TJD-BA denuncia presidente do Vitória por ameaça a árbitros

e.c. vitória
05.02.2020, 10:57:22
Atualizado: 05.02.2020, 19:52:37
Presidente do Vitória, Paulo Carneiro é denunciado pelo TJD-BA (Mauro Akin Nassor/Correio)

TJD-BA denuncia presidente do Vitória por ameaça a árbitros

Paulo Carneiro pode ser punido com suspensão de até 180 dias e multa de até R$ 100 mil 

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia (TJD-BA) apresentou denúncia contra o presidente do Vitória, Paulo Carneiro, baseada em um áudio compartilhado nas redes sociais após o empate em 2x2 entre Vitória e Juazeirense, no Barradão, no dia 29 de janeiro. Na gravação, o dirigente rubro-negro critica a arbitragem e faz ameaças. 

"Sabe, como eu não disputo o Campeonato Baiano há muito tempo... Eu estou vendo que as arbitragens da Bahia estão num nível muito baixo. Hoje esse árbitro boçal que apitou aqui marcou um pênalti, no final do jogo, absolutamente inexistente. É só olhar na TV. Kanu nem é tocado, e ele deixa de marcar um pênalti a nosso favor, num chute de Edson, que bate na mão do goleiro, e ele não marca o pênalti. Fora a mão do zagueiro, que ele tinha que ter expulsado. Quer dizer... Eu quero alertar esses árbitros que eles vão ter todas as condições de apitar aqui no Barradão. Mas, se continuar roubando, as condições vão desaparecer. É bom tomar vergonha na cara", avisou Paulo Carneiro na ocasião. 

O Vitória vencia a partida contra a Juazeirense por 2x1 até os 42 minutos do 2º tempo, quando o árbitro Emerson Ricardo de Almeida Andrade marcou pênalti do goleiro João Pedro em cima do zagueiro Kanu. A cobrança foi convertida por Clebson, que deu números finais ao confronto. 

Paulo Carneiro foi denunciado pelo órgão nos artigos 243-A, por atuar de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado da partida; 243-B, por constranger alguém, mediante violência, grave ameaça ou por qualquer outro meio; 243-C, por ameaçar alguém, por palavra, escrito, gestos ou por qualquer outro meio, a causar-lhe mal injusto ou grave; e 243-F, por ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto.

As declarações do dirigente rubro-negro sobre a arbitragem do Campeonato Baiano fizeram o Sindicato Baiano de Árbitros de Futebol (Sinbaf) publicar uma nota de repúdio contra ele um dia após a divulgação do áudio. 

O TJD-BA marcará audiência após sorteio do relator. Paulo Carneiro pode ser punido com suspensão de até 180 dias e multa de até R$ 100 mil.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas