PF investiga contratos de pecuarista preso na Operação Lava Jato com BNDES

brasil
24.11.2015, 15:30:00
Atualizado: 24.11.2015, 15:41:32

PF investiga contratos de pecuarista preso na Operação Lava Jato com BNDES

Os investigadores acreditam ainda que há ligação dos empréstimos com doações de campanha ao PT

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O pecuarista José Carlos Bumlai, preso na manhã desta terça-feira (24) pela Polícia Federal (PF) na Operação Passe Livre, 21ª fase da Operação Lava Jato, terá seus contratos com o BNDES investigados. Nessa fase da operação, estão sendo investigados indícios de fraude em licitação na contratação de navio sonda pela Petrobras.

De acordo com a PF, “complexas medidas de engenharia financeira foram utilizadas pelos investigados com o objetivo de ocultar a real destinação dos valores indevidos pagos a agentes públicos e diretores da estatal”. Policiais federais estiveram na sede do banco e intimaram a presidência da instituição a entregar cópias de contratos e seus processos de aprovação, realizados entre 2005 e 2012. 

Polícia Federal
(Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)

Ao todo, serão investigados três empréstimos a duas empresas do pecuarista, amigo do ex-presidente Lula, que somam R$ 518 milhões. As empresas envolvidas no esquema são a São Fernando Açúcar e Álcool e a São Fernando Energia. Segundo o Ministério Público, boa parte desse dinheiro jamais foi paga.

Ainda segundo o MP, a São Fernando Açúcar e Álcool, por exemplo, obteve um contrato de R$ 350 milhões com o BNDES mesmo após já ter declarado falência. No momento, a empresa possui um passivo de R$ 1 bilhão, sendo metade dele com o banco.

De acordo com o procuradores que cuidam do caso, chamou atenção a realização de saques "vultuosos" das contas da empresa São Fernando por Bumlai, o que caracteriza indício de dissimulação do caminho até o destinatário final do dinheiro.

O BNDES informou em nota que não houve irregularidade nas operações e que possui garantias reais suficientes para fazer frente à dívida e que as medidas judiciais pertinentes foram devidamente tomadas pela instituição. "O BNDES reafirma a lisura de todos os procedimentos associados aos empréstimos com o Grupo São Fernando", diz a nota.

Os investigadores acreditam ainda que há ligação direta dos empréstimos investigados com doações de campanha ao Partido dos Trabalhadores (PT). "A força-tarefa tem se esforçado para verificar o uso de qualquer empresa ou órgão público para a formação de caixa para partidos políticos ou para a base do governo", disse o procurador Carlos Fernando dos Santos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas