Porta-voz do MBL é preso após chutar cozinheira e chamá-la de crioula

brasil
11.11.2019, 16:59:00
Atualizado: 11.11.2019, 17:23:00

Porta-voz do MBL é preso após chutar cozinheira e chamá-la de crioula

Thiago Dayrell foi detido em flagrante, mas nega o crime

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Arquivo Pessoal

O administrador Thiago Dayrell, 24 anos, foi preso em flagrante em Belo Horizonte (MG) pelos crimes de injúria racial e vias de fato após chutar e chamar de "crioula" a cozinheira Eliana da Silva, 43. Segundo o site 'Estado de Minas', a agressão teria acontecido às 23h44 do último sábado (9) num restaurante da capital mineira.

Nas redes sociais, Dayrell se apresenta como porta-voz do Movimento Brasil Livre (MBL) e "amante da boa política". 

Os policiais foram acionados pelo gerente do estabelecimento depois que o suspeito teria agredido a cozinheira. Segundo a versão de testemunhas, Dayrell chegou ao bar "gritando", quando foi abordado pelo gerente, que pediu para que ele baixasse o tom de voz. 

O gerente contou à polícia que o jovem jogou o cartão de crédito na operadora de caixa e disse "cobra essa porra logo". Nesse momento, Eliane teria tentado apaziguar a situação, pedindo calma. Foi quando o suspeito teria dito "não coloca a mão em mim, sua crioula". 

De acordo com a ocorrência, Thiago Dayrell chamou o gerente para a briga e teria tentado agredi-lo. Diante da confusão, Eliana tentou separar os dois. Neste momento, ela teria sido agarrada pelo pescoço por Dayrell, que a chutou na coxa direita. Foi necessária a interferência de populares para apartar a briga. Dayrell estava no bar com a namorada, de 22 anos. 

O suspeito foi levado para a Central de Flagrantes, onde foi autuado pelos crimes de injúria e vias de fato, conforme informou a assessoria de imprensa da Polícia Civil de Minas Gerais. Ele pagou fiança no valor de R$ 1 mil e foi liberado. 

Versão de Thiago Dayrell
O autointitulado porta-voz do MBL disse aos PMs que entrou no restaurante, pediu uma cerveja e uma refeição, sendo informado que o pedido levaria 10 minutos. Como demorou, ele questionou quanto tempo demoraria para sair o pedido e recebeu a resposta de que seria mais de 20 minutos. 

Diante do informado, pediu ao garçom para fechar a conta e dirigiu-se até o caixa para fazer o pagamento da cerveja que havia tomado.

Ele teria reclamado do atendimento quando o garçom teria dito "vai se f*der seu merda". Ele alega que um dos garçons o puxou pelo braço, expulsando-o do estabelecimento. Também afirma que foi empurrado e que o garçon jogou a cadeira contra ele, quando a namorada interveio.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas