Novas rotas profissionais: saiba como fazer o 'realinhamento' da sua carreira

empregos
26.10.2020, 06:00:00
Atualizado: 26.10.2020, 11:16:00
As mudanças na carreira ou nos negócios podem significar sucesso e novas oportunidades de crescimento (Shutterstock/reprodução)

Novas rotas profissionais: saiba como fazer o 'realinhamento' da sua carreira

Especialistas explicam também como fazer os negócios voltarem a prosperar

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A sabedoria popular diz que camarão que dorme, a onda leva. Movimentar, mudar, readaptar-se, reorganizar-se é da vida, especialmente, quando se trata de carreiras, marcas ou negócios. Quando isso acontece, é realizado um realinhamento de marca ou rebranding. No Brasil, a necessidade de mudança se intensificou na pandemia, quando o encerramento de atividades comerciais e o fechamento de postos de trabalho virou uma característica do chamado novo normal.

De acordo com a personal branding Érika Gonsales, o rebranding deve ser feito a partir do momento que o negócio está se desvinculando da rota previamente planejada ou se deseja, de forma intencional, traçar novas rotas. “O processo de rebranding, geralmente, acontece por uma consultoria contratada, por ter uma visão diferente e não estar mergulhada no negócio. Isso gera bons resultados, porque faz a liderança treinar novas visões e formas de enxergar o próprio negócio, através de uma metodologia diferenciada”, completa.

A especialista salienta que esse reposicionamento pode também ser realizado com pessoas. “Quando você se desloca da sua trajetória profissional, anda insatisfeito (e mesmo mudando de empresa esse sentimento persiste), só pensa na remuneração financeira sem entender o porquê está fazendo o que faz, é hora de repensar! Um estrategista de marca pessoal pode auxiliar o profissional nesse processo, uma vez que ele possui técnicas que vão unir habilidades interpessoais, branding pessoal, visão estratégica e negócio”, esclarece.

Realinhamento

Érika reforça que quando se fala de marca pessoal, o realinhamento pode vir através de uma transição de carreira ou testar um “Plano B”. “Quando falamos de uma marca corporativa, pode ser através da identificação de uma oportunidade que desvia do caminho atual traçado ou realinhamento da estratégia. Como a marca é a essência do negócio, não há realinhamento sem revisitá-la”, explica.

Ela diz que na sua prática profissional é comum encontrar profissionais infelizes por conta desse não alinhamento, subutilizados e não realizados, sem compreender a importância da marca pessoal e da carreira potencializada. “É preciso encontrar o ponto em comum entre conhecimento, talento e habilidade do profissional, posição ocupada e valores da empresa. 

Além disso, mesmo que você tenha um negócio próprio, é necessário trabalhar não somente a marca comercial, como também a pessoal”, garante, destacando que os consumidores querem e gostam de saber quem está por trás de determinada marca ou negócio. “Nunca foi tão importante e tão atual trabalhar a marca pessoal como na atualidade”, complementa.
O diretor da Agência Criativos e Relações Públicas Rodrigo Almeida esclarece ainda que a marca pessoal exerce influência direta na carreira. “Pensar a profissão estrategicamente, como se falássemos de uma empresa, nos tornamos muito mais assertivos, focados e táticos na análise dos cenários e suas necessidades de readaptações”, destaca, lembrando que para fazer esse realinhamento, inicialmente, deve-se diagnosticar o negócio em nível micro e macroeconômico, seguindo então do reposicionamento de identidade visual e posicionamento de mídia.

Responsabilidade

Almeida faz questão de ressaltar que essa remodelagem precisa ser realizada de forma muito responsável e que os profissionais qualificados das áreas de marketing e relações públicas se destacam entre as atividades com maior embasamento para a gestão de um branding empresarial e/ou pessoal. “O profissional de relações públicas, por seu aprofundamento na análise de cenários, gestão de públicos e construção de reputação, são excelentes escolhas para quem identifica a necessidade de um rebranding”, defende.

Rodrigo Almeida ressalta que essa remodelagem na marca, negócio ou carreira precisa ser realizada de forma muito responsável (Foto: Divulgação)

Para ele, é de fundamental importância que o profissional e/ou empresário estude o seu negócio, seja ele empresa ou carreira; aprofunde o diagnóstico da marca em referência ao posicionamento atual; identifique coerência no produto/serviço oferecido e o público atingido pela comunicação. “Vale verificar ainda os canais ativos de comunicação e sua efetividade;  planeje o novo cenário ao qual deve se adaptar; trabalhe a nova comunicação – identidade visual, marca e canais; reposicione a marca”, ensina.
 
5 pilares da mudança

1.    Autoconhecimento (visão interna): tenha clareza da sua história e de todos os seus bens pessoais (principalmente os intangíveis, tais como: cursos, talentos, conhecimentos e habilidades naturais ou adquiridas). Quais são suas paixões, seus pontos fortes e fraquezas identificadas? Quais são os seus valores inegociáveis?

2.    Mercado e concorrência (visão externa): tenha clareza da sua arena - onde você estará presente, em qual contexto, qual mercado ou nicho, com quem, quem estará dividindo-a com você?

3.    Estruturação da marca pessoal: por que faz o que faz (ou deseja fazer)? O que você deseja desafiar o seu mercado, ou seja, por qual motivo você será interessante aos olhos da sua audiência? Qual espaço deseja ocupar na cabeça e no coração das pessoas? Qual problema (causa) você resolve? Que dor (sintoma) você tira da sua clientela? Qual a sua promessa? Quais são os seus diferenciais?

4.    Comunicação: qual a sua linguagem, tom de voz, personalidade e conteúdo. De que forma vai se relacionar com as pessoas? Como elas vão te descobrir? Como entrarão em contato com você? Como se manterão apaixonadas por você e/ou pelo o que oferece?

5.    Modelo de Negócio e plano de ação: Qual a visão da marca? Como o seu negócio está estruturado? Tem clareza e conhecimento de todas os pontos? Quais são as fontes de custos e receitas? Quais os objetivos e metas a serem alcançados, em que tempo? Quais as métricas que serão utilizadas para acompanhamento da estratégia?


O Rebranding  possibilita:

1.    Dar clareza estratégica: a rota a ser seguida para que você nunca se perca.

2.    Te permitir ter clareza da sua própria história (e dos fundadores da empresa) para que seja possível contá-la, baseada na razão de existir e nos valores que a guiam.

3.    Dar clareza do que ofertar e a maneira como ofertar o seu produto/serviço para resolver o problema/dor da sua rede de conexão.

4.    Dar a personalidade da sua marca e maneira como você se relaciona com as pessoas/público consumidor.

5.    Gerar um relacionamento autêntico com o cliente e experiência única.

6.    Te permitir conectar com pessoas apaixonadas pelo propósito da sua marca/negócio, assim como você/fundadores da empresa.

7.    Te permitir se enxergar como negócio, te estruturando e monetizando o seu talento, conhecimento ou habilidade (marca pessoal).

(Fonte: Érika Gonsales - @erikag_branding)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas