Presos fazem rebelião em presídio no Rio após intervenção federal

brasil
18.02.2018, 21:13:32
Imagem de helicóptero da PM-RJ mostra movimentação no pátio do Milton Dias Moreira durante a rebelião (Reprodução)

Presos fazem rebelião em presídio no Rio após intervenção federal

Motim ocorre na Penitenciária Milton Dias Moreira, na Baixada Fluminense

Detentos iniciaram neste domingo (18) uma rebelião na Penitenciária Milton Dias Moreira, em Japeri, na Baixada Fluminense, dois dias depois do anúncio da intervenção federal no Rio. Agentes penitenciários são mantidos como reféns.

A intervenção anunciada na sexta (16) transfere ao general Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, a gestão das forças de segurança do Estado, incluindo as polícias militar e civil, os bombeiros e a administração penitenciária.

Conforme nota divulgada por volta de 19h45 pela Seap, inspetores de segurança e administração penitenciária frustraram, ainda de tarde, uma tentativa de fuga de internos na penitenciária. “Logo após, os internos iniciaram um motim. A Seap informa ainda que há reféns, no momento”, diz a nota.

O Grupamento de Intervenção Tática (GIT da Seap está no local. O Batalhão de Choque e diversas unidades da Polícia Militar (PM também apoiam a ação diante da rebelião.

Hoje mesmo a Secretaria de Administração Penitenciária anunciou que havia reforçado a segurança nos presídios cariocas após o anúncio da intervenção. "Uma série de medidas operacionais foram adotadas, com o objetivo de impedir instabilidades no sistema carcerário", disse, em nota, o secretário de Administração Penitenciária, David Anthony Gonçalves Alves. Questionada, a secretaria não detalhou quais seriam as “medidas de controle”.

A Seap não detalhou quais são as medidas. Na nota, diz que mudanças no controle dos presídios já vinham sendo elaboradas desde a posse de Alves, no dia 24 de janeiro, e foram antecipadas após o anúncio da intervenção.

Segundo o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), a Penitenciária Milton Dias Moreira tem capacidade para 884 detentos, mas mantinha em janeiro 2.027 presos.

Relatório de inspeção do CNJ referente ao mês de janeiro informa que já foram encontradas armas de fogo e aparelhos de telefone celular na penitenciária. O relatório concluir que as condições do estabelecimento penal são ruins.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas