Samara Felippo relata caso de racismo contra filha: 'Muitos passam'

em alta
08.12.2019, 22:01:00
(Reproduçaõ)

Samara Felippo relata caso de racismo contra filha: 'Muitos passam'

Atriz, que é mãe de duas meninas negras, fez reflexão sobre racismo no país

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A atriz Samara Felippo contou neste domingo (8) que a filha Alícia, de 10 anos, foi vítima de racismo durante a formatura da escola. "Os xingamentos para minha filha eram: marrenta, neguinha e cabelo ruim. O clássico do racismo naturalizado", escreveu.

Samara é mãe de duas filhas - além de Alícia, Lara - com o jogador de basquete Leandro Barbosa.

No desabafo postado, ela contou que ser mãe de duas meninas negras "me abriu para um mundo onde eu descobri que não sabia nada". Ela conta que a filha foi xingada por um grupo de adolescentes. "Garotos brancos de 14 anos, classe média de merda, com a camisa verde e amarela, que descobri que um deles é filho de miliciano", detalhou.

Samara foi até onde estavam os meninos para defender a filha. "Agradeço ao que me fez sair da minha bolha branca e ter desde cedo esclarecido minha filha, enaltecido sua esperteza, beleza, coragem, seu cabelo, sua pele, suas raizes...e feito ela sair dessa situação de cabeça erguida e fortalecida", escreveu.

Leia a íntegra

“Ser mãe de duas meninas negras me abriu pra um mundo eu onde eu descobri que não sabia nada. Nao sabia sequer enxergar a dor do outro. Onde eu enxerguei privilégios por ser uma mulher branca numa sociedade tão racista.” Esse é um trecho de uma fala minha na peça @mulheresquenascemcomosfilhos, que num dia de ensaio me veio aos prantos. Eu sempre falo, escrevo mas nunca tinha passado com minhas filhas por uma situação de racismo. E pela primeira vez me deparei diretamente com o que muitos passam DIARIAMENTE.

Estávamos na festa de formatura da Alícia, enquanto os pais conversavam no salão de festas as crianças brincavam no parquinho ao lado. Quando uma delas veio até a mãe: “Mae, tem dois adolescentes zoando e implicando com a gente”. Eu imediatamente levantei e fui a passos largos. As crianças relatavam: “Aqueles três, puxaram o cabelo do fulano, zoaram com a ciclana”. Meu sangue começou a entrar em ebulição, fui que nem um bicho pra cima dos moleques e falei tudo que tenho vontade pra racistas, mesmo os ainda nem sabem que são. Garotos brancos de 14 anos, classe média de merda, com a camisa verde e amarela, que descobri que um deles é filho de miliciano. Os xingamentos para minha filha eram: marrenta, neguinha e cabelo ruim.

O clássico do racismo naturalizado. Agradeço ao que me fez sair da minha bolha branca e ter desde cedo esclarecido minha filha, enaltecido sua esperteza, beleza, coragem, seu cabelo, sua pele, suas raizes...e feito ela sair dessa situação de cabeça erguida e fortalecida. E assim continuo fazendo. Sei que não será a primeira e nem última vez que ela passará por isso.Agora eu te pergunto: se eu como mulher branca, cheia de privilégios, minhas filhas negras mas ainda sim com seus privilégios, seja por classe social ou tom de pele (Sim, tom de pele conta nesse país!! Quanto mais preta a pele mais preconceito sofre-se, leia sobre Colorismo) passamos por isso, imagina quantas meninas pretas passam todos os dias? Te pergunto: se eu mulher branca estou até agora chorando sozinha, com ódio e raiva, querendo esfolar a cara daqueles moleques e os pais deles, como não validar e enxergar a raiva e ódio de SÉCULOS de humilhação e violência? Acordem!"

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/netos-de-luiz-gonzaga-divulgam-nota-de-nojo-por-uso-de-musica-em-live-de-bolsonaro/
Jair Bolsonaro convidou o presidente da Embratur para tocar durante a live da última quinta
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/como-tratar-a-dor-da-chikungunya-entenda-fases-da-doenca/
Registro de casos aumentou 440% na Bahia nos últimos seis meses; sintoma pode se tornar crônico e durar anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cheias-de-bossa-bebel-gilberto-lanca-parceria-com-martnalia/
Confira também o clipe Hipnose, de Larissa Luz, e a canção Caxixi, de Mariene de Castro
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-o-video-filha-interrompe-entrevista-por-videochamada-e-vira-sensacao-nas-redes/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bia-doria-e-val-marchiori-geram-revolta-ao-falar-de-sem-teto-gostam-de-ficar-na-rua/
Socialite e primeira-dama do estado de SP disseram que pessoas não vão para abrigos pois 'não querem responsabilidades'
Ler Mais