Ranking indesejado: as três cidades baianas que lideram casos ativos de covid

coronavírus
20.01.2022, 05:15:00
(Reprodução)

Ranking indesejado: as três cidades baianas que lideram casos ativos de covid

Apesar da alta, municípios registram casos leves por conta da cobertura vacinal; Guanambi, Barreiras e Porto Seguro estão no topo do ranking

A Bahia passa por uma nova onda de covid-19 e, quando se trata do número de casos ativos, as cidades de Guanambi, Barreiras e Porto Seguro se tornaram líderes em novos infectados pelo vírus no início deste ano, no interior do estado. Há três dias, esses municípios têm estado no topo do ranking de casos ativos, sem contar Salvador e região metropolitana. Segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) dessa quarta-feira (19), Guanambi, Barreiras e Porto Seguro reúnem 1.175 casos ativos dos 8.789 registrados no interior. Ou seja, as três cidades representam 13,37% dos casos ainda não curados atualmente.

Com 527 casos ativos, a cidade de Guanambi, no sudoeste da Bahia, viu o número de infectados disparar após as festas de fim de ano. Moradora do município e médica psiquiatra, Maria Elisa Lima, 35 anos, percebeu a alta de casos no trabalho. 

"Estava de recesso e voltei a atender na sexta passada. Tivemos uns cinco pacientes que não puderam vir por estarem com covid. Antes desse aumento, não estava tendo remarcações”, conta ela, explicando que o volume de pacientes cancelando consulta só foi parecido em outros momentos de alta nas infecções pelo vírus.
 

Ranking de casos ativos na Bahia (Foto: Reprodução/Sesab)

De acordo com Brisa Barros, médica e coordenadora do hospital de campanha da covid-19 em Guanambi, a demanda por atendimentos nunca foi tão grande como agora. "O número de casos aumentou exponencialmente. Mesmo no ano passado, nas outras ondas, não tínhamos um número de atendimentos tão volumoso como agora. Nosso máximo era 180 por dia. Agora, todo dia quebramos recorde, chegando a 280 atendimentos diários", fala a coordenadora.

Guanambi é a cidade com mais casos ativos no interior (Foto: Reprodução/Guanambi)

Além da aplicação da restrição de eventos válida para toda a Bahia, a gestão ampliou o atendimento para arcar com a demanda de infectados. No hospital de campanha, antes ficava um médico de plantão. Agora, são dois profissionais no pronto-atendimento por turno, e uma unidade de retaguarda vai ser reaberta para ampliar a atenção nas urgências. 

Barreiras tem 336 casos ativos no momento, com crescimento após as festas. Por conta do aumento de casos e outras doenças gripais, a gestão municipal reorganizou o fluxo de atendimento. Agora, unidades básicas de saúde e o centro de triagem lidam com casos leves, enquanto o pronto-atendimento é reservado para pacientes com sintomas graves.

A subsecretária da Saúde de Barreiras, Jamile Rodrigues, afirma que percebeu o aumento no número de contaminados pela covid-19 porque ampliou o número de testagens. “Diante desses diagnósticos, nós ampliamos o serviço de atendimento a esses pacientes em unidades básicas e também no centro de triagem dedicado à covid e à gripe no centro da cidade, fazendo testagens e consultas”, explica. 

Jamile acredita que, pelo fato de Barreiras possuir muitas chácaras, muitas pessoas se aglomeraram nesses locais durante o período festivo de final de ano e isso causou o aumento no número de casos da doença.  A subsecretária avalia ainda que, se for necessário, o município fará o seu próprio decreto com medidas restritivas, para evitar o avanço da covid. 

Na lista, Barreiras aparece depois de Guanambi (Foto: Reprodução/Barreiras)

Em Porto Seguro, no sul da Bahia, a situação é parecida. Em quinto lugar no ranking de todo o estado, com 312 casos ativos, a cidade vive um momento em que é difícil não conhecer alguém que tenha positivado para o vírus nesse início de ano. Daniel Isidoro da Silva, 56, é guia de turismo, mora na cidade e conta o que tem sido os primeiros dias de 2022 por lá.

“Porto Seguro não está com 100% de ocupação, mas temos muitos casos de contaminação da covid e da gripe também. Começaram após as festas serem liberadas, relaxamos demais. Conheço algumas pessoas que pegaram, todas casos leves pelo menos”, pontua.

A Prefeitura de Porto Seguro e a secretaria de saúde do município foram procuradas pela reportagem para comentar a situação e falar sobre medidas que estão tomando para frear o avanço da contaminação, mas não responderam até o fechamento desta edição.

Região metropolitana
Já em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), o secretário da Saúde do município, Augusto César, informou que o crescimento no número de casos ativos da covid-19 na cidade está ligado à flexibilização das medidas restritivas de prevenção à doença e também às aglomerações ocorridas em festas de final de ano. “A população não se atentou aos protocolos de restrições”, declara. 

Segundo ele, agora a pasta vai realizar um trabalho de prevenção para barrar o crescimento dos infectados. “Amanhã, vamos fazer barreira sanitária, igual a que fizemos no período de São João, em julho, para testagem da população”, finaliza César.

Vacina salva-vidas
Além do crescimento do número de casos, os três municípios do interior com mais casos ativos têm outra coisa em comum: o registro de quadro leve da doença. A médica e coordenadora do hospital de campanha da covid-19 em Guanambi, Brisa Barros, afirma que, em Guanambi, a explicação está na cobertura vacinal. De acordo com informações da prefeitura, 94,98% da população da cidade foi vacinada com as duas doses ou dose única contra a covid-19.

“Por conta da vacina, a letalidade reduziu bastante. Nas últimas ondas, tínhamos uma média de duas entubações por dia. Desde que começou essa, tivemos uma entubação só de um paciente que já tinha sequelas por ter tido covid também antes da vacina”, explica. 

Ainda de acordo com Brisa, a vacina foi fundamental para evitar que a situação fosse pior dado o nível de relaxamento com as medidas de proteção que os cidadãos têm mostrado. "Acredito que se banalizou muito a covid, as pessoas relaxaram demais em relação aos cuidados. Isso e a presença da variante ômicron fizeram com que a transmissibilidade do vírus aumentasse muito", fala.

O secretário de Saúde de Lauro de Freitas, Augusto César, também reconhece o impacto que a vacina teve dentro desta nova onda de casos que chegou à cidade da RMS. “Por causa da vacinação, os casos de contaminação são leves. Tínhamos 313 casos ativos, mas somente dois internados”, informou. 

A Secretaria de Saúde de Lauro de Freitas já vacinou mais de 174 mil pessoas acima de 12 anos com a primeira dose do imunizante contra a covid-19 e mais de 141 mil com a segunda. Com a terceira dose, 47.265 pessoas já foram imunizadas. Até agora, mais de 500 crianças já foram vacinadas no município.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro. Colaborou Laiz Menezes

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas