Retomada da economia chega aos cursos livres

bahia
05.09.2020, 07:00:00
Centros comerciais terão horários ampliados (Foto: Nara Gentil)

Retomada da economia chega aos cursos livres

Atividades em shoppings, igrejas, bares e restaurantes serão ampliadas, avisa ACM Neto

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Salvador avançou mais um pouco no processo de retomada econômica nesta  sexta-feira (4). Além da ampliação do que é possível em serviços que já estavam liberados, o prefeito ACM Neto também anunciou que os cursos livres podem voltar a funcionar na capital, seguindo um protocolo específico. 

Os shoppings também foram autorizados a retomar o funcionamento aos domingos e feriados, assim como as academias de ginástica, a partir desta segunda-feira (7). Os templos religiosos passarão a ter um limite máximo de ocupação correspondente a 30% da sua capacidade ou a 100 pessoas – o que permite um número maior de fiéis. Outra mudança é que a partir de agora, mesmo nos bairros com maiores restrições, as atividades econômicas serão permitidas entre as 10h e as 16h. 

Os cursos livres – que incluem aulas de idiomas, profissionalizantes e de informática, por exemplo –  poderão funcionar de segunda a sábado, entre as 0h e as 19h. A prefeitura recomenda que alunos do grupo de risco não frequentem as aulas.

Os horários de início e final das aulas serão escalonados para evitar aglomerações na entrada e saída das pessoas. A carga horária será de 4h por pessoa, com um intervalo mínimo de 15 minutos em cada aula para realizar a higienização adequada. O número de alunos estará limitado a 50% da capacidade máxima da sala, com um distanciamento mínimo de 1,5 metro exigido entre as cadeiras. 

“São regras que a gente não abre mão. Todas as salas vão precisar de marcação. Precisam medir a temperatura de todos envolvidos diariamente”, destacou Neto, lembrando ainda a necessidade do uso obrigatória de máscara em todo o momento. 

Neto destacou que não se trata da volta da educação e que o retorno às aulas regulares segue sem previsão. 

O prefeito também ressaltou que a autorização não inclui todo tipo de curso.  Atividades que dependam do contato físico seguem proibidas. 

Mais flexível 
 Os shoppings poderão funcionar a semana toda, incluindo domingos e feriados, das 12h às 20h. O mesmo acontece com as academias de ginástica. Também haverá um aumento de capacidade de ocupação permitida para templos religiosos. “Em relação aos templos religiosos, teremos duas hipóteses para os templos: ou 30% ou 100 pessoas. Vale o limite que for mais permissivo para os templos. O que não muda é a necessidade de distanciamento de um metro e meio entre os ocupantes”, disse o prefeito.

Ele explicou que o momento de queda nos indicadores permite essa ampliação. “Todos os indicadores de ocupação de leitos, novos casos e óbitos indicam que estamos descendo a ladeira. O que não significa que está tudo resolvido, mas estamos no caminho certo”, afirmou.

Neto também destacou que está permitida a voz e violão ao vivo em bares e restaurantes. Outra mudança é que os restaurantes poderão voltar a permitir o self-service, ou autosserviço. Para isso, os clientes deverão ter acesso a luvas descartáveis. 

Edson Piaggio, coordenador regional da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), comemorou a flexibilização e disse que  continuará trabalhando para conseguir aumentar mais o horário de funcionamento dos shoppings. “Além do fator financeiro, ganhamos em termos de logística para continuar cumprindo os protocolos já que com mais dias de funcionamento, menor é a possibilidade de aglomeração”, destacou. 

Apesar da autorização municipal para a abertura dos shoppings aos domingos e feriados a partir desta segunda, o Sindicato dos Comerciários avisa que não houve acordo coletivo com os funcionários para a abertura nesta segunda. Apenas 16 estabelecimentos firmaram acordos individuais. “As empresas que não possuem acordo e vierem a abrir vão ser multadas”, diz o presidente do sindicato, Renato Ezequiel. O Sindilojas informa que há uma negociação, mas ainda não houve tempo hábil para firmar um contrato. 

* Com supervisão da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas