'Pais precisam dar o exemplo': infectologista dá dicas para uma volta às aulas mais segura

salvador
26.04.2021, 05:00:00
(Divulgação/Secretaria Municipal de Educação de Salvador)

'Pais precisam dar o exemplo': infectologista dá dicas para uma volta às aulas mais segura

Aulas em Salvador serão retomadas no dia 3 de maio, mas retorno não deve só cumprir protocolos institucionais, defende infectologista

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mais de um ano depois, as escolas de Salvador reabrirão as portas para os alunos, no próximo dia 3 de maio. O retorno será feito com rodízio de dias de aulas, na rede municipal, e todos serão obrigados a usar máscara, respeitando um fluxo específico para evitar aglomerações. Os exemplos de outros países, e a divulgação de pesquisas até aqui, mostram como a volta às aulas pode acontecer de uma forma mais segura - indo além dos protocolos oficiais.

A retomada das aulas é especulada desde meados do ano passado. Entre setembro e outubro, na Bahia, autoridades chegaram a dar a retomada como certa. Mas, com a crescente do número de casos de covid-19 entre os mais jovens e mortes de crianças, houve um recuo. Agora, ficou definido que é o momento para o retorno. A decisão considera, segundo a Prefeitura de Salvador, a queda na taxa de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e da ocupação das Unidades de Pronto Atendimento (UPA). 

“Nós temos que avançar. Não podemos comprometer mais um ano letivo. Aonde eu vou, as crianças estão pedindo retorno", afirmou o prefeito Bruno Reis, no anúncio da retomada, na última sexta-feira. 

A infectologista Verônica Rocha, do Instituto Couto Maia, explica que a retomada pode acontecer com redução de riscos tanto às crianças, quanto para os profissionais de educação. “Hoje, não se tem mais justificativa científica para dizer que a escola é mais perigosa que outro estabelecimento que se esteja aberto. O risco existe em qualquer lugar fora das nossas casas”, contextualiza a médica. “Mas só faria sentido se as escolas fossem o local de maior contágio, isso não é o que a gente observa”, acrescenta. 

Segundo o Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileiro de Pediatria, menores de 20 anos respondem por 2,5% das hospitalizações e 0,6% das mortes no Brasil. Em 2021, ainda de acordo com o boletim divulgado pelo Departamento em março, a proporção de letalidade nas crianças e adolescente é menor que no ano de 2020 - era 8,2% no ano passado, e está em 5,8% neste ano.

Ou seja, o risco da retomada das aulas existe, diz a infectologista Verônica Rocha, “desde que não estejamos em lockdown ou possamos ficar em casa”. É preciso, agora, apontar possibilidades de um retorno mais seguro. 

Na avaliação dela, há três eixos centrais: os pais devem dar o exemplo aos filhos, usando máscaras adequadas ao tamanho do rosto e mostrando que a situação da pandemia é grave; não se deve associar à retomada das aulas com a flexibilização de festinhas ou aglomerações entre crianças; e o incentivo do senso de coletividade.

“Acredito que mais de uma questão de infraestrutura, e dos protocolos que já conhecemos, é preciso dar o exemplo e reforçar o básico”, explica.

A infectologista sugere que os pais comprem sempre máscaras ajustadas ao rosto das crianças, sem nariz ou boca descobertos, com duas camadas de proteção, enviem sempre na mochila embalagens de álcool em gel e duas máscaras extra - para que haja troca, em caso de uma delas molhar ou sujar. “As regras têm ser das escolas, mas os pais também precisam conversar com os filhos”, completa Verônica. 

As escolas públicas retornarão apenas as séries até o ensino fundamental, pois as escolas de ensino médio são de responsabilidade do governo do estado. As particulares podem fazer o retorno completo, em todas as séries. Todas devem respeitar um protocolo que prevê redução das turmas, organização de horários de acesso para evitar aglomerações e identificação de casos suspeitos da covid-19, por exemplo.

