Novo normal: veja mudanças do mercado de trabalho que vieram para ficar

empregos
11.05.2020, 05:39:00
Atualizado: 11.05.2020, 05:39:18
A pandemia acelerou mudanças no universo do trabalho que, dificilmente voltará ao chamado normal de antes da covid-19ID19 (shutterstock/reprodução)

Novo normal: veja mudanças do mercado de trabalho que vieram para ficar

Mundo corporativo passará por alterações no pós pandemia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

“Quando a situação voltar ao normal...”. Após a quarentena, o mundo não voltará ser como antes, especialmente no que diz respeito ao mercado de trabalho. Para analistas, as alterações causadas pelo distanciamento social e pela pandemia de  covid-19 aceleraram um cenário de mudanças tão profundas que nunca mais o mundo corporativo voltará a ser o mesmo. 

As alterações vão desde a adoção do home office como forma legítima de atuar até a implementação de uma economia mais criativa e fortemente apoiada nas plataformas digitais. As lideranças tendem a sair do modelo de comando e controle para uma atuação mais criativa e inspiradora.  A palavra de ordem é adaptação para fazer frente a um mundo em constante transformação.

Para o superintendente de Atração de Investimento do Estado da Bahia, Paulo Guimarães, embora ainda seja muito difícil prever cenários futuros em meio a tantas incertezas, algumas tendências começam a ser observadas desde agora, tais como o fortalecimento das plataformas digitais na economia, as alternativas criativas e inovadoras, a valorização dos comércios locais, com o destaque para a customização do consumo, e um comportamento mais cauteloso e exigente por parte dos consumidores. 

“Remete um pouco ao que era praticado no passado, quando as pessoas preferiam comprar nas proximidades de casa e só iam aos grandes supermercados, por exemplo, quando necessitavam de compras maiores”, destaca

Mudanças profundas

Guimarães pontua que as alterações são tão profundas que até mesmo a educação escolar precisará ser revista para atuar privilegiando a criatividade, a autonomia e a inovação e não apenas a reprodução de conhecimentos, como o que é feito atualmente.

“Num momento de crise como o atual, as pessoas que conseguem ser criativas e adaptáveis conseguem uma performance melhor que aquelas perdidas em velhos padrões e modelos”, diz Guimarães.

O  presidente da seccional baiana da  Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH –Bahia), Wladimir Martins, acredita que a necessidade do distanciamento social obrigou as empresas a experimentarem propostas como a do home office, do ingresso no e-commerce e da adoção de formas de atuação criativas, e que esses formatos deverão permanecer, mesmo quando as medidas restritivas tiverem terminado. “Alguns gestores resistiam às mudanças, mas depois do distanciamento, perceberam  que o home office e o gerenciamento à distância não são delírios futuristas, mas uma realidade possível”, garante.

 Martins destaca a importância do distanciamento social para tirar do papel práticas que encontravam resistência (foto: Divulgação) 

Martins vai além, ressaltando que até as políticas públicas e leis trabalhistas foram flexibilizadas de modo a garantir acesso ao trabalho e à produção. “Essas medidas forçaram o debate sobre novas formas de legislar e compreender o mundo do trabalho”, diz.

Novos perfis 

Com o crescimento do e-commerce, inclusive entre setores mais resistentes às trocas virtuais, o presidente da ABRH-BA avalia que  haverá um aumento de qualidade nos produtos e serviços vendidos através da internet, e que será fundamental investir no pós- venda. “Se o consumidor passa a adotar a compra através da internet como preferencial, fidelizar esse cliente vai exigir que as empresas saíam da zona de conforto e passem a investir mais no atendimento que, atualmente, é algo bem deficitário, e  na garantia de boas experiências para esses consumidores”, defende. 

O novo consumidor, por sua vez, exigirá atuações diferenciadas das organizações. Martins enfatiza a capacidade de adaptação e resiliência dos profissionais, que deverão viver inúmeras mudanças no cenário de pós pandemia. As mudanças também vão impactar no perfil de colaborador que as empresas passarão a exigir.

“Esqueça aquele perfil cumpridor de ordens. No novo cenário, será necessário muita criatividade, liderança frente às crises e engajamento”, finaliza  Martins.


 
NOVAS HABILIDADES PARA O NOVO MUNDO DO TRABALHO


CRIATIVIDADE – A capacidade de responder às crises e às dificuldades com soluções criativas é uma das características mais pedidas para o cenário do mercado de trabalho atual;


RESILIÊNCIA – Com horizontes incertos, o profissional precisará exercitar a resiliência, que é a capacidade de suportar as dificuldades e superá-las;


PERSISTÊNCIA – Desistir diante da primeira dificuldade não é uma alternativa possível, nem hoje e, dificilmente, no pós pandemia. A persistência em enfrentar dificuldades será uma qualidade bastante solicitada;


LIDERANÇA – A capacidade de guiar outros colaboradores com empatia, simpatia e capacidade de estimular a colaboração do grupo também renderá bons frutos no cenário do mercado de trabalho;


ENGAJAMENTO – Para fazer frente às constantes mudanças, o profissional precisa estar engajado com a organização, comprometido com os propósitos de colaboração e superação. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas