Número de veículos multados diminui em Salvador; uso do celular preocupa

salvador
27.12.2018, 23:38:00
Atualizado: 27.12.2018, 23:39:38

Número de veículos multados diminui em Salvador; uso do celular preocupa

Segundo a Transalvador, 22% da frota foi multada em 2018 contra 28% em 2017 e 31% em 2016

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Salvador registrou queda no percentual de veículos autuados em infrações pelo segundo ano consecutivo, de acordo com a Transalvador.

Em 2018, os automóveis com multas representavam 22,01% da frota, o que significa uma redução de 6,85 pontos percentuais em relação a 2017, quando o índice era de 28,85%. Em 2016, 31,19% dos veículos tiveram multas na capital baiana.

O superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller, aponta que a queda no percentual de veículos nessa situação reflete uma mudança de comportamento dos condutores. “Antes da atual administração, as pessoas não estavam acostumadas com o controle e com ordenamento. Houve, no começo, um aumento das multas, mas agora verificamos essa queda desde 2016”, comentou ele.

Fabrizzio Muller disse também que a tendência é que a diminuição de veículos autuados permaneça nos próximos anos.

“A mudança de comportamento leva tempo. É o que vimos no passado, por exemplo, com o cinto de segurança. Hoje, as pessoas já entram nos veículos e, automaticamente, põem o cinto. Com as fiscalizações de alcoolemia, vemos até no círculo de amigos que as pessoas evitam beber antes de dirigir”, disse o superintendente.

Ele afirmou que o medo de ser multado é também um inibidor. “É necessário o processo educativo, mas a fiscalização também é necessária. Hoje um dos problemas que precisamos enfrentar é o uso do celular ao volante, uma das principais causas de acidentes com vítimas”, citou o superintendente da Transalvador.

A redução do índice de veículos autuados demonstra não ser real que haja uma “indústria de multas”: “A fiscalização é justamente para que as infrações e, consequentemente, as aplicações de multas diminuam”, salientou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas