Pedreiro mata suspeito de estuprar sua mulher: ‘aliviado e com remorso’

em alta
18.11.2019, 13:41:37
Atualizado: 18.11.2019, 14:02:08

Pedreiro mata suspeito de estuprar sua mulher: ‘aliviado e com remorso’

Ele encontrou suspeito na rua dois anos após ataque sexual em GO

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ajudante de pedreiro Jonas Pereira dos Santos, 25 anos, matou um homem conhecido como Bigiu, suspeito de estuprar a mulher dele há dois anos no Bairro Pinheiros 4, de Águas Lindas, interior de Goiás.

Segundo o site Metrópoles, Jonas andava pelo Bairro Pinheiros 2 quando, por acaso, encontrou com o suspeito na rua. Ao lembrar do crime contra sua esposa, ele efetuou seis disparos contra Bigiu.

O crime, que ele considerou como uma situação que lhe desperta alívio e remorso ao mesmo tempo, aconteceu na manhã do último dia 10. Jonas contou que adquiriu uma arma na ‘feira do rolo’ e estava andando na rua, quando, por acaso, se encontrou com o suposto estuprador. 

“Eu estava subindo a rua e me encontrei com ele. Na hora, puxei a arma, e dei seis tiros nele: três nas costas (três) e no rosto”, relatou.

O pedreiro se apresentou, acompanhado de um advogado, na Delegacia de Homicídios de Águas Lindas nesta segunda-feira (18). 

“Fiquei triste por essa situação, porque minha mulher sofreu muito com o caso. Depois de tudo que aconteceu, nós tivemos dificuldades de ter relações de novo, porque ela ficou muito traumatizada”, justificou.

Estupro
O homem ainda contou como foi o estupro. “Ele fez tudo com minha mulher. A minha filha estava no colo dela. O cara apontou uma arma na cabeça da minha esposa e a estuprou. Por isso que, quando encontrei com ele, todas essas lembranças vieram na minha cabeça e aí o matei”, comentou.

“Fico aliviado porque a justiça foi feita, mas fico com remorso também porque tenho família e quero o melhor pra eles”, concluiu.

Até a publicação da reportagem, Jonas ainda estava sendo ouvido na Delegacia de Homicídios de Águas Lindas (GO). As informações são do Metrópoles.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas