Taxista que matou colega é ouvido e liberado após confessar crime

salvador
27.08.2019, 11:18:00
Atualizado: 27.08.2019, 13:03:39
Alexandre foi morto durante discussão com permissionário, na fila de táxi do Campo Grande ((Foto: Acervo da família))

Taxista que matou colega é ouvido e liberado após confessar crime

Ele diz que agiu em legítima defesa; mandados de prisão foram negados pela Justiça

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


O taxista Washington Luiz Brito Almeida, suspeito de matar o colega de profissão Alexandro Rocha Souza, 40 anos, se apresentou na noite de segunda-feira (26), no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro da Pituba, onde, acompanhado de advogados, confessou o crime. Ele foi ouvido e liberado. O assassinato ocorreu na terça-feira (20), na fila de táxi do Campo Grande, uma das principais praças da capital baiana. 

De acordo com informações da Polícia Civil, Washington disse que atirou alegando legítima defesa, após ser agredido pela vítima e sofrer ameaças. Ele apresentou a arma utilizada no homicídio, já encaminhada à perícia. Alexandro foi atingido por quatro tiros. A família da vítima, durante o sepultamento, afirmou que era Washington quem os ameaçava

Ainda segundo a Polícia Civil, a 3ª Delegacia de Homicídios/BTS, que é responsável pelas investigações do caso, já havia coletado depoimentos de testemunhas e familiares da vítima e solicitado à Justiça os mandado de busca e apreensão e de prisão temporária do autor, porém ambos foram negados pelo Plantão Judiciário. 

O DHPP entrou com um novo pedido de prisão, que está sendo apreciado pela Justiça. Por não haver prisão decretada, Washington foi ouvido e liberado. O inquérito será concluído e encaminhado para o Ministério Público.

Família contesta suspeito
A conclusão da investigação da Polícia Civi é acompanhada de perto pela família da vítima, afirma a filha de Alexandro, a enfermeira Bianca Oliveira, 23. Ao CORREIO, a jovem lamentou o fato do autor confesso da morte do pai estar livre.

"Eu sei que a prisão dele não havia sido indeferida pelo juiz, há uns três dias. Agora resta aguardar a polícia terminar o inquérito para que uma nova prisão seja solicitada e decretada", comentou, ao reiterar a versão de que o pai é quem era ameaçado por Washington.

A enfermeira disse que não foi procurada por Washington ou qualquer familiar dele - Bianca afirma sentir medo. "É muito triste saber que esse homem que fez isso com meu pai está solto e pode machucar qualquer outra pessoa, causa tensão", se limitou a dizer.

A família de Alexandro conta que Washington era o permissionário e alugava o veículo para que a vítima atuasse como taxista auxiliar. Os dois, no entanto,  não possuíam mais contrato de trabalho e Alexandro já alugava outro táxi.

Segundo testemunhas, os dois se encontraram no dia do crime e, após uma discussão, o acusado sacou uma arma e disparou contra a vítima, que não resistiu aos ferimentos. Alexandro atuou como taxista por 20 anos. O corpo dele foi enterrado na quarta-feira passada (21), no Cemitério Campo Santo. Após a cerimônia, taxistas fizeram uma carreata até o prédio do DHPP para pedir justiça.

No dia do enterro, a família informou que as ameaças começaram a fazer parte da rotina do taxista Alexandro poucos dias antes do seu assassinato e que ele dirigiu o carro do permissionário por três meses. A família negou que a vítima tivesse uma suposta dívida com o autor dos disparos.

A mãe do taxista, a aposentada Maria Anaíde Rocha, 72, revelou que o filho estava sofrendo frequentes ameaças por telefone. “Estávamos sendo ameaçados por telefone há dias. Ele (suspeito) estava cobrando o valor pelos dias que o carro ficou no pátio apreendido, e que foi culpa dele, não do meu filho. Ele queria que meu menino pagasse por isso e aí fez isso com meu filho. Eu não conhecia esse homem, o vi apenas uma vez só”, desabafou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/suspeitos-de-assaltos-no-horto-florestal-morrem-em-troca-de-tiros-com-a-pm-veja-video/
Um deles tinha sido preso no ano passado após invadir casa, na Santa Cruz e manter família refém por cerca de três horas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/del-feliz-traz-o-clima-junino-para-os-leitores-do-correio/
Forrozeiro é o convidado da segunda live do jornal, neste sábado (6)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-audio-neymar-xinga-padrasto-e-parca-sugere-enfiar-o-cabo-de-vassoura/
Papo revela comentários homofóbicos de jogador e preocupação com namoro da mãe, que teria sofrido tentativa de agressão de Tiago Ramos; Nadine nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais