No meio da rua: quarentena não impede os babas tradicionais de domingo

minha bahia
06.04.2020, 05:00:00
Sem quadra, baba é improvisado no meio da rua no Uruguai (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

No meio da rua: quarentena não impede os babas tradicionais de domingo

Sem campos ou quadras, grupos improvisaram partidas com traves no meio da rua

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


No lugar da terra fofa, asfalto. O alambrado foi substituído por uma rede para evitar que a bola atingisse carros e portas das residências. A arquibancada perdeu o lugar para as janelas e varandas. Apesar de as quadras e os campos públicos de Salvador estarem com os portões trancados, em razão do isolamento social para colocar um freio na disseminação do novo coronavírus, o tradicional baba de domingo rolou em alguns pontos de Salvador. Teve até baba interrompido - o campo da Universidade Federal da Bahia (Ufba), em Ondina, foi interditado pos fiscais da prefeitura, que flagraram um jogo acontecendo por lá.

Na Travessa Boa Vista, no bairro do Uruguai, mesmo sem campo, uma turma jogava “golzinho” – o futebol de rua. Era por volta das 10h quando o CORREIO chegou local e encontrou cerca de 30 rapazes, entre 15 e 30 anos, revezando nas partidas. “São dois times em 'campo'. Quem fizer o gol primeiro, permanece. Quem tomou, sai para dar o lugar a outro time. E assim vai até o meio-dia”, disse Heitor Pereira Souza Santos, 28 anos, gerente de uma pizzaria. Ele era um dos organizadores do baba e aguardava a vez de jogar. 

Perguntado sobre o que achava do isolamento social por conta da pandemia, Heitor disse que ele e os amigos não aguentavam mais ficar dentro de casa.

“Nós sabemos dos riscos, mas já estava insuportável. Há duas semanas que a gente, por conta própria, resolveu ficar em casa, inclusive aos domingos. É duro ficar em casa, olhando para as paredes e o sol danado desse jeito, chamando a gente para o baba. É difícil resistir. Admiro os fortes. Eu não resisto”, disse Heitor. 

Apesar da decisão dele e dos amigos de manterem o baba de doming, a medida vai de encontro aos pedidos de isolamento social. Na última quinta-feira (2), a prefeitura de Salvador determinou o fechamento  das quadras e campos públicos administrados pelo município justamente para evitar aglomerações e reduzir as chances de contágio pelo novo coronavírus, que já matou nove pessoas na Bahia.

Em Cajazeiras, campo foi ocupado por evangélicos
Em Cajazeiras, campo foi ocupado por evangélicos (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)
No Uruguai, baba aconteceu na rua mesmo
No Uruguai, baba aconteceu na rua mesmo (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)
Jogadores disseram que reclusão é difícil
Jogadores disseram que reclusão é difícil (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

Improvisada, diante da falta de um campo, a área de jogo usada por  Heitor e pelos amigos tinha aproximadamente 15 metros de comprimento e 5 metros de largura – uma quadra oficial tem comprimento de 40 metros e largura de 20. “São todos moradores daqui. Como as quadras estão fechadas, a gente dá o nosso jeito. Há poucos instantes, passou um carro da prefeitura e a gente parou tudo. Quando ele (carro) foi embora, voltamos com o nosso baba, o único lazer que nós temos aqui ”, admitiu Arthur Nogueira, 18, que também esperava para entrar no jogo.

Mesmo com a ordem de isolaento, a bola vai rolar de novo na Sexta-feira Santa, pelo menos é que os moradores garantem. É o “baba do vinho”, que reúne atletas amadores, de todas as idades, usando roupas como saias e vestidos. “Só serão permitidas moças lindas e puras, aquelas recatadas e do lar”, brincou Emanuel Santos e Santos, 30.  

Avenida Peixe
Sem acesso às quadras, a alternativa também foi fazer o baba nos moldes do golzinho, na Avenida Peixe – via que faz ligação entre os bairros da Liberdade, Iapi, Pero Vaz e Caixa d’Água. Por volta das 7h deste domingo (5), as ruas estavam tomadas por mini-traves.

“Foi uma agonia, mas foi divertido. Toda hora vinha um carro e parava tudo. Mas tudo na maior tranquilidade, na paz, isso porque todo mundo é morador, todo mundo se conhece. É só saber chegar e conversar”, explicou seu Valdir Cachoeira, 50, morador do local. 

O golzinho se fez presente também na Avenida Contorno. Nas areias da praia ao lado do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM), cerca de 30 homens estavam divididos em dois grupos – um que batia o baba e outro jogava futevôlei. As turmas dividiam harmonicamente o pequeno trecho de areia. 

Evangélicos
Embora as quadras e campos estivessem vazios, a quadra de esporte de Cajazeiras VIII recebeu outros jogadores neste domingo – os do time da fé. Em campo, homens e mulheres com máscaras, distantes uns dos outros, ajoelhavam no chão, alguns debruçados nos alambrados, e pediam por misericórdia à humanidade. 

“Estamos aqui, de jejum desde ontem, para pedir misericórdia pela vida humana, por esse período que estamos passando. Todos nós aqui estamos orando pelo mundo, para que Deus tende piedade de todos nós, que essa pandemia passe logo”, explicou o pastor Gilson Nascimento, da Igreja Batista de Cajazeiras III. 

Sob o sol escaldante, os fiéis, com saias e camisas longas, oravam incansavelmente à mediada que um outro membro da igreja pregava com o uso de duas caixas de som. “É preciso fazer esse sacrifício pela humanidade e cremos que tudo isso vai passar logo. Como o campo não estava sendo usando para os jogos, achamos por bem usá-lo, mas com todos os cuidados. Todos aqui estão de máscaras e respeitando o distanciamento”, explicou o pastor. 
 

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/editorial-fotografado-a-distancia-une-tres-paises-na-quarentena/
O ensaio foi realizado pela plataforma Zoom, usando celular
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bau-de-marrom-a-bahia-tambem-ensina-ao-mundo-como-cantar-e-dancar-forro/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/copo-de-leite-faz-haddad-acusar-bolsonaro-de-brindar-supremacistas-brancos-entenda/
Leite tem sido usado como símbolo por neonazistas nos EUA; petista enxergou provocação após repercussão de mortes de homens negros. Presidente nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/anastacia-comemora-80-anos-com-muito-forro/
Cantora e compositora lança EP com produção de Zeca Baleiro e parcerias com Mariana Aydar, Chico César e Amelinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nizan-guanes-vai-entrevistar-roberto-medina-abilio-diniz-e-washington-olivetto/
As entrevistas são parte do Sunday Night Live que o publicitário tem realizado em sua conta do Instagram
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/luiz-caldas-substitui-sanfona-por-guitarra-em-disco-de-forro/
Álbum é o centésimo em projeto do músico que prevê um lançamento temático por mês
Ler Mais