Sol, praia e sangue: novo crime na Barra assusta moradores e espanta turistas

salvador
12.10.2021, 05:15:00
(Bruno Wendel/CORREIO)

Sol, praia e sangue: novo crime na Barra assusta moradores e espanta turistas

'Vamos embora com uma imagem ruim de Salvador e não pretendemos voltar tão cedo', diz pernambucano

A expectativa de dois pernambucanos era que as suas férias na Bahia fossem inesquecíveis, afinal, é a primeira vez que eles vêm a Salvador. E foram, mas não do jeito que imaginavam. Eles entraram em pânico quando um homem foi assassinado no Porto da Barra neste domingo (10). Amedrontados, os turistas disseram que não pretendem mais retornar à capital baiana. 

"A gente estava perto da janela quando escutamos cinco tiros. Chegamos a pensar que eram fogos, mas depois ouvimos de hóspedes que um homem foi morto na praia. Então, ficamos apavorados e só saímos do quarto uma hora e meia depois. Isso foi um balde de água fria. O turismo se move no boca a boca. Planejávamos vir para o Carnaval, junto com as nossas famílias e outros amigos, mas já desistimos. Iremos para outra cidade", declarou o corretor de imóveis Alex Oliveira, 29 anos, quando caminhava no Porto com um amigo de Pernambuco, na manhã desta segunda-feira (11). Eles e outros dois pernambucanos estão hospedados em um hotel defronte à praia.  

De acordo com a Polícia Militar, a vítima foi identificada como Uéslei Nielson Cruz Santos, 28, e estava na faixa de areia da praia, quando um homem chegou caminhando, por volta de 19h, e atirou diversas vezes contra ele. Em seguida, o atirador fugiu. Segundo a Polícia Civil, Uéslei estava com familiares e amigos quando o atirador chegou e o chamou de "Meio-dia". Em seguida, ele disparou contra o jovem.

Hospedado no quarto andar, o corretor de imóveis disse ainda que da janela deu para escutar gritos logo após os disparos. "Deu para perceber que houve um tumulto. Nessa hora, ligamos para a recepção, mas a funcionária disse que não era nada de mais, porém quando olhamos de cima, vimos que havia uma multidão no entorno de um homem na praia. Era o morto", contou o corretor.

O amigo de Alex, Rubens Monteiro, 28, disse que desde que chegaram, não lhes faltaram recomendações sobre a violência em Salvador. "Toda vez que saímos ou voltamos para o hotel, taxistas e motoristas de aplicativo nos relataram sobre a insegurança da cidade. Eles disseram para a gente andar sempre juntos e não levar objetos de valor, como carteira, relógio, celular", declarou ele, que é advogado. 

O grupo de pernambucanos chegou a Salvador na quarta-feira e vai embora nesta terça. "A gente que é de fora vem achando que aqui está tudo bem. De tanto que a gente ouviu falar da cidade, acabamos criando uma expectativa de que as férias aqui fossem prazerosas, o que não está acontecendo. Não gostaríamos de dizer isso, mas iremos embora com uma imagem ruim de Salvador, e não pretendemos voltar tão cedo", declarou o advogado. 

Turistas dizem que não voltam à Bahia tão cedo, após presenciarem crime no Porto (Foto: Bruno Wendel/CORREIO)

Tiros 
Na manhã desta segunda, agentes da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico) estiveram no Porto em busca de imagens de câmeras de vigilância para identificar o autor do homicídio. "Estamos também atrás de testemunhas que possam contribuir com a investigação", disse um dos agentes da unidade. Eles disseram ainda que Uéslei Nielson tinha passagem por tráfico de drogas e furto.

Segundo os ambulantes, o criminoso teria efetuado os tiros após uma discussão horas antes com a vítima, que seria moradora do Alto de Ondina. "O que se comenta é que os dois tinham brigado antes e o cara que atirou foi acertar as contas. Da balaustrada, ele atirou para baixo, em direção à vítima", relatou um ambulante.

Na hora, o pânico foi generalizado. "Havia poucas pessoas na areia, mas quem estava correu para o mar. Já na parte de cima, houve tumulto e muita gente querendo se proteger dentro dos bares e depósitos. Foi uma agonia". 

Após os disparos, o autor deixou o local andando. "Ele ainda assoprou o cano da arma e seguiu tranquilamente. O mais impressionante é que na hora havia guardas municipais e uma Base Móvel da PM, e nada disso intimidou o autor. Na hora que ele deu os tiros, eu fiquei estático de nervoso", relembrou.

Depois, muitos curiosos se aglomeraram no calçadão para acompanhar o trabalho da polícia. Vídeos e fotos do cadáver circulam em grupos de WhatsApp.

Reconhecimento facial em análise
Os recorrentes episódios de violência na região acabaram resultando na troca de comando na 11ª Companhia Independente (CIPMBarra), que foi assumida no dia 10 de setembro pelo major Uildnei Carlos do Nascimento.

Após ordenar a intensificação no policiamento e ordenamento do solo, além de buscar a atuação do serviço de inteligência das polícias Civil e Militar, o major comentou as situações mais recentes e disse que a PM continuará trabalhando para manter a paz e a ordem. 

"O policiamento continua sendo reforçado, através das bases, das viaturas em patrulhamento, realização de abordagens, policiamento preventivo e repressivo quando necessário. Esse é nosso papel. Quanto ao fato, informações preliminares dão conta que a vítima era envolvida com tráfico de drogas, respondendo em liberdade e que o perpetrador dos disparos encostou nele, na areia, próximo ao muro, se aproveitando do grande número de pessoas para se homiziar e ao chamá-lo pelo apelido, confirmando ser ele, efetuou os disparos, se escondendo na multidão, empreendendo fuga. Talvez um provável 'acerto de contas'", reforçou o comandante da área, antes de destacar que o fato está sendo investigado pela Polícia Civil.

“Novas medidas estão sendo adotadas, inclusive com a possibilidade da instalação de câmeras com reconhecimento facial em locais estratégicos, facilitando a identificação de elementos com dívidas com a justiça, os quais serão identificados e presos”, adiantou o major Uildnei Carlos do Nascimento. “A PM não recua em momento algum. O poder do Estado estará presente e a paz e segurança mantidas a qualquer custo”, complementou o novo comandante, que substituiu o major Jailton Carvalho de Santana.

Onda de crimes
Uma das mais tradicionais praias de Salvador, a Barra acumula episódios de violência nos últimos meses, principalmente no Porto, e o CORREIO vem mostrando as situações. No dia 16 de agosto deste ano, um casal em situação de rua que tinha um barraco no local foi atacado em um incêndio criminoso no Porto da Barra. Dias depois, homem e mulher morreram por conta das complicações causadas pelas queimaduras.

Já no dia 5 de setembro, um homem foi morto a tiros após um tiroteio em uma das ruas do Porto da Barra. Segundo a Polícia Civil, a vítima identificada como Rodrigo Cerqueira de Jesus era conhecido como Tosca e era suspeito de tráfico de drogas na região. A mãe de Rodrigo e outro homem, que não teve a identidade divulgada, também foram baleados na mesma ação, mas conseguiram sobreviver. 

No dia seguinte, 6 de setembro, o corpo de um homem apareceu boiando no Porto. Ele tinha os pés amarrados.  

No dia 21 de setembro, um homem com problemas mentais apavorou quem decidiu curtir a praia do Porto da Barra. Com uma faca em mãos, ele invadiu a faixa de areia e ameaçou banhistas. A Guarda Civil Municipal (GCM), que tinha uma equipe atuando na segurança da região, foi chamada e conseguiu contornar a situação, mobilizando a pessoa.

Dias antes, um grupo de banhistas se envolveu em uma pancadaria generalizada nas areias da Praia da Barra. A confusão foi filmada por pessoas que passavam perto do local.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas