Relatório de março já atestava problemas em barragem de Maiquinique

bahia
11.04.2019, 05:00:00
MPT diz que empresa responsável por barragem de Maiquinique não apresenta o projeto da estrutura (Ascom/Governo do Estado)

Relatório de março já atestava problemas em barragem de Maiquinique

Entre as irregularidades estão umidade nas áreas à jusante (abaixo do barramento)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um relatório elaborado pela Agência Nacional de Mineração em 1º de março deste ano, assinado pelo Responsável Técnico de Barragem Luís Cláudio Serpa, enviado pelo próprio órgão ao CORREIO, atestava a estabilidade da Barragem nº 1, em Maiquinique, apesar de, já nesta data, terem sido encontrados problemas no equipamento, principalmente, relacionados a umidade nas áreas de jusante, além de presença de vegetação arbustiva. A barragem está interditada e, segundo a ANM, corre 'risco iminente de rompimento'.

Ainda em fevereiro, o relatório da ANM sobre a situação das barragens brasileiras, classificou a estrutura nº 1 de Maiquinique na categoria médio, tanto para risco quanto para dano potencial associado. Este último, segundo a Agência, se refere ao dano que pode ocorrer devido a rompimento, vazamento, infiltração no solo ou mau funcionamento de uma barragem.

Já a partir do dia 18 de março, com a presença da Força-Tarefa de Barragem, outras questões foram levantadas pela equipe e levaram à interdição da estrutura. Por meio de nota, o Ministério Público do Trabalho (MPT) afirmou que “um dos principais problemas é a falta de projeto da barragem, uma vez que não se pode saber como ela foi construída, porque a Grafite do Brasil não tem o projeto para apresentar”.

“Os peritos detectaram também um movimento de material líquido que estava atravessando o barramento e aparecendo na parte externa da barragem através do solo. Esse movimento subterrâneo da água, chamado de percolação, é lento, mas pode indicar instabilidade da barragem”, diz nota do órgão estadual.

A percolação já havia sido detectada no relatório produzido em março pela ANM, no qual afirmava que a barragem possuía “umidade ou surgência nas áreas de jusante, paramentos, taludes ou ombreiras sem implantação das medidas corretivas necessárias”. No mesmo documento, a Agência também afirmou ter localizado “existência de trincas e abatimentos sem implantação das medidas corretivas necessárias, bem como falhas na proteção dos taludes e paramentos”.

Após a atuação da Força-Tarefa, a ANM emitiu novo documento, classificando a barragem de Maiquinique como de risco alto, sendo uma das três de maior ameaça no país. Em conversa com o CORREIO, a procuradora do MPT, Verena Borges, afirmou que não pode divulgar quais as outras 14 barragens que devem ser, até julho, inspecionadas pelo grupo.

* Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas