Professor da rede pública estadual é morto a facadas nos Barris

bahia
22.01.2021, 15:05:00
Atualizado: 22.01.2021, 15:19:35
(Arquivo Pessoal)

Professor da rede pública estadual é morto a facadas nos Barris

Carlos França tinha 48 anos e era gay; suspeito foi preso com arma na mão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O professor da rede estadual de ensino público, Carlos Alexsandro Silva França, de 48 anos, foi assassinado na madrugada da quinta-feira (21) em sua residência, no bairro dos Barris, em Salvador.

De acordo com a Polícia Militar, a equipe do 18ª Batalhão da PM foi acionada com a informação de uma briga entre dois homens. Ao chegarem no local, os policiais encontraram Carlos apresentando ferimentos causados por golpe de faca, e o autor do crime com uma peixeira em mãos. 

O assassino esboçou reação contra os policiais e precisou ser contido, diz a PM. Um disparo foi dado e ele foi baleado no ombro. O acusado e a vítima foram socorridos ao Hospital Geral do Estado. O primeiro, após receber alta médica, foi conduzido ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde terminou preso em flagrante.

Carlos França não resistiu aos ferimentos e foi sepultado na manhã desta sexta-feira (22), no município de Amélia Rodrigues, sua cidade natal. 

Tanto a Secretaria da Educação do Estado (SEC) quanto a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS) lamentaram a morte do professor, ressaltando as contribuições do educador e a possibilidade do crime ter sido cometido por LGBTfobia. 

"O Brasil está no ranking dos países que mais matam LGBTs no mundo. Uma realidade que causa muita preocupação e urgentemente precisa ser transformada. É preciso respeitar a diversidade, respeitar as pessoas e a vida. A SJDHDS repudia veementemente essa violência brutal e reafirma o seu compromisso em defesa de todas as pessoas da comunidade LGBTQIA+", diz a nota da secretaria. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas