Parlamentares de 14 estados tentam proibir linguagem neutra nas escolas

brasil
22.07.2021, 08:06:59
(Arquivo AFP)

Parlamentares de 14 estados tentam proibir linguagem neutra nas escolas

Em Santa Catarina, houve decreto do governador Carlos Moisés (PSL) nesse sentido

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Parlamentares bolsonistas preparam uma ofensiva para proibir uso da linguagem neutra nas escolas em pelo menos 14 estados, segundo levantamento de O Globo. A discussão acontece em meio à volta às aulas presenciais e semi presenciais pelo país. 

A linguatem neutra é a proposta de adaptação da língua portuguesa para representar pessoas não binárias - que não se identificam com o gênero masculino nem o feminino. Pesquisa da USP de janeiro estima que 1,2% dos brasileiros se consideram não binários.

Santa Catarina é o único estado em que a já há um decreto do governador Carlos Moisés (PSL) proibindo a linguagem neutra em escolas privadas e públicas. O projeto de lei foi apresentado pela deputada Ana Caroline Campagnolo (PSL), entusiasta da Escola sem Partido. O PT entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o decreto.

Nos outros estados, os políticos fizeram propostas que usam um texto similar, defendendo que os alunos aprendam a língua portuguesa “de acordo com a norma culta e orientações legais de ensino estabelecidas com base nas orientações nacionais de Educação, pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp)”. O uso da "denominada 'linguagem neutra' na grade curricular e no material didático', assim como em editais de concursos públicos, fica proibido.

Em algumas das propostas, como em Pernambuco, há inclusão de multa para escolas que descumprirem o decreto. Lá, os autores do projeto citam Olavo de Carvalho na justificativa. Na cidade do Rio, o projeto é de autoria do filho do presidente, vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos).

Essa é a menor das prioridades dentro da maior crise educacional da História brasileira. As crianças e jovens perderam aprendizagem de uma forma extremamente preocupante. Isso é que deveria ter sentido de urgência, e não ficar discutindo detalhes acessórios de acordo com a visão de mundo dos parlamentares", critica Claudia Costin, diretora do Centro de Políticas Educacionais da FGV/RJ, a O Globo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048