Por meio de nota, a Associação dos Professores Licenciados do Brasil na Bahia (APLB) afirmou que os professores só retornarão às escolas após a imunização total dos trabalhadores da Educação. O sindicato afirmou que, sem a vacinação completa, a categoria poderá entrar em greve. 

Em outros países, as aulas já foram retomadas, com critérios rigorosos de monitoramento dos alunos. Na França, em setembro do ano passado, as aulas chegaram a ser suspensas depois do retorno. O fechamento ocorreu nas escolas onde o número de casos de covid-19 avançou - segundo o governo francês, isso aconteceu na minoria das escolas. Em locais como a Alemanha, Suécia, França e Reino Unido, que puseram a educação na agenda prioritária, também houve investimento no rastreamento de notificações para isolamento dos alunos. 

A Coreia do Sul foi outra que iniciou um rigoroso rastreamento de contatos para estudar a rota de transmissão viral, depois da retomada das aulas. O país concluiu que não houve aumento de casos de infecção pelo coronavírus em crianças. Pesquisas realizadas na Irlanda chegaram a apontar que 41% dos casos de covid-19 em crianças tinham relações a surtos em casa, viagem e outros fatores externos à escola.

Doze cidades do entorno de Salvador decidem manter aulas não presenciais

Prefeitos de 12 cidades entre Região Metropolitana de Salvador e do Recôncavo baiano decidirem, em reunião com o secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues, não determinar data para o retorno às aulas presenciais nestes municípios.

Gestores de Lauro de Freitas, Camaçari, Simões Filho, Mata de São João, Dias D’Ávila e Conde, que compõem o Consórcio Metro Recôncavo Norte, e Candeias, Madre de Deus, Santo Amaro, São Sebastião do Passé, Saubara e S. Francisco do Conde, que formam o Consórcio Baía de Todos os Santos, participaram da reunião, que teve a presença da subsecretária de Saúde do Estado, Tereza Paim, secretários municipais de saúde e educação, e de técnicos das duas esferas.

Os gestores dizem que a decisão foi tomada por conta da ausência de uma programação mais efetiva para a vacinação dos trabalhadores da educação, reivindicação feita junto ao Ministério da Saúde.

A vacinação dos profissionais da Educação foi liberada pela Comissão Intergestores Tripartite do Estado da Bahia (CIB), mas os prefeitos entendem que o número de doses enviadas pelo Ministério da Saúde para os municípios ainda é muito pequeno. A maioria dessas cidades ainda imuniza o público prioritário da 1ª fase de vacinação, como profissionais de saúde, idosos acima de 60 anos e quilombolas.

“Sem uma programação mais efetiva da chegada de vacinas para os trabalhadores da educação, a nossa decisão foi de mantermos a cautela e de cobrar do Governo Federal mais celeridade na aquisição de mais vacinas, para termos mais segurança para os alunos, crianças, jovens e profissionais das escolas. Entendemos que as aulas presenciais contribuem muito para o aprendizado, mas não podemos descuidar da vida dos alunos e trabalhadores”, disse a prefeita Moema Gramacho, que preside o Consórcio Metro Recôncavo Norte.

De acordo com o prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo, uma nova reunião deverá ser convocada na próxima semana. “Na reunião faremos uma nova avaliação, desta vez com a participação de representantes do Ministério Público do Trabalho, Conselhos de Educação e Sindicatos das Categorias Profissionais. Enquanto isso, continuaremos com as aulas remotas e com tudo pronto para as aulas híbridas, aguardando o momento seguro para o retorno presencial”.

Dicas para uma volta às aulas mais segura*: 

- Use máscara e dê o exemplo para a criança. Seu filho se espelhará nas suas atitudes;
- Mande álcool em gel e duas máscaras extras na mochila;
- Compre máscaras adequadas ao tamanho do rosto da criança;
- Explique o contexto da pandemia para a criança;
- Estimule que ela não fique muito próxima de outros coleguinhas;
- Não confunda reabertura de escolas, com organização de festinhas infantis e outras aglomerações entre crianças; 
- Tenha senso de coletividade.

*Verônica Rocha, infectologista do Instituto Couto Maia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas