Professor é afastado após enviar foto nu para alunos pelo WhatsApp em SP

brasil
17.10.2020, 09:10:29
Atualizado: 17.10.2020, 09:24:38

Professor é afastado após enviar foto nu para alunos pelo WhatsApp em SP

Adepto do naturismo, professor diz que enviou foto por engano para grupo de alunos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O professor de uma escola estadual de Campinas (SP) foi afastado depois de enviar uma foto nu para alunos do 7º ano do Ensino Fundamental através do WhatsApp. A conduta do professor é alvo de apuração da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Segundo o portal Uol, o envio aconteceu na quarta-feira (14). Na imagem, o profesor aparece sentado, nu, segurando um copo de achocolatado. "Bom dia, pelados. Com achocolatado gelado e corpo pelado. Ótimo dia de chuva a todos. Beijos, pelados", escreveu ao compartilhar a foto. As mensagens fazem referência ao naturismo, prática em que as pessoas ficam nuas.

Professor enviou fotos para grupo errado

A imagem foi recebida pelos alunos às 7h45. O professor de artes afirma que enviou a foto para o grupo errado por engano. A mensagem provocou indignação entre os pais dos alunos, de acordo com a publicação. Eles alegam que os filhos estão "em choque". 

O caso foi parar na delegacia. Uma mãe registrou um boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher da cidade. O docente é investigado por divulgar fotos e vídeos contendo pornografia para criança ou adolescente (artigo 241-A do Estatuto da Criança e do Adolescente).

Em uma nota enviada à imprensa, o professor informou que pratica o naturismo há 15 anos e que enviou a mensagem para o grupo errado. Ele disse que, assim que percebeu o equívoco, avisou a coordenação da escola.

"Nada ocorre de maneira aleatória. Na arte, sempre existiu o nu. Artistas, vários, já postaram fotos. Existem programas com nu na TV. E ainda assim, existe um preconceito generalizado sobre o tema, assim como contra mulheres, raça, religião. Assim, quem sabe, não possamos tentar minimizar essa história. Apenas cometi um erro que até pode servir para uma discussão sobre o tema", argumentou.

Em nota, a Secretaria de Educação disse que apura o caso. "A Diretoria Regional de Ensino informa que assim que tomou conhecimento do caso, abriu um processo de apuração e o docente será afastado de sua função. A DRE está à disposição dos pais e responsáveis pelos alunos para quaisquer esclarecimentos", informou.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas