Na pipoca de Bell, todo mundo se reconhece

minha bahia
26.02.2020, 05:00:00
Atualizado: 27.02.2020, 08:42:08
De cima do trio, Bell Marques comanda o bloco Camaleão e a galera na rua (Arisson Marinho/CORREIO)

Na pipoca de Bell, todo mundo se reconhece

Foliões curtem e 'balançam' juntos há muito tempo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quando eu estava no ensino médio, a senha para começar a confusão, o empurra-empurra, na sala eram os versos de Saia Rodada. Vista sua saia bem rodada/ Com a blusa decotada/ Que lá vem a batucada/ Levantar poeira, eira. E a gente fingia que era a pipoca do Chiclete com Banana. Lá naquele tempo, minha visão da galera que curtia a banda comandada por Bell Marques (sem parentesco, para ficar claro) do lado de fora das cordas era de gente que queria brigar. 

A música era só o ritmo para sair distribuindo socos em um monte de desconhecidos, procurando briga até que viesse uma guarnição da polícia e todo mundo fingisse que nada aconteceu. Ledo engano.

Essa podia ser até a realidade há muito tempo atrás. Hoje em dia, com quase 40 anos desde que a banda surgiu, ainda com Missinho na voz, e quase seis anos após o trauma da saída de Bell do Chiclete, a pipoca é um lugar de reconhecimento. Todo mundo ali já se viu em outros carnavais e nutre o mesmo sentimento pelo cantor e pela história da banda: amor. 

O ápice dele é Carlinhos Bomba. Tatuagens? São quatro só na cabeça, fora braços, costas... Tem pata do Camaleão, barba de Bell, logo do Chiclete. Carlinhos é celebridade na pipoca. Fala com todo mundo, tira foto e sai com um celular no pau de selfie filmando a si próprio e ao trio.

Tem gente que fabrica camisa especial para sair ao lado trio (tinha até um cidadão com uma com ‘Bel (sic) Marques’ escrito), tem marido e mulher trajado da mesma forma, cortes de cabelo com a patinha do Camaleão, bandanas e muitas, muitas tatuagens. 

Quem está dentro do bloco também se reconhece. Tem cordeiro que está ali há mais de 20 anos, outros que já curtiram a pipoca e, agora, estão do lado de dentro da corda. O sentimento os une. 

Isso não quer dizer que o bicho não pegue. Existe um local próprio para isso, podemos dizer. Se você quiser se arriscar, a legenda está aí do lado. Do lado do trio, onde o som é mais alto, é para poucos. Mesmo com um policiamento que dava poucas brechas para que galera “balançasse” como queria, nos primeiros acordes de Cabelo Raspadinho, o ritmo começou a aumentar e quando eu vi, parecia um tsunami vindo em minha direção. 

As pessoas olham para trás e os olhos parecem ver a morte chegando. Adiante seu lado, senão passam por cima de você. E não adianta nem ser cadeirante. Na hora do aperto, tá todo mundo no mesmo barco. É balançar e torcer pra música acabar ou a polícia passar.

Colado na corda do Camaleão, jornalista viveu a pipoca de Bell (Foto: Arissson Marinho/CORREIO)


Calma
Ainda assim, se alguém estiver balançando exageradamente, sozinho, vai ser repreendido. Um cidadão, próximo a mim, num momento em que o trio estava parado, ‘balançava’ demais. Foram pelo menos três pessoas a chegar no ouvido dele e gestualizar como se pedisse calma. 

E olhe que tem uma galera grande naquela pipoca, viu? Do ‘alto’ dos meus 1,65m e sozinho, era fácil sumir em meio à multidão, que anda no ritmo da música, seja na pista principal ou na calçada. Ontem, no último dia do Camaleão, coincidiu d’As Muquiranas saírem um pouco atrás. E elas, claro, chegaram mais cedo para atazanar quem estava seguindo Bell, dando um clima até menos ‘bélico’ à pipoca.

Próximo ao Cristo, quando fiquei um pouco mais para trás, era normal encontrar gente com pressa para pegar o ‘balanço’ lá na frente. Ali, entre o trio principal e o trio de apoio do bloco, dava até para conversar, ou comprar uma cerveja sem aperto. Tinha turistas e outros foliões tranquilos. Um lugar propício para quem quiser acompanhar e balançar ao ritmo de Bell Marques.

Guia da pipoca de Bell

Sinal verde - Tá de boa:  Laterais após o trio principal, quase já no trio de apoio, laterais do trio de paoio e fundo do bloco. Pode ir que tá tranquilo.

Sinal amarelo - Se balançar, dá pra curtir, mas fique esperto: Na frente do trio principal e no início das laterais antes dele também.

Sinal vermelho - Não vá que é barril: De um pouco antes do trio principal - sobretudo no lado direito - até o final dele. O pico é bem do lado de onde Bell costuma aparecer.

O CORREIO Folia tem o patrocínio do Hapvida, Sotero Ambiental, apoio institucional da Prefeitura Municipal de Salvador e apoio do Salvador Bahia Airports e Claro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas