Posicionamento da OMS é retirado de contexto para apoiar falas de Bolsonaro contra o isolamento social

coronavírus
03.05.2021, 21:00:00
Atualizado: 13.05.2021, 10:10:40

Posicionamento da OMS é retirado de contexto para apoiar falas de Bolsonaro contra o isolamento social

Reportagens com falas antigas de representantes da Organização Mundial da Saúde sobre o enfrentamento à pandemia são retiradas de contexto para reforçar o discurso do presidente Bolsonaro sobre o fim das medidas de distanciamento social
  • Conteúdo verificado: Postagens recentes do vereador Carlos Bolsonaro e da deputada Bia Kicis (PSL-DF) comparam falas do presidente Jair Bolsonaro sobre a duração da pandemia do novo coronavírus e as medidas de isolamento com posicionamentos da OMS publicados em reportagens sobre o tema.

As falas do presidente Jair Bolsonaro contrárias às medidas de enfrentamento à pandemia da covid-19 não condizem com o posicionamento da Organização Mundial da Saúde sobre o tema, ao contrário do que sugerem postagens de políticos no Facebook.

Em duas publicações recentes, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos) e a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) comparam uma fala de Bolsonaro contrária ao isolamento social, sob a justificativa de que “vamos conviver com o vírus a vida toda”, a posicionamentos de representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a duração da pandemia, publicados em diferentes veículos no ano passado.

Nas postagens há apenas uma referência ao título de cada matéria: “Bolsonaro volta a atacar isolamento: vamos conviver com o vírus a vida toda”, da Istoé; “OMS: não esperem a vacina para acabar com pandemia – Entidade alerta que pessoas terão que conviver com o vírus”, da CNN; e “Coronavírus pode nunca ser erradicado, alerta OMS”, do Poder360. Porém, uma leitura completa dos textos, localizados pela nossa reportagem, mostra que a OMS, na verdade, reforça a importância das medidas adotadas em todo o mundo para o enfrentamento à pandemia, sobretudo nos momentos em que houve aumento do número de casos. Em posicionamentos mais recentes, membros da Organização também já defenderam, por diversas vezes, os protocolos de distanciamento e uso de máscaras, por exemplo.

O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro e a deputada Bia Kicis foram procurados pela reportagem, por e-mail, mas não responderam até a publicação desta verificação.


Como verificamos?Os posts dos dois políticos fazem uma comparação entre duas reportagens. Uma, publicada no site da Istoé em 12 de fevereiro, tem o título “Bolsonaro volta a atacar isolamento: vamos conviver com o vírus a ‘vida toda’”.

Na publicação de Bia Kicis, o outro trecho mostrado na imagem é de uma matéria do portal Poder360, como mostra a logo no canto da postagem.

Uma busca no Google pelo trecho em destaque nos levou a uma publicação do dia 14 de maio de 2020, intitulada “Coronavírus pode nunca ser erradicado, alerta OMS”, e assinada pela Deustche Welle, emissora pública de comunicação da Alemanha.

Já no caso da publicação de Carlos Bolsonaro, o segundo conteúdo é uma foto que mostra a correspondente da CNN em Londres, Denise Odorissi, com a legenda “OMS: não esperem a vacina para acabar com a pandemia – entidade alerta que pessoas terão que conviver com o vírus”.

O Comprova tentou localizar o vídeo completo da reportagem, mas ele não está disponível nos canais oficiais da CNN. Buscamos, então, por pistas da data em que foi veiculada e em que contexto começou a circular.

Imagens semelhantes da transmissão da CNN vêm circulando desde agosto de 2020. A mais antiga encontrada pelo Comprova foi publicada no Twitter pelo perfil @BOLS4KUR4, que tem outro nome atualmente. O tuíte, de 21 de agosto de 2020 às 8h31, destacava duas frases reproduzidas pela geração de caracteres do canal de notícias: “não esperem a vacina para acabar com a pandemia” e “as pessoas terão que conviver com o vírus”. Em seguida, o perfil reclama que o presidente Jair Bolsonaro “foi chamado de genocida por dizer a mesma coisa”. O tuíte teve mais de 7 mil interações.

No mesmo dia, prints do tuíte foram compartilhados em várias páginas e grupos de apoio ao presidente Bolsonaro no Facebook. As postagens que tiveram mais engajamento foram feitas por deputados federais: a de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), publicada às 13h05, recebeu mais de 110 mil interações e a de Bia Kicis (PSL-DF), enviada às 13h38, ultrapassou as 55 mil interações.

A postagem mais antiga com a mesma imagem da CNN encontrada pelo Comprova no Facebook foi feita pelo deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), que usou o material para criticar a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a ferramenta Crowdtangle, a publicação foi feita às 8h38 do dia 21 de agosto de 2020 e recebeu mais de 10 mil interações (reações, comentários e compartilhamentos). Os perfis oficiais de Silveira no Facebook, Instagram e Twitter estão bloqueados por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), depois que o parlamentar divulgou um vídeo com ataques aos integrantes da Corte e em defesa da ditadura militar.

Nessas postagens, ao contrário da publicada por Carlos Bolsonaro, é possível ver a imagem completa da tela da CNN. Outra notícia, na tarja inferior do canal, diz: “Chuva de meteoritos atinge o sertão de Pernambuco”.

Com uma busca no Google, localizamos a reportagem da CNN sobre a chuva de meteoritos em questão, que é do dia 20 de agosto de 2020. Como o conteúdo também começou a circular nas redes sociais por volta do mesmo dia, procuramos, então, por pronunciamentos de representantes da OMS que tivessem relação com o conteúdo veiculado na CNN e tivessem uma data próxima a 20 de agosto, e encontramos a transcrição de um discurso do diretor-geral da Organização, Tedros Adhanom, do dia 21 de agosto.

A nossa reportagem tentou contato com o vereador Carlos Bolsonaro e com a deputada Bia Kicis pelo e-mail dos respectivos gabinetes dos políticos, mas não tivemos retorno até a publicação deste texto.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 3 de maio de 2021.


Verificação
“Vamos conviver com o vírus a vida toda”
matéria da Istoé que menciona Jair Bolsonaro e cujo título foi publicado por Carlos Bolsonaro e Bia Kicis é de 12 fevereiro de 2021, e repercute falas do presidente a apoiadores.

O texto detalha a declaração do chefe do executivo sobre a permanência do vírus: “Bolsonaro afirmou que, apesar de sua postura contra a quarentena, ele é chamado de ‘genocida’ mas, na sua avaliação, se a população ‘não trabalhar, vai morrer por depressão, praticar suicídio’. ‘Acho que vamos ter que conviver (com o vírus) a vida toda, ele não vai embora’, afirma”.

Outro trecho cita outras falas do presidente na mesma ocasião: “Em conversa com apoiadores, o dirigente apontou que, desde o início da pandemia do novo coronavírus, foi contrário ao discurso do ‘fica em casa e a política de que a economia a gente vê depois’. ‘Bateram bastante em mim, mas agora estão cobrando todos os desempregados’, afirmou. ‘Quem mandou ficar em casa não fui eu, fechou comércio e destruiu emprego não fui eu’, enfatizou.”

