Oito vinhos por até 60 reais

paula theotonio
18.07.2021, 11:00:00

Oito vinhos por até 60 reais


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Esta coluna é pra você que tem se assustado com os valores dos vinhos quando visita o mercado ou uma adega. Para início de conversa, viver está caro e seria de se estranhar que o aumento do preço do petróleo e a desvalorização da nossa moeda deixassem de fora nossa bebida predileta.

Todas as importações são convertidas em dólar, então se considerarmos que a moeda americana chegou a ter uma alta de 44% desde o início da pandemia, imagine o impacto disso na sua taça de vinho!

Apesar de terem se tornado excelentes opções, os vinhos brasileiros também precisaram se adaptar ao encarecimento dos insumos. A falta de garrafas, os acréscimos nos valores das barricas de carvalho, rolhas e os custos com energia e combustível alteraram e muito a precificação dos rótulos.

O resultado: vinhos de entrada, que antes custavam cerca de R$ 20, agora estão custando até R$ 35 (e olhe que essa categoria é a que menos tem sofrido com aumentos). Brancos, tintos, rosés e espumantes de até R$ 50 passaram a valer no mínimo R$ 70, e assim por diante.

Para contornar essa nova realidade, aqui em casa optamos por beber menos e melhor, escolhendo com mais atenção os rótulos que valem o investimento.

A seguir, listo algumas opções por até R$ 60 e que valem seu suado dinheirinho:

● Espumante Amitié Brut (R$ 49,60 no site da vinícola): Um espumante fino e elegante, com notas de frutas frescas e agradáveis notas florais. Equilibrado, com ótimo volume de boca e acidez refrescante.

● Rio Sol Chenin Blanc & Viognier (R$ 25,99 na Bebida Store): Um vinho branco fresco, com toque de frutas brancas e flores, ideal para ter em casa no dia-a-dia.

● Kit com 3 Vinhos em Lata Somm Branco (R$ 35,99 na Cervejabox): Todos dessa linha são excelentes. Juntos têm 807 ml, pouco mais que uma garrafa, mas a graça é abrir naqueles dias em que você quer beber pouco (e nem taça quer pegar).

● Miolo Seleção Cabernet Sauvignon & Tempranillo Rosé (R$ 39,46 no site da vinícola): Toda a linha Seleção é muito boa, mas esse rosado é especial. É fresco, versátil nas harmonizações e tem aquele aroma delicioso de frutas vermelhas.

● Casa Relvas Barricado (R$ 56 na Sociedade da Mesa): Quase seco, macio, frutado e com leve influência dos 6 meses em barricas de carvalho. Um vinho correto e que vale demais o preço.

● Esteban Martín Garnacha-Syrah (a partir de R$ 44,59 na Wine Vinhos): Um vinho levemente especiado da DO Cariñena, na Espanha, com aromas de frutas vermelhas e flores, além de taninos macios.

● Adega Bianchetti Cabernet Sauvignon 2016 (R$ 18 direto na vinícola): Orgânico e do Vale do São Francisco, apresenta cor granada e aromas já evoluídos de frutas cozidas e chocolate. Está prontíssimo para beber.

● Amadeo Cabernet Sauvignon 2019 (R$ 39,89 na Adega Mais): De Mendoza, tem aromas de frutas negras, toque de especiarias e é bem fresco.


Quem só deseja a paz de uma tacinha no almoço ou ao final do expediente, pode apostar nas bag-in-boxes. Elas equivalem a 4 garrafas de 750 ml por um preço bem menor e têm durabilidade de até 2 meses na geladeira.

O que mais aumenta o preço de um vinho?

Entenda, de uma vez por todas, como até mesmo dois rótulos de uma mesma região produtora podem ter preços tão distintos.

● Custos no campo

○ Vinhos elaborados com viticultura de precisão, com baixa produção e colhidos manualmente serão mais caros que aqueles elaborados em larga escala e de colheita mecanizada.

● Problemas no campo

○ Sabe a geada que gerou perdas de até 80% em vinhedos na França, em abril deste ano? Ela destrói os brotos das videiras. A produção da safra 2021 ficará encolhida e as garrafas ficarão, pelo menos, 50% mais caras quando chegarem ao mercado.

● Carvalho e rolha de cortiça

○ Cada rolha vale cerca de 1,2 euros e barricas novas de carvalho francês de 225 litros são encontradas por, no mínimo, 850 euros. Isso dá um custo de pelo menos 4 euros por garrafa, sem contar nenhum outro valor. Faça a conversão!

● Tempo de produção

○ Vinhos e espumantes jovens custam menos para as empresas e podem ser vendidos assim que ficam prontos, o que permite uma produção maior, o lucro pela quantidade e a venda por um preço mais baixo. Já as bebidas que estagiam em carvalho e/ou na garrafa por anos antes de chegarem ao mercado ocupam espaço e demoram mais tempo para gerar lucros, o que encarece o produto.

● Terroir e tradição

○ Nem tudo é custo. Um vinho de uma região produtora renomada e com demarcação de origem protegida, como Borgonha e Bordeaux, serão mais caros que os produzidos em seus arredores.

● Premiações

○ Boas resenhas de publicações de renome agregam mais valor aos vinhos.

● Escassez

○ Vinhos elaborados a partir de microterroirs e produzidos em pequeníssima escala se tornam raros e, portanto, mais caros.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas