Rancho do Cogumelo alcança produção de mais de uma tonelada na pandemia

coronavírus
14.11.2020, 11:00:00
Há três meses, Edgard Pinheiro e Edirlan Sampaio começaram a vender e produzir os cogumelos (Foto: Divulgação)

Rancho do Cogumelo alcança produção de mais de uma tonelada na pandemia

Faturamento mensal do negócio chega a R$ 18,5 mil e começa a conquistar seu espaço na mesa e no mercado baiano

Cerca de 100 g tem a mesma quantidade de proteína que 100 g de carne vermelha. Ele também é rico em vitaminas B1, B2, B3, C, D, cálcio, potássio e um baixo teor de gordura. Dá para entender porque o cogumelo tem conquistado cada vez mais gente. Champignon, shimeji, shiitake e uma imensa variedade de outros tipos comestíveis têm marcado presença na mesa, seja pelas suas propriedades nutricionais, versatilidade nas receitas ou expansão do veganismo.

Foi justamente quando passou a consumir os cogumelos, que surgiu a curiosidade de entender mais sobre o cultivo, que o administrador de empresas Edgard Pinheiro, junto com o sócio e engenheiro civil Edirlan Sampaio, criaram em plena pandemia o Rancho do Cogumelo (@ranchodocogumelo). 

De agosto para cá, já foram produzidos 400 kg/mês do fungo. O faturamento mensal chega a R$ 18,5 mil onde todo o dinheiro é reinvestido para a expansão do negócio que pretende produzir e comercializar, até o final do primeiro trimestre de 2021, uma tonelada de shimeji branco por mês. 

O rancho também comercializa mais outras espécies como paris, eryngui, portobello e  shimeji preto. O preço varia de R$ 8 a R$ 10,90, conforme o volume e a quantidade.

”O consumo ganhou força inicialmente com a propagação dos restaurantes orientais e atualmente vem crescendo devido a uma maior consciência da necessidade de hábitos e alimentação saudáveis, além de ser muito saboroso e de simples preparo. Encontramos nos cogumelos um alimento de baixo teor calórico, rico em fibras, pouco sódio e zero gordura”, pontua o administrador.

In natura
Entre os tipos mais vendidos estão o shimeji, seguido pelo shitake e champignon de paris. “Fazemos o preparo da matéria orgânica, chamada de composto, através de compostagem e em seguida pasteurização desse material. Após esse processo é feito o que chamamos de a inoculação do micélio para a colonização do fungo em sacos de aproximadamente 7kg. Este material é reservado por cerca de 15 dias, até que os cogumelos comecem a frutificar e seja dado o início do ciclo produtivo”, explica sobre como o shimeji branco do Rancho é produzido, na unidade que fica em Lauro de Freitas. 

Shimeji e hiratake salmão são algumas das espécies comercializadas pelo Rancho
(Foto: Divulgação)

Todo esse processo exige condições controladas de temperatura, umidade e iluminação, como acrescenta Edgard. “Estamos empenhados em garantir uma alta produtividade para que o custo do quilo seja o menor possível. Um cogumelo de qualidade é aquele que esteja fresco, sem odores e sinais de degradação como bolores”.

Preparação
A escolha dos cogumelos exige cuidado. Alguns tipos são venenosos e podem causar intoxicação por fungos. Por isso, é importante sempre cozinhá-los antes do consumo e evitar os cogumelos avermelhados. Espécies como amanita muscaria (amanita), amanita pantherina (amanita-pantera), ramaria tóxica (ramaria), psilocybe cubensis (cogumelo mágico) e chlorophyllum molybdites (cogumelo de esporos verdes) estão entre as mais perigosas.

“Durante a preparação, um dos cuidados é na hora da limpeza. É limpá-los, mas não necessariamente lavar os cogumelos. Como possuem alto teor de água, lavá-los pode gerar contaminação e acelerar a degradação do fungo. Outra recomendação é não arriscar ingerir cogumelos silvestres ou de origem desconhecida”, orienta Edgard.

 Na mesa
Não só na pizza, na massa ou na salada tem receita. O cogumelo vai até na sobremesa, como destaca Edgard. “O cogumelo pode fazer parte do prato como acompanhamento, molho ou ser o próprio protagonista como prato principal. É um alimento que oferece diversas possibilidades”.

As redes sociais foram um ingrediente mais que necessário para fazer o negócio crescer. “O digital ajuda bastante no quesito visibilidade, assim como nossos parentes e amigos. É fundamental ter atenção com o tratamento que damos aos nossos clientes”, diz o empresário.

Contou também sair em busca desses clientes, visto que o Rancho fornece principalmente para restaurantes, feirantes e mercados de bairro. “Todo negócio precisar dar as caras e prospectar esses parceiros”, completa.

Dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) apontam que  a produção de cogumelos no Brasil está em fase de crescimento. No último ano, por exemplo, o consumo “per capita” (por pessoa) no país é de 360g/ano, com perspectivas expansão. 

O Rancho já está estudando outras espécies para ampliar o portfólio. “A nossa proposta mesmo é a de oferecer um produto fresco, que chega muito rápido ao consumidor final, logo após a colheita”, conclui o empreendedor. 


O CONSELHO DO RANCHO

Identidade com o negócio Faça o que te dá prazer.

Tenha Planejamento Plano estruturado, investimento, pesquisa de mercado. “Vale lembrar que todo início requer algum sacrifício”, destaca Edgard Pinheiro.  

Busque  parceiros Pesquise também os cases de sucesso no mercado. “Toda informação é sempre bem-vinda”, completa o empresário. 

Equilíbrio emocional É mais uma habilidade importante para enfrentar os desafios que ter o seu próprio negócio acabam impondo.


QUEM É

Edgard Pinheiro é administrador de empresas e um dos sócios do Rancho do Cogumelo.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas