Pai diz que menina morta por síndrome pós-covid não teve sintomas

coronavírus
04.03.2021, 13:35:05
Atualizado: 04.03.2021, 14:37:09
(Arquivo Pessoal)

Pai diz que menina morta por síndrome pós-covid não teve sintomas

Ana Clara Macedo Santos tinha apenas 13 e inicialmente ficou totalmente assintomática

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O motorista Paulo César dos Santos, de 50 anos, pai da adolescente Ana Clara, de 13 anos, que morreu em Campinas (SP) após contrair a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica pós-covid-19, uma condição rara que pode atingir crianças e jovens até 19 anos, deu suas primeiras declarações após o falecimento de sua filha caçula, e pediu para que a população "se importasse" com a doença.

Bahia já tem 62 casos e três mortes de crianças com síndrome associada à covid-19

"Era uma criança saudável, uma criança espontânea. Se ela não tivesse contraído o coronavírus, ela não teria morrido. [...] Se importem. Porque infelizmente está aumentando os casos de crianças. Não sabíamos que existia a síndrome, ficamos sabendo pelo hospital. Não tem como a gente precisar como foi a infecção por Covid. A gente não sabe dizer de onde. Segundo as informações médicas, na data do dia 24, ela podia ter contraído sete dias antes ou até seis meses atrás. Não culpei a volta às aulas. De repente, ela foi a transmissora para nós", alertou Paulo César ao G1 Campinas.

Quatro crianças de até 9 anos morrem por mês de covid-19 na Bahia

A família de Ana Clara é composta por Paulo, sua esposa e seus irmãos. Todos pegaram covid-19 entre dezembro e janeiro deste ano. Todos fizeram exames, exceto a caçula, que não apresentou nenhum sintoma. Adotando os protocolos recomendados, todos se recuperaram, sem nenhuma preocupação ou gravidade.

Crescem casos de crianças com síndrome rara ligada à covid na Bahia

No entanto, em fevereiro, Ana Clara sofria com intensas cólicas. Ele necessitou ser hospitalizada, e através do exame de sangue, descobriu que teve contato com o coronavírus. Por conta da síndrome inflamatória em estado avançado, após dois dias de internação, o quadro se agravou, com os rins e fígado tendo parado e o pulmão ficando comprometido. Ana acabou falecendo no dia 24 de fevereiro por falência em múltiplos órgãos.

“Ela deixou um legado para nós do amor de Deus, o perdão, somos evangélicos. Quero levar o legado dela pra frente. Que tudo isso sirva de alerta que criança também pega. Se previnam, usem máscara, álcool em gel, higienização.”, diz o pai da menina à publicação.

De acordo com o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) de Campinas — cidade de Ana Clara — a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica caracteriza-se por inflamações da parede dos vasos sanguíneos de órgãos como rins, articulações, sistema nervoso central e vias respiratórias. Esse foi o primeiro caso confirmado na cidade paulista.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas