Pazuello passa mal em bastidores de CPI e é atendido por senador baiano

em alta
19.05.2021, 17:17:52
Atualizado: 19.05.2021, 17:50:40
(Foto: Jefferson Rudy/Senado)

Pazuello passa mal em bastidores de CPI e é atendido por senador baiano

Otto Alencar, que é médico, deu os primeiros socorros ao ex-ministro da Saúde. Sessão será retomada nesta quinta

O general do Exército e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello passou mal nos bastidores da CPI da Covid, momentos após a sessão em que prestava depoimento ser suspensa no Senado, na tarde desta quarta-feira (19). Segundo a CNN Brasil, quem prestou os primeiros socorros ao ex-ministro da Saúde foi o senador baiano Otto Alencar, que é médico.

O presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Azis, informou que a sessão deve continuar nesta quinta. "Suspendemos a sessão de hoje por conta do plenário do Senado. Ainda há 23 senadores inscritos. Voltaremos amanhã às 9h30", informou ele.

Antes do adiamento da sessão, Otto explicou como foi o atendimento a Pazuello. "Ele teve uma síndrome vago-vagal, que acontece com as pessoas que estão muito emocionadas, às vezes, e também ficam muito tempo em pé, por emoção", iniciou ele, em entrevista à CNN Brasil.

"É uma perda sanguínea do tórax, do cérebro, e isso recua muito para os membros inferiores, pro abdômen. Quando eu cheguei na sala do cafezinho, ele tava muito pálido, e eu vi e procurei colocar ele na posição correta, deitei ele; ele ficou corado, normal, tá bem oxigenado, e está bem", completou o senador, segundo o qual não teria problema em o ex-ministro voltar a prestar depoimento.

Sessão
Antes da suspensão, o ex-ministro havia afirmado que só soube do risco de abastecimento de oxigênio em Manaus no dia 10 de janeiro à noite, em reunião com o governador do Estado e secretários. A data em que o Ministério foi informado sobre o problema no Amazonas faz parte de um imbróglio de versões. A atuação do ex-ministro no caso é investigada em inquérito. Como revelou o Broadcast/Estadão, em depoimento à Polícia Federal em fevereiro, o ex-ministro mudou a versão do governo e disse que não soube do colapso no fornecimento de oxigênio no dia 8 de janeiro, como a Advocacia-Geral da União (AGU) havia informado ao Supremo Tribunal Federal (STF) anteriormente.

Por outro lado, Pazuello também disse à CPI que no dia 8 de janeiro já se iniciou o transporte aéreo de oxigênio para Manaus "Todas as ofertas de entrega de oxigênio, eu aceitei todas". "Demanda da White Martins só entrou na lógica do que estava sendo feito", respondeu o ex-ministro sobre a demanda feita pela empresa, alegando ainda que demonstrou interesse no avião ofertado pelos Estados Unidos para transportar oxigênio. A sessão precisou ser suspensa enquanto o assunto era discutido, em razão de um bate-boca envolvendo o senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS) e o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM)

"Medidas possíveis a partir do dia 10 foram executadas para Manaus", disse Pazuello. "O assunto é muito profundo, claro que ações proativas precoces trazem resultados melhores. Em tese, qualquer coisa tratada com precocidade traz respostas melhores", respondeu Pazuello ao relator Renan Calheiros (MDB-AL), afirmando ainda que o senador estava fazendo "suposições" sobre a demora de reação do governo.

O clima na CPI ainda esquentou entre o ex-ministro e o senador Eduardo Braga, depois de Pazuello afirmar que foram apenas três dias de desabastecimento de oxigênio no Amazonas. "Em 4 ou 5 dias, já estávamos com nível de estoque restabelecidos. Tivemos três dias onde aconteceram as maiores dificuldades", afirmou.

Braga então rebateu ao ex-ministro dizendo que a crise de desabastecimento durou 20 dias, e não três. "Não faltou oxigênio no Amazonas em apenas três dias. Faltou oxigênio por mais de 20 dias. É só ver o número de mortos, é só ver o desespero das pessoas. Não é possível", afirmou o senador.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas