dizer que esse processo é seguro e confiável (...)

Não podemos admitir, também, ministro do TSE usar a caneta para desmonetizar paginas que criticam esse sistema de votação.

Não podemos ter eleições em que pairem dúvidas sobre os eleitores. Nós queremos eleições limpas, democráticas, com voto auditável e contagem pública dos votos.

Não posso participar de uma farsa como essa patrocinada ainda pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

Hoje temos uma fotografia para mostrar ao Brasil e para o mundo, de vocês, que as cores da nossa bandeira são verde e amarela. (. .)

Nós somos conservadores. Cada vez mais respeitamos as leis e a Constituição, e não vamos admitir pessoas que, como Alexandre de Moraes, continuem a açoitar a nossa democracia e desrespeitar a nossa Constituição. Ele teve todas as oportunidades para agir com respeito a todos nós, mas não agiu dessa maneira, como continua a não agir. Como agora há pouco interceptou um cidadão americano para ser inquirido sobre atos (pelo Estado e dirigir ao seu povo) nomeado para seu mandato.

Não quero o conforto dos palácios ou de benesses que existem no Brasil, em Brasília. Quero aquilo que seja justo, ao lado de vocês. Lá atrás, quando servi ao Exército brasileiro, jurei dar minha vida pela pátria. Tenho certeza que vocês todos também, de forma consciente, juraram dar sua vida pela sua liberdade.

Tenho o apoio de vocês, enquanto vocês estiverem ao meu lado, eu continuarei sendo o porta-voz de vocês. Esta missão é digna, esta missão é espinhosa, mas também é muito gratificante.

Não existe satisfação maior do que estar no meio de vocês. Pode ter certeza: onde vocês estiverem, eu estarei. Cumprimento patriotas que estão em todos os lugares desse nosso imenso Brasil hoje se manifestando pela sua liberdade. O povo acordou.

Isso não tem preço: o acordar de uma nação e a certeza de que seremos grandes lá na frente. Agora, o que incomoda alguns lá de Brasília é que nós realmente começamos a mudar o Brasil. Acreditem: com vocês, nós colocaremos o Brasil num lugar de destaque que ele bem merece. Temos uma pátria que ninguém tem (. .) e vocês sabem o que nós estamos fazendo (....).

Cada vez mais a certeza do nosso futuro. O apoio de vocês é primordial, é indispensável para seguirmos adiante. Neste momento, quero, mais uma vez, agradecer a todos vocês, agradecer a Deus pela minha vida e pela missão.

E dizer àqueles que querem me tornar inelegível em Brasília: só Deus me tira de lá

Saio de lá preso, morto ou com vitória. Dizer aos canalhas que eu nunca serei preso. A minha vida pertence a Deus, mas a vitória é de todos nós. Muito obrigado a todos. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas