Polícia identifica suspeito de matar PM em bar da Estrada Velha do Aeroporto

salvador
01.09.2021, 18:28:00
Atualizado: 01.09.2021, 19:01:27
(Arisson Marinho/Correio)

Polícia identifica suspeito de matar PM em bar da Estrada Velha do Aeroporto

Testemunhas do caso já prestaram depoimento e imagens de câmeras de segurança estão sendo analisadas

O homem suspeito de matar o policial militar da reserva Isídio Monteiro Bulhões Júnior, de 52 anos, foi identificado nesta quarta-feira (1). O crime aconteceu em um bar, na Estrada Velha do Aeroporto, na madrugada de segunda-feira (30).

A informação foi confirmada pela Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM), que investiga o caso, mas a identidade do suspeito não foi revelada, para não atrapalhar o andamento do caso. A polícia também optou por não fornecer mais informações do que já se sabe do crime, também para evitar que o vazamento de informação atrapalhe no processo de investigação.

Testemunhas do caso já prestaram depoimento e imagens de câmeras de segurança estão sendo analisadas.  

Relembre o caso
O crime ocorreu pouco depois das 21h. O policial foi atingido por três disparos e chegou a ser socorrido para o Hospital São Rafael, mas não resistiu. 

No final de semana, três atrações se apresentaram no bar. De acordo com o perfil do estabelecimento no Instagram, no sábado contaram Eduardo Soares, Cinho Silva e Mamau Estilizado. Já no domingo, dia da confusão, a atração foi Neto Calazans, que contou à reportagem o que aconteceu.  

"Houve uma briga. Na hora que desci do palco para interagir com a galera, rolou a confusão. Na hora, me virei para a banda e pedi para parar o show. Logo em seguida escutei os tiros e comecei a correr. Foram três tiros", disse o cantor, que em seguida alegou que não viu quem efetuou os disparos. 

Ele disse que na ocasião, ele correu e acabou se chocando com os túneis que fazem parte da decoração do espaço. "Estou com os braços machucados.  Teve gente que se jogou no chão. Muitas mulheres correram desesperadas para atrás do bar. Diante do pânico, parecia que mais de uma pessoa estava atirando", contou o cantor. No entanto, uma outra testemunha disse que o PM brigou antes de ser morto no bar.  

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas