Sua empresa está devendo? Veja 6 passos para quitar as dívidas

empregos
08.02.2021, 09:42:00
Atualizado: 08.02.2021, 09:44:08
Em dezembro de 2020, o número de brasileiros endividados chegou ao patamar de 66,3% e a pandemia teve papel chave (Shutterstock/reprodução)

Sua empresa está devendo? Veja 6 passos para quitar as dívidas

Especialistas mostram que como negociar dívidas para manter o empreendimento  vivo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O número de consumidores brasileiros endividados teve alta de 0,3% na comparação com o mês anterior e chegou ao patamar de 66,3% dos endividados. No comparativo anual, o indicador registrou aumento de 0,7 ponto percentual. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), em dezembro de 2020,

Longe de ser uma situação confortável, as dívidas impactam de modo muito negativo na vida pessoal e nos negócios. No entanto, dever não é o fim do mundo e a situação pode ser equacionada. A orientação é reconhecer que aquela dívida existe e que deve ser paga, mas o que realmente deve ser pago? Todos os encargos acessórios a dívida são realmente lícitos? Uma assessoria contábil e jurídica pode ajudar equacionar o problema, elaborando os gastos da empresa, observando quais as maiores despesas e classificando-as em grau de importância, a fim de verificar a possibilidade de algum corte orçamentário.

O advogado Anselmo Ferreira Melo Costa reconhece que a pandemia serviu para ampliar o número de empresários endividados, impactando no desenvolvimento de muitas empresas. “Uma saída para o empresário, bem como às pessoas físicas, é sempre analisar a natureza da sua dívida. Se há cobrança indevida de juros ou determinadas taxas, com o auxílio de um contador e de um profissional da área do direito, é possível pedir uma revisão do contrato que originou a cobrança, bem como, após tal análise, verificar a possibilidade de um acordo junto a entidade credora”, esclarece.

Suporte especializado

Para Melo Costa as negociações, no entanto, dependerão do caso, por isso a necessidade de profissionais especializados para averiguar o melhor caminho. “Dependendo da gravidade da situação, será necessário até mesmo um pedido de recuperação judicial (Lei nº 11.101/2005 e Lei nº 14.112/20)”, completa.
Especialista na área, Anna Bardaro salienta que, normalmente, vão existir despesas não tão essenciais, que podem ser remanejadas ou cortadas. “Após analisar e elencar os débitos, geri-los não se torna uma tarefa tão assustadora, pode-se, após isso, buscar acordos e revisões, tudo com o intuito de preservar o contrato e manter a função social da empresa”, completa. 

No momento de priorizar as dívidas mais importantes, Anselmo Costa salienta que o ordenamento jurídico, a Lei nº 11.101/205 e Lei nº 14.112/20, que regulamentam o pedido de falência e recuperação judicial, em seu art. 83, dispõe a ordem de credores que devem ser priorizados na hora do pagamento. “Os primeiros credores a serem pagos devem ser aqueles cujos créditos derivem de legislação trabalhista, e após por exemplo, os  créditos gravados com direito real”, explica, ressaltando que é nesse momento que se deve fazer sacrifício de enxugar as despesas para que o acúmulo de dívidas não inviabilize o empreendimento.  

Para o advogado, o empresário nunca deve ignorar a dívida, evitando o acúmulo, principalmente por conta da incidência de juros. “O empresário tem de reconhecer a situação e buscar, o mais rápido possível, o auxílio de profissionais competentes para tanto. A dívida está ali, existe por algum motivo, e mesmo que o valor e o volume das dívidas seja elevado, isso não quer dizer que não há outras maneiras lícitas e legais de saldá-las”, finaliza.  

Seis passos para quitar as dívidas


1.    Analise rigorosamente as dívidas da empresa;

2.    Faça um planejamento financeiro das despesas;

3.    Verifique quais as maiores despesas e classifique-as por importância;

4.    Não tenha pudor em realizar cortes;

5.    Busque credores a fim de negociar o que for possível;

6.    Consulte uma assistência jurídica e contábil para verificar se há como reduzir encargos e juros.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas