'Tentei pular do 3º andar', diz sobrevivente do incêndio no Badim

brasil
14.09.2019, 08:49:00
Atualizado: 14.09.2019, 08:53:21
(Foto: Claudia Martini/Futura Press/Estadão Conteúdo)

'Tentei pular do 3º andar', diz sobrevivente do incêndio no Badim

Incêndio atingiu hospital na noite de quinta-feira (12)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Gigiani dos Santos, de 24 anos, é acompanhante de idosos e estava no Badim na noite de quinta-feira para auxiliar Maria Alice Teixeira da Costa, de 76 anos, internada desde segunda-feira, após sofrer três acidentes vasculares cerebrais (AVCs). Elas estavam no terceiro andar do prédio mais antigo.

Quando Gigiani tentou fugir do incêndio usando os corredores e a escada, o fogo já havia se alastrado e a fumaça dificultava a visão. Mas na janela havia uma "teresa", como é conhecida a corda improvisada com toalhas amarradas umas às outras, e a acompanhante da idosa decidiu descer por ela. Acabou escorregando, quebrou os dois tornozelos e, ainda no chão, mandou mensagem de áudio pelo WhatsApp pedindo ajuda a amigos.

"Gente, o hospital (em) que eu estava tomando conta de uma senhora está pegando fogo. Eu tentei pular do terceiro andar e estou toda quebrada no chão no Badim, aqui no Maracanã. Pelo amor de Deus, me ajuda!", clamou.

A acompanhante de idosos foi socorrida e levada ao hospital Quinta D'Or, em São Cristóvão (zona norte), onde está internada e será submetida a uma cirurgia. Maria Alice foi uma das 11 vítimas do incêndio.

As outras vítimas do fogo no complexo do Maracanã são Luzia dos Santos Melo, de 88 anos; Virgílio Claudino da Silva, de 66; Ana Almeida do Nascimento, de 95; Irene Freitas, de 83; Berta Gonçalves Berreiros Sousa, de 93; Marlene Menezes Fraga, de 85; Alayde Henrique Barbieri, de 96; Darcy da Rocha Dias, de 88; José Costa de Andrade, de 79 anos; e Ivone Cardoso, cuja idade não foi divulgada.

"Vi a morte"
Maria Costa, de 75 anos, é outra sobrevivente do incêndio. Ela estava internada e, ao constatar a gravidade da situação, decidiu sair de seu quarto em busca do caminho da saída. Maria teve a sorte de conseguir chegar à escadaria que a levou para fora do prédio. "Eu vi a morte. Se eu não levanto, eu não estava viva agora. Chegou uma hora (em) que eu não tive respiração nem voz para gritar. Fui procurando saída, mas não conhecia o hospital para descer uma escada. Aí chegou na frente e eu falei: 'Deus, Jeová'. Achei uma porta, aí eu abri a maçaneta e consegui chegar em uma escada", afirmou à TV Globo a idosa, que agora está internada no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Gaffrée Guinle, na Tijuca. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas