Racismo: mercado é multado em R$ 112 mil após segurança acusar homem negro de furto

brasil
13.03.2020, 09:24:40
Atualizado: 13.03.2020, 09:31:43

Racismo: mercado é multado em R$ 112 mil após segurança acusar homem negro de furto

Além da acusação infundada e sem provas, o jovem foi agredido no estabelecimento em Santa Catarina

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Acervo Pessoal

Um supermercado de Florianópolis foi multado em R$ 112 mil após um segurança do estabelecimento abordar, acusar e agredir um homem negro de furto em 7 de janeiro deste ano. A sentença foi expedida na última quarta-feira (11) pelo Procon de Santa Catarina.

Segundo o Uol, Renan da Silva Rodrigues, 26, entrou no supermercado para comprar uma cerveja, mas sem encontrar o que queria, decidiu ir a outro estabelecimento, na mesma rua. Antes de deixar o supermercado, no entanto, foi abordado pelo segurança. 

Na época, ele disse ao UOL que o funcionário o pegou pelo braço, deu-lhe uma "chave de pescoço" e o acusou de furto, sendo arrastado para o interior do estabelecimento. O jovem afirma que não foi revistado. Um vídeo mostra a abordagem e o momento em que clientes deixam os caixas para ver o que estavam acontecendo. 

Após o caso, o supermercado interrompeu os serviços prestados pela empresa terceirizada de segurança. "A discriminação nas relações de consumo é crime previsto no Código de Defesa do Consumidor e também na Constituição Federal e está sujeito a punição", informou o Procon em nota.

O valor da multa não será repassado à vítima. Segundo o advogado Eduardo Herculano, que defende Renan, o valor será destinado ao fundo estadual de defesa do consumidor. Entretanto, um processo por danos morais corre na Justiça. Procurado, o supermercado BIG informou, por meio da assessoria, que não vai se manifestar porque ainda não foi comunicado da decisão.

Além da multa paga pelo mercado, o segurança pode ser condenado de três meses a um ano de detenção.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas