Símbolo da resistência negra, Pedra de Xangô deverá ser tombada em março

salvador
12.02.2017, 16:13:00
Atualizado: 12.02.2017, 17:25:08

Símbolo da resistência negra, Pedra de Xangô deverá ser tombada em março

Neste domingo (12), aconteceu em Cajazeiras a 8ª edição da Caminhada da Pedra de Xangô, que reuniu devotos e simpatizantes do candomblé

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Fé, alegria e resistência marcaram a VIII Caminhada da Pedra de Xangô, na manhã deste domingo (12), em Cajazeiras X. Neste ano, houve ainda um motivo a mais de comemoração. A previsão é que o monumento seja tombado pela Prefeitura de Salvador em março, durante o aniversário da capital.

Em maio do ano passado, foi homologada, pelo Plano Diretor do Desenvolvimento Urbano (PDDU), a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra de Xangô, que era uma demanda do movimento negro. Ali será criado também o Parque em Rede Pedra de Xangô, que terá um posto avançado no Jardim Botânico. A informação é do subsecretário da Cidade Sustentável, José Augusto Saraiva Peixoto.

De acordo com Fernando Guerreiro, presidente da Fundação Gregório de Mattos, o tombamento é uma conquista do povo negro. “É um movimento importante para a religião de matriz africana e importante também no combate à intolerância religiosa”, disse. Com o tombamento do local, além do parque, deve ser criado um conselho que vai ajudar a cuidar do lugar. “A gente vai fazer justiça e criar um marco religioso dentro de Cajazeiras”, explicou Guerreiro. 

(Foto: Almiro Lopes/CORREIO)

Festa
A animação tomou conta não apenas de mães e pais de santo, como de adeptos e simpatizantes do candomblé. A caminhada foi precedida por uma saudação a Exu, para abrir os caminhos dos devotos. Em seguida, os atabaques soaram e começaram os cânticos, dando início a caminhada, que saiu do começo da Avenida Assis Valente e foi até a Pedra de Xangô, num total de cerca de um quilômetro e meio. 

Enquanto o mar de branco fazia o trajeto, cânticos eram soados e até mesmo um grupo de roda de capoeira levava alegria e mostrava a fé dos devotos. Este é o oitavo ano que o evento acontece, sempre no segundo domingo de fevereiro. 

A história da Pedra de Xangô está associada a um símbolo de resistência. O monumento era usado por escravos que fugiam das fazendas localizadas na região, durante o século XIX, como esconderijo. Antes conhecida como Pedra do Buraco da Onça, ela ficava escondida por um matagal, que ajudava os escravos em sua fuga. Hoje, é considerada um monumento sagrado pelos religiosos de matriz africana. 

Idealizadora da caminhada, Mãe Iara de Oxum ressalta o caráter de resistência contra a intolerância religiosa do evento. “Nossa religião afrodescendente é uma religião de resistência. É muito prazeroso saber que o nosso povo está unido em prol de uma única causa, que é a nossa religião. A gente sofre preconceito em todos os momentos, no banco, na escola. E essa caminhada é mais um símbolo da nossa resistência”, diz. 

(Foto: Almiro Lopes/CORREIO)

Participando pela primeira vez, Quele Ribeiro, 36 anos, estava muito emocionada com o clima de fé e religiosidade que tomava conta do ambiente. “Estou muito emocionada. Acredito que meu pai Xangô é um homem de justiça e que ele vai fazer muita diferença em minha vida este ano”, conta. 

Fabya dos Reis, secretária de Promoção da Igualdade Racial, também falou sobre a caminhada: "Esse evento contribui no diálogo com a sociedade pela tolerância religiosa e pelo respeito com o candomblé. Hoje, mãe Iara e os povos dos terreiros fazem essa caminhada para defender o respeito a diversidade e o convite fraterno entre as religiões”, disse. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/paulo-vieira-nao-cansa-de-fazer-rir/
Humorista já fez cinco programas na Globo, incluindo o Fantástico e vai estrear programa no Globoplay
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/live-discute-cobertura-e-influencia-da-imprensa-na-guerra-da-independencia/
Assista à live-aula especial sobre o Dois de Julho com Nelson Cadena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/neto-ocupacao-em-84-eu-abro-tudo-colapsa-o-sistema-e-o-culpado-vai-ser-quem/
Prefeito de Salvador diz que manterá restrições para preservar vidas e garante não temer pressões: ‘Só vamos abrir o comércio quando for possível’
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/whatsapp-anuncia-figurinhas-animadas-e-video-chamadas-com-ate-8-pessoas/
Modo escuro também está entre as novidades; veja vídeo e saiba mais detalhes
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/imprensa-e-dois-de-julho-sera-tema-de-segunda-live-do-correio-sobre-independencia/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-madrugada-de-terror-pm-instala-base-movel-em-sussuarana/
Base vai funcionar 24 horas com 60 policiais; Nordeste de Amaralina e Engenho Velho da Federação também terão
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-chega-ao-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/malu-comenta-live-de-daniela-no-dia-do-orgulho-lgbtq-unica-e-iconica/