O Comprova localizou um vídeo com as declarações completas de Bolsonaro no dia 12 de fevereiro, para entender todo o contexto da declaração sobre a permanência do vírus. A declaração foi dada a apoiadores, na ocasião, em meio a críticas às ações de isolamento social:

“Quem mandou ficar em casa, fechou o comércio e destruiu empregos não fui eu. Querem agora me acusar de genocida. Sempre falei que tínhamos dois problemas: o vírus e o desemprego. ‘Ah, ele é insensível! Vida é uma só’. Ô imbecil, eu sei que a vida é uma só, mas nós temos que trabalhar. Se não trabalhar, vai morrer de depressão, vai praticar suicídio, vai ficar mais propenso a pegar outras doenças. Parece que não tem mais doença no Brasil. Só tem covid. E agora já estão dizendo aí — na imprensa, né, se é verdade não sei — teremos que conviver com o vírus com pelo menos 10 anos. Eu acho que vai ter que conviver a vida toda, não vai embora. Se você vacinar todo mundo no Brasil, alguém num país qualquer fim de mundo aqui, num fim de mundo qualquer, vai sobreviver gente com o vírus e quando acabar o efeito da vacina vem pra cá de novo.”


Vírus endêmicoComo já mencionado, o outro trecho de matéria destacado pela deputada Bia Kicis é do site Poder360, e traz as informações sobre uma entrevista coletiva concedida por integrantes da Organização Mundial da Saúde em maio do ano passado.

Uma leitura do texto completo mostra que, ao contrário do que disse Bolsonaro na ocasião repercutida na matéria da Istoé, a fala de representantes da OMS sobre “convivermos com o vírus” não está ligada a um abandono das medidas de isolamento e restrição de circulação. Em um trecho, a reportagem inclusive fala sobre o grande esforço necessário para que a pandemia fosse controlada:

“Ryan [Michael Ryan, diretor de emergências da OMS] reconheceu que o mundo demonstrou que a crise de covid-19 pode ser controlada, mas alertou que isso exigirá 1 “esforço maciço” de líderes e da sociedade, mesmo que uma vacina seja encontrada. Ele lembrou que vacinas existem para outras doenças que nunca foram erradicadas, como o sarampo.”

A possibilidade do vírus se tornar endêmico, apontada pela Organização Mundial da Saúde, não significa que devem ser abandonadas as principais medidas adotadas até então para o arrefecimento da pandemia: o distanciamento social, uso de máscaras e vacinação da população.

Em outra passagem, o texto traz outro alerta de Michael Ryan, que também demonstra a diferença entre o que diz a OMS e as declarações do presidente Bolsonaro: “Ryan acrescentou que ainda há um “longo caminho a percorrer” até o retorno à normalidade e insistiu que as nações mantenham seu curso no combate à pandemia.”


“Não esperem a vacina para acabar com a pandemia”O posicionamento da Organização Mundial da Saúde a que a repórter da CNN se refere é, como também já mencionado, do dia 21 de agosto de 2020. Na ocasião, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, disse que não era possível aguardar uma vacina para adotar ações de combate ao vírus.

“Nenhum país pode ultrapassar isso [a pandemia] até que tenhamos uma vacina. Uma vacina será uma ferramenta vital, e esperamos ter uma disponível o mais breve possível. Mas não há uma garantia de que teremos, e mesmo se tivermos, ela não vai acabar com a pandemia sozinha. Nós todos precisamos aprender a controlar e lidar com este vírus usando as ferramentas que temos agora, e fazer os ajustes em nossas vidas cotidianas que são necessários para nos manter e aos outros seguros. Os chamados ‘lockdowns’ permitiram que vários países diminuíssem a transmissão [do vírus] e tirassem a pressão sobre os seus sistemas de saúde. Mas os lockdowns não são uma solução a longo-prazo para nenhum país. Nós não precisamos escolher entre vidas e meios de vida, ou entre a saúde e a economia. Esta é uma falsa escolha. Ao contrário, a pandemia é um lembrete de que a saúde e a economia são indissociáveis”.

É importante ressaltar que, em agosto do ano passado eram divulgados os primeiros resultados dos testes da CoronaVac, e a vacina russa Sputnik V havia sido anunciada há poucos dias – nenhum imunizante contra o novo coronavírus, portanto, era aplicado em larga escala no mundo. A primeira vacina só foi aplicada fora do contexto de testes, aliás, em dezembro, no Reino Unido.


Luz no fim do túnelAs reportagens usadas nas postagens de Carlos Bolsonaro e Bia Kicis são antigas, e a Organização Mundial da Saúde, hoje, diante da existência de várias vacinas eficazes contra o novo coronavírus, já atualizou os prognósticos para o futuro da pandemia.

No dia 18 de março, a Organização publicou, em sua página oficial em inglês um vídeo intitulado “As vacinas contra a covid-19 são parte da solução, mas não vão acabar com a pandemia sozinhas”. Na publicação, Mike Ryan diz que “As vacinas são uma parte enorme de uma solução de longo prazo, e quando chegarmos às vacinas de segunda ou terceira geração e melhorarmos o nosso monitoramento, nós vamos conseguir um controle total deste vírus. Há uma luz no fim do túnel”.

Segundo ele, porém, os imunizantes não vão ser capazes, por si só, de acabar com a transmissão da doença. “As vacinas vão acabar com a tragédia das mortes e das cenas horríveis de UTIs lotadas em hospitais. Mas não vão acabar com a transmissão. E ainda vão existir pessoas que não estarão protegidas porque elas não podem ou não querem ser vacinadas, ou, mais importante, não tem acesso às vacinas, por causa da forma como estamos distribuindo as vacinas no mundo, que, aliás, é terrivelmente injusto”, ressalta.

Na legenda do post, há a recomendação para que continuem a ser adotadas outras medidas de enfrentamento à pandemia, para além da vacinação: “distanciamento físico, máscaras, lavagem das mãos, ventilação e evitar aglomerações”.


Carlos BolsonaroSegundo filho do presidente, Carlos Bolsonaro é vereador da cidade do Rio de Janeiro pelo partido Republicanos. Ele foi reeleito para o sexto mandato na Câmara Municipal em 2020, mas é apontado como um dos responsáveis pela estratégia de comunicação do pai nas redes sociais antes da eleição para presidente em 2018.

Outras postagens do vereador já foram checadas pelo Comprova, como um tuíte enganoso que acusava o governador do Maranhão, Flávio Dino, de defender o uso da cloroquina no tratamento da covid-19.


Bia KicisPresidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, Bia Kicis (PSL-DF) é aliada do presidente Jair Bolsonaro, e está em seu primeiro mandato como parlamentar.

O Comprova já verificou outras postagens feitas pela Deputada durante a pandemia da covid-19, como uma que questionava o uso de máscaras de proteção e um vídeo de médicos e empresários que desqualificava medidas contra a disseminação do vírus e culpava a China pela pandemia.


Por que investigamos?O Projeto Comprova verifica conteúdos que viralizaram nas redes sociais e que contenham informações suspeitas sobre o novo coronavírus. É o caso das postagens dos políticos, que, juntas, tiveram mais de 23 mil interações no Facebook, segundo a ferramenta CrowdTangle.

As medidas de distanciamento social, restrição de circulação e lockdown têm sido responsáveis, desde o início da pandemia, por evitar o colapso dos sistemas de saúde de vários países e por diminuir os índices de transmissão e as mortes pela doença.

O Brasil atingiu a marca de 400 mil mortes por covid-19 em abrilSem uma quantidade suficiente de vacinas para garantir a imunização da população em ritmo necessário, essas medidas, adotadas de forma isolada por estados e municípios em alguns momentos da pandemia, são a única maneira de evitar uma terceira onda de casos do novo coronavírus nos próximos meses.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; aquele que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

*Esta checagem foi postada originalmente pelo Projeto Comprova, uma coalizão formada por 28 veículos de mídia, incluindo o CORREIO, a fim de identificar e enfraquecer as sofisticadas técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso que surgem em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Esta investigação foi conduzida por jornalistas da BandNews FM, e validada, através do processo de crosscheck, por seis veículos: A Gazeta, O Popular, Estadão, Correio de Carajás, UOL e SBT.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas