Partidos baianos começam a definir apoio entre Bolsonaro e Haddad

bahia
09.10.2018, 15:00:00

Partidos baianos começam a definir apoio entre Bolsonaro e Haddad

PTB e PP no estado já anunciaram suas posições para o segundo turno

Vice-governador João Leão vai de Haddad; Benito Gama fica com Bolsonaro (Fotos: Arquivo CORREIO)

O primeiro turno eleitoral mal terminou e os partidos já iniciaram as reuniões para definir os apoios ao segundo turno aos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT). Alguns apostam no apoio da legenda, outros deixaram as escolhas a critério de cada integrante. 

Na Bahia, até a tarde desta terça-feira (9), o presidente estadual e vice-presidente nacional do PTB, deputado federal Benito Gama, era um dos que já tinham definido apoio do partido na Bahia à candidatura de Bolsonaro à presidência da República.

Por meio de nota, Benito afirmou que “os ideais do PTB Bahia coadunam desde sempre com o combate à corrupção, o respeito à legislação, a valorização da família e dos trabalhadores, além do estímulo ao agronegócio, indústria e comércio, para geração de emprego e renda”.

Benito Gama teve 29.964 votos válidos no último domingo (7) e não renovou o mandato em Brasília a partir de 2019. Já o deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB), que também sofreu derrota nas urnas, com 66.320 votos no pleito, foi outro que, independente da decisão nacional do PSDB, disse que vai apoiar o candidato do PSL.

“O Brasil não pode retroceder. Não podemos deixar prevalecer o populismo que corrói a nação, destrói os pilares da democracia e fragiliza os valores da família. Voto e trabalharei pela vitória de Jair Bolsonaro”, afirmou Imbassahy nas redes sociais.

Em Salvador, o vereador Cezar Leite (PSDB) também anunciou apoio ao presidenciável e está entre os líderes de uma manifestação pró-Bolsonaro que será realizada no próximo domingo (14).

Já o vice-governador da Bahia, João Leão (PP), oficializou o apoio do partido no estado ao candidato do PT, Fernando Haddad, mesmo com o PP nacional tendo optado pela neutralidade. 

De acordo com o presidente nacional do partido, o senador Ciro Nogueira, “tendo a clara compreensão dessas circunstâncias especiais que vivem a política e o país, o Progressistas adotará uma postura de absoluta isenção e neutralidade no segundo turno das eleições presidenciais”.

João Leão, que é vice-presidente nacional do PP, destacou que alguns pepistas querem apoiar Jair Bolsonaro, a exemplo da ex-candidata a vice de Geraldo Alckmin (RS), Ana Amélia. 

O candidato do PSOL, Marcos Mendes, derrotado na corrida governamentista na Bahia, já anunciou que vai apoiar Haddad. No entanto, os outros concorrentes ao cargo, Célia Sacramento (Rede), João Santana (MDB) e Orlando Andrade (PCO) ainda não se manifestaram. 

Zé Ronaldo (DEM), que ficou em segundo na corrida pela sucessão estadual, já havia anunciado apoio a Bolsonaro na reta final da campanha.

Enquanto o PSDB nacional decidiu não apoiar Bolsonaro nem Haddad e liberar os diretórios estaduais para fazer a escolha que quiserem, o presidente estadual da legenda, João Gualberto, decidiu ficar ao lado do candidato do PSL. O anúncio foi feito pelas redes sociais. 

Ele disse não se identificar ideologicamente com nenhum dos dois, mas ressaltou que não se permite votar nulo ou branco. "Jamais, jamais apoiarei o candidato de um partido que criou o mensalão, o petrolão, que financia países de regime totalitário com o dinheiro público e que é liderado por políticos que pretendem censurar a imprensa, como já revelou o condenado José Dirceu", afirmou. 

O PCO na Bahia informou que realizará uma conferência Nacional em São Paulo, "com a participação de militantes de todos os estados brasileiros para debater os próximos passos do partido e, entre outras questões, está a posição do partido referente ao segundo turno das eleições".

Cenário nacional
No Brasil, os apoios devem ser definidos nesta terça-feira (9), com os anúncios já esperados do PSB, PSDB, Rede, DC e PPL. No entanto, já há expectativas sobre as decisões. O PDT, do candidato Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar na disputa presidencial, indicou que deve assumir um “apoio crítico” à candidatura de Haddad.

Nas redes sociais, o candidato à presidência pelo PPL, João Goulart Filho, apesar de ter feito elogios a Ciro Gomes, não apontou se pretende apoiar Bolsonaro ou Haddad. A candidata da Rede, Marina Silva, fez críticas aos dois presidenciáveis, assim como João Amoêdo, do Partido Novo. 

Assim como o PP, o Novo também anunciou neutralidade nesta terça, embora tenha se posicionado absolutamente contrários ao PT, "que tem ideias e práticas opostas às nossas. O cenário presidencial no segundo turno não é aquele que desejávamos. Manteremos nossa coerência e nossa contribuição se dará através da atuação de nossa bancada eleita", informou a legenda.

A Rede e o DC, de Eymael, também devem anunciar nesta terça-feira os apoios. O MDB, presidido pelo senador Romero Jucá (MDB-RR), que perdeu a reeleição, deve se reunir nesta quarta (10) na capital federal. Já o PSTU, de Vera Lúcia, marcou para o dia 11 o anúncio.

O Podemos, que lançou Álvaro Dias, o Partido Novo, de João Amoêdo, e o PV, que lançou Eduardo Jorge, vice de Marina Silva, ainda não marcaram reuniões para decidir sobre o tema.

*Com supervisão da chefe de reportagem Perla Ribeiro.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas