Por que tanta gente abandonou as máscaras? Especialistas reforçam a importância do uso

coronavírus
27.02.2021, 16:00:00
Porto da Barra na terça-feira (23), último dia antes do fechamento das praias: aglomeração e muita gente sem máscara na areia (Arisson Marinho/CORREIO)

Por que tanta gente abandonou as máscaras? Especialistas reforçam a importância do uso

Bahia foi pioneira no estímulo às máscaras; equipamentos ajudam a evitar a disseminação do coronavírus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A fisioterapeuta Bianca*, 29 anos, está cansada - e não é só pelo trabalho na linha de frente do combate ao coronavírus no estado. Atuando em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de covid-19 de dois hospitais da Bahia, ela tem travado outra batalha em casa: com a mãe que, aos 61 anos, relaxou no uso de máscaras. 

“O que observo nela também tenho visto no geral. Sinto que minha mãe tinha muito mais cuidado, até para lavar a máscara. Ela chegava e lavava todas as usadas. Hoje, ela repete, pega a mesma que já usou”, conta. As saídas também aumentaram. Se, antes, a mãe quase não deixava a casa, agora tem acontecido com uma frequência maior. 

Nessas ocasiões, mais alguns vacilos.

“Qualquer oportunidade que tem, ela tira a máscara. Mal chega em um restaurante e tira, mesmo que eu diga para tirar só quando vier a comida. Estou tentando fazer o máximo, mas se ela não faz por ela, eu já cansei. Sinto que ela fica no mundo da fantasia, achando que está se protegendo”, desabafa.

O caso da mãe de Bianca expõe uma realidade preocupante para as autoridades de saúde. "Relaxamento" talvez seja a melhor definição para o que tem acontecido com muita gente nos últimos meses, na Bahia. Em bom baianês: o que não falta é quem largou de mão, que jogou para cima. Se o estado saiu na frente, ainda em abril, por estimular - e exigir, em estabelecimentos - o uso de máscaras na pandemia, a percepção de especialistas é que a adesão tenha diminuído por aqui. 

Por trás da mudança de comportamento, algumas justificativas se destacam. A própria flexibilização de medidas de restrição, a partir de agosto do ano passado, teria influenciado. É como se, depois do susto - de maio a julho, no máximo até agosto de 2020 - as pessoas tivessem ficado anestesiadas. 

“Parece que começaram simplesmente a ignorar. A gente começou a ver uma relutância maior no uso das máscaras, da higienização, do respeito ao distanciamento social. Estavam como se a pandemia estivesse acabando, estivesse no final”, analisa a epidemiologista Naiá Ortelan, pesquisadora da Rede Covida. 

É hora das máscaras N95? Especialistas debatem se Brasil deve seguir exemplo europeu

Falsa segurança
De repente, a segunda onda parecia algo distante. Não importa se muitos cientistas defendam que, no Brasil, nem mesmo tenha havido uma divisão - a primeira onda teria sido emendada na segunda. Parecia que o risco agora era algo que só se ouviria nos telejornais que mostravam a situação de países da Europa - uma versão piorada do que tinha acontecido no começo.

A queda momentânea no número de casos e de óbitos, assim como o início da vacinação, contribuíram para criar uma falsa sensação de segurança.

“As pessoas achavam que, porque não tinham vivenciado uma segunda onda, ela não aconteceria e não acometeria suas famílias. Começaram a ser descuidar e ser muito mais negligentes”, completa. 

Para a epidemiologista, há uma relação entre o descaso com as máscaras e o desrespeito ao distanciamento social. “A gente vê muitas aglomerações, práticas esportivas, pessoas circulando livremente nas praias ou nas ruas com máscara no queixo, com o nariz para fora, ou até no pescoço”, diz Naiá. 

As autoridades de saúde locais não têm estatísticas oficiais sobre a adesão às máscaras na Bahia. No entanto, projeções do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME, na sigla em inglês) da Universidade de Washington, conseguem demonstrar essa queda. Desde maio, o IHME inclui o Brasil em seus modelos de projeções - que, por sua vez, têm sido uma das bases para as decisões do governo dos Estados Unidos diante da pandemia naquele país.

De acordo com o instituto, o percentual de uso alcançou 78% da população em junho de 2020 e agora fica em torno de 63%. "Nós sabemos que máscaras são efetivas no controle à transmissão do vírus", diz o coordenador do Escritório de Estratégias para a Saúde da População da Universidade de Washington, Ali Mokdad. 

O epidemiologista reforça que as máscaras são cruciais não apenas para salvar vidas, mas também para retardar ou prevenir um lockdown no futuro.

"Usar máscaras é uma das melhores ferramentas que nós temos para proteger uns aos outros, para salvar vidas e para prevenir que os hospitais trabalhem além da conta, especialmente em locais que atualmente têm altos níveis de infecções por covid-19", completa. 

Tendência
É por isso que, hoje, uma das principais mensagens das secretarias de saúde estadual e municipais é de que as pessoas não deixem de usar máscaras. Em peças publicitárias e postagens em redes sociais, os apelos dão a entender que as autoridades reconhecem que parte dos baianos têm deixado a proteção de lado. 

A subsecretária estadual da Saúde, Tereza Paim, reconhece que houve a necessidade de uma campanha educativa forte agora, ainda que acredite que a situação já tenha estado pior.

“A Bahia foi pioneira nisso, por isso a adesão é muito maior aqui, do que em outros estados. Mas tivemos uma fase, depois de setembro e até antes do Natal, que as pessoas começaram a flexibilizar. Hoje, acho que já retomamos e vejo mais pessoas usando”, analisa. 

De fato, até nas estatísticas do IHME, é possível notar uma diferença. A queda começa em agosto e vai até dezembro, quando chega a 60%. Depois, a curva cresce um pouco - ainda que não esteja no mesmo patamar dos primeiros meses da pandemia. 

Apesar da diminuição, Tereza não vê a possibilidade de adotar medidas mais duras, a exemplo de multas para quem sair sem máscara na rua. “A multa não é educativa, é punitiva num estado que é tão pobre. O que temos feito é uma campanha educativa muito forte”, explica. 

Isso tudo indica que, além da sensação de que o pior havia passado, a flexibilização nas máscaras começou a acontecer justamente quando outras medidas foram relaxadas. No meio de agosto, houve a reabertura de bares, restaurantes, academias, salões de beleza e centros culturais. Em setembro, foi a vez de cinemas e teatros. Eventos também foram autorizados, desde que respeitassem as regras de um decreto municipal. Essa reabertura só foi interrompida no final do ano, quando cinemas e teatros foram fechados novamente. 

Individual e coletivo
Para muita gente, as máscaras podem ter representado algo assustador. Era novo e não fazia parte da cultura do país, como ressalta a assistente social Suzana Coelho, coordenadora do curso de Serviço Social da Unifacs. De acordo com ela, esse momento contrário à adesão revela a falta de uma visão ampliada de educação em saúde. 

“Pelo que tenho observado, há pensamento de ‘ah, estou de máscara, mas está todo mundo se contaminando. Então, se é incômodo, vou tirar”, analisa. 

Se a pandemia escancarou a necessidade de um pensamento coletivo, quem se nega a usar máscaras pode ter falta de senso de coletividade.

“A sensação que eu tenho é que chegou o momento que as pessoas percebem que não têm mais nada a perder. Tem um público que não tem oportunidade de diversão, de lazer, e as questões sociais vieram muito fortes. A máscara ficou em segundo plano”. 

Mas, em um cenário como o atual, é urgente pensar além do individual. Ou, ainda, assumir que a atitude individual tem impacto no coletivo. Se a pessoa não gosta de usar máscara ou se sente extremamente desconfortável com ela, o ideal é buscar uma “redução de danos”. 

Uma opção é evitar sair, de fato, como explica a epidemiologista Naiá Ortelan. “Se você está em um lugar que tem aglomeração, é obrigatório e é necessário respeitar, porque você não está colocando só a sua vida em risco”, diz. Além disso, uma dica é testar modelos de máscaras para saber quais são mais adequadas para cada pessoa. 

“Se a respiração fica mais difícil, o ideal é tentar fazer as coisas com mais calma, para não ficar muito ofegante. Tente ir em horários não muito quentes, também para não ficar ofegante”, completa. 

*Nome fictício
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas