'Playboy dos Bitcoins' some com grana de estelionatários

brasil
08.07.2020, 10:05:58
Atualizado: 08.07.2020, 13:21:51

'Playboy dos Bitcoins' some com grana de estelionatários

Falsário foi procurado para lavar R$ 60 mil, mas acabou vazando com dinheiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução

Como diria o ditado: "ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão". E justamente algo similar ocorreu em Brasília, quando o estelionatário Marlon Gonzalez Motta, 24, conhecido como “Playboy dos Bitcoins” sumiu com a grana de outros criminosos que o contrataram para lavar dinheiro. 

Marlon é alvo de um inquérito instaurado pela Polícia Civil do Distrito Federal. Segundo o Metrópoles, a investigação, batizada como “Lobo de Wall Street”, foi identificado que golpistas promoveram um falso leilão virtual de veículos que resultou em prejuízo de aproximadamente R$ 60 mil a três vítimas.

De acordo com as investigações, o leilão virtual de automóveis foi criado por golpistas para tentar enganar pessoas interessadas na compra de veículos que jamais existiram. Três homens perderam entre R$ 15 mil e R$ 22 mil antes que percebessem a fraude. Em seguida, Marlon foi procurado pelo grupo com o objetivo de lavar o dinheiro e para isso deveria transformar a quantia em moeda virtual, por meio de um banco digital.

No entanto, os golpistas foram passados para trás, quando Marlon entrou em contato com um ex-sócio dele, identificado como Felipe Fabiano Amorim, que tinha uma das contas digitais para onde o dinheiro foi transferido. “Apuramos que Marlon teria ficado com cerca de R$ 50 mil e Felipe Fabiano com outros R$ 9 mil”, explicou o delegado adjunto da 19ª DP, Sergio Bautzer.

Segundo a apuração da PCDF, após Marlon desaparecer com o dinheiro, os estelionatários foram atrás dos intermediários do negócio. Um empresário que teria apresentado o playboy dos bitcoins teve o carro tomado à força pelo grupo, que não aceitava ficar no prejuízo.

Posteriormente, em parceria com um empresário lesado pelo falsário, um ex-sócio de Gonzalez foi convencido a simular um falso sequestro, fingindo ser espancado, torturado e enforcado para “sensibilizar” o golpista a devolver os R$ 60 mil. Obviamente, o playboy não se comoveu e o plano não deu certo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas