Pastor R.R. Soares anuncia 'água consagrada' para curar coronavírus

coronavírus
22.05.2020, 12:10:22
Atualizado: 22.05.2020, 12:17:35
(Foto: Reprodução)

Pastor R.R. Soares anuncia 'água consagrada' para curar coronavírus

Líderes evangélicos estão preocupados com a baixa arrecadação com dízimos e doações durante pandemia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mais um pastor evangélico prometeu uma cura milagrosa para o coronavírus. Após Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial, e sua semente de R$ 1 mil, o líder neopentecostal R.R. Soares, da Internacional da Graça, está anunciando que seus fiéis estão se curando graças a uma água "consagrada" por ele em ritual.

R.R. Soares é dono da RIT TV (emissora UHF) e da Nossa TV —uma minúscula operadora de TV paga. O pastor também e conhecido por ser o apresentador do Show da Fé, que ocupa o horário nobre da Band há decadas, e também apresenta programas religiosos na RedeTV. 

Segundo o colunista Ricardo Feltrin, em seus programas o pastor fala das propriedades "milagrosas" de uma oração feita por ele somada à ingestão do copo de água consagrado por ele, enquanto, claro, pede doações aos fiéis.

Essa não é o primeiro remédio milagroso anunciado por ele. O pastor já havia dito em abril que uma oração-comando curaria o coronavírus.

Em vídeo, dois assistentes do missionário anunciam as curas em sequência dos fiéis que "acreditaram" no poder da água benta:

"Tenho dois casos. José Vicente, pelo YouTube, Ele conta que o Alex Mesquita do Rio de Janeiro estava internado no Rio há 11 dias e recebeu alta", proclama uma moça.

"E o segundo?", cobra Soares.

"É da Mirna Santos, pelo Facebook. A mãe estava com o vírus, ficou 15 dias no respirador e após a oração ficou curada", segue a assistente.

"João Machado, e você tem quantos do Covid, cobra o líder da igreja?"

"Tenho seis testemunhos do Covid", responde.

"Primeiro", ordena Soares.

"Primeiro é Sebastião do Rio de Janeiro. Fazia oito dias que a filha dele estava com Covid, mas depois da oração e do copo com água ela está curada", diz.

E segue: " Cosilene (sic) do Rio de Janeiro estava internada com Covid mas ela fez a oração e foi curada".

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), ainda não existe nenhuma cura ou vacina que proteja ou cure as pessoas do coronavírus.

Ministério Público
Assim como fez no caso de Valdemiro, o Ministério Público Federal vai investigar o caso e pedir a retirada do ar dos vídeos, que estão nos canais da igreja nas redes sociais.

Os procuradores também podem acusar Soares de estelionato e prática de charlatanismo, entre outras contravenções.

"Não há evidência conhecida de cura da Covid-19 por meio de alguma divindade nem por ingestão ou plantação de feijões mágicos", disse o MPF para fundamentar sua investigação contra Valdemiro.

Desespero
Desde a expansão da pandemia e o início do confinamento, em meados de março, líderes de igrejas evangélicas no Brasil se mostram desesperados porque os cultos foram restritos e as doações secaram.

Soares, Edir Macedo, Valdemiro Santiago e Silas Malafaia são alguns dos religiosos que, primeiro, menosprezaram a importância e o poder da doença; em seguida passaram a pressionar autoridades a poder retornar com os cultos.

Silas Malafaia e Edir Macedo são grandes aliados do presidente Jair Bolsonaro, que também é contra o isolamento social.

Soares veio pedir na TV que fiéis fizessem doações por meio de boletos online. Nos últimos dois finais de semana, por exemplo, Santiago chegou aglomerar mais de 3.000 pessoas em sua sede em São Paulo.

As igrejas também pressionaram e conseguiram que TVs como Band, RedeTV e Gazeta baixassem o preço cobrado pelo "aluguel" de horários da programação.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas