'Serial killer' do DF, baiano Lázaro troca tiros com caseiro e policiais fazem novo cerco

brasil
14.06.2021, 23:18:25
Atualizado: 14.06.2021, 23:45:08
(Divulgação/PRF)

'Serial killer' do DF, baiano Lázaro troca tiros com caseiro e policiais fazem novo cerco

Polícia Militar do DF diz que o criminoso trocou tiros com um caseiro, que afirmou ter ferido Lázaro; Operação para capturar baiano conta com mais de 200 policiais

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O caso do serial killer baiano Lázaro Barbosa de Sousa, 33 anos, acusado de ser o autor de uma chacina em Ceilândia (DF) e de diversos outros crimes na região, ganhou mais um capítulo na noite desta segunda-feira (14). 
 
A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) fez um novo cerco ao criminoso e diz que ele trocou tiros com um caseiro de uma chácara localizada no município de Edilândia (GO). O caseiro disse aos policiais que na troca de tiros Lázaro foi ferido.
 
De acordo com o porta-voz da PMDF, major Michello Bueno, a área está cercada e a polícia espera prender Lázaro com brevidade. "Ele conseguiu fugir. A gente não sabe se ele está baleado. Acreditamos que vamos pegá-lo em breve", disse. 
 
A operação para capturar o serial killer conta com mais de 200 homens. Segundo o comando da operação, toda a região de chácaras da cidade de Edilândia está cercada.
 
Leia mais: Lázaro Barbosa: serial killer baiano mobiliza 200 policiais em busca de 6 dias no DF
 
Lázaro é procurado pela polícia desde a última quarta-feira (9), quando assassinou a tiros e facadas a família Vidal Marques - o pai, Cláudio, 48, e os filhos Carlos Eduardo, 21, e Gustavo, 15, e levou a mãe, Cleonice, que foi encontrada três dias depois, em um córrego, sem vida, nua e com os cabelos cortados. O crime demonstra a crueldade de Lázaro, que arrancou uma orelha e matou Cleonice com um tiro na nuca.
 
No dia seguinte ao assassinato da familia Vidal Marques, Lázaro roubou uma chácara na mesma região. Mais tarde, invadiu outra uma residência, onde fez três pessoas reféns e obrigou duas delas a fumarem maconha.
 
Leia mais: 'Agressivo e com preocupações sexuais': conheça Lázaro Barbosa, o assassino baiano
 
Entre sexta (11) e sábado (12), Lázaro voltou a roubar chácaras e fazer reféns. Ele baleou três homens, que ficaram em estado grave e ainda ateou fogo em outra chácara.

Mais de 200 policiais e 50 viaturas do Distrito Federal e de Goiás se uniram na operação e montaram uma base no trevo de Cocalzinho. Fazem parte do grupo unidades da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), da Polícia Militar (PMDF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Polícia Federal (PF).

Nascido em Barra do Mendes, na Bahia, Lázaro Barbosa Sousa cometeu ao menos dois assassinatos na cidade natal. O serial killer mudou de estado para dar sequência a sua empreitada criminosa.

Em uma de suas passagens pela polícia, em 2013, ele respondia por roubo, porte de arma de fogo e estupro. 

O rastro de violência deixado pelo baiano causa temor na população da cidade baiana de Barra do Mendes. Os pouco mais de 13.800 habitantes temem que o maníaco regresse à cidade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas