No tribunal, pai de Henry diz que filho dizia que 'a mamãe não é boa'

brasil
07.10.2021, 08:17:51
(Foto: Reprodução)

No tribunal, pai de Henry diz que filho dizia que 'a mamãe não é boa'

Garoto se recusava a ficar com Monique Medeiros e Dr. Jairinho

Durante depoimento prestado na audiência preliminar do julgamento dos acusados de matar o menino Henry Borel, nesta quarta-feira (6), Leniel Borel, pai do garoto, lembra que o filho se recusava a ficar com a mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, Dr. Jairinho. O casal está sendo julgado pelo crime.

"Ele se agarrava ao travesseiro pra não ir embora com ela. Ela começou a me ligar pra pedir ajuda, porque nos fins de semana, ele não queria voltar pra casa. Eu conversei com ele. Eu fui falar pro Henry que a mãe estava lá embaixo e ele se agarrou no travesseiro falando 'Não, papai, não quero ir'. Quando ele viu a Monique, começou a chorar. A avó, dona Rosangela, conversou, chamou ele pra ir na praia. Ela desceu com ele pra praia, e depois foram embora", conta.

Episódios como esse eram comuns, narra o engenheiro. O menino também reclamava que o "tio", Jairinho, o abraçava forte.

"No sábado dia 6, eu peguei meu filho na casa do Jairinho. Quando eu peguei ele, ele me disse: 'papai, eu não quero mais voltar para a casa da minha mãe, não quero'. Mas ele não dizia o porquê. Eu liguei pra Monique, ela disse que não tinha nada acontecendo e eu disse: 'Monique, e se tiver alguma coisa acontecendo?'. Ela disse: 'Eu mato o Jairo, Leniel!'".

Leniel se emocionou em especial ao falar dos últimos momentos com o filho.

"Quando eu fui falar com ele que no dia seguinte tinha escola, ele me pediu pra não ir, que por favor não, que no dia seguinte ele iria, e aí eu falei que a gente podia ir pra casa da avó, só que eu já tinha combinado com a Monique. Quando no caminho ele percebeu que estava indo ao encontro da mãe, ele começou a chorar muito e vomitar. Eu falei 'vai filho, a mamãe é boa'. E ele disse: 'a mamãe não é boa'. E eu perguntei o que estava acontecendo e ela diz que é uma questão da casa, e pergunta pro Henry se ele quer ajudar a mamãe a achar outra casa. Ele foi, chorando muito. Foi a última vez que vi meu filho", disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas