Toque de pé: alunos do Vieira ganham música para fixar novos hábitos da pandemia

bahia
23.09.2021, 06:00:00
Atualizado: 23.09.2021, 15:49:59
Matheus Honassys e Sophia dos Santos fazem o Toque de Pé no colégio (Foto: Paula Menezes/CAV)

Toque de pé: alunos do Vieira ganham música para fixar novos hábitos da pandemia

Educação musical pode ser grande aliada na fixação de novos costumes

Davi Telles Pinheiro é taxativo: assim que a pandemia estiver completamente controlada, há dois planos bem traçados em sua cabeça. O primeiro de todos é abraçar bem forte os amigos e colegas. O segundo, provavelmente em conjunto, será rasgar a máscara e jogar bem longe. Por hora, tudo isso é um sonho do garoto de 11 anos, estudante do Colégio Antônio Vieira, que ainda precisa seguir protocolos e se policiar com cumprimentos, distanciamento e essas imposições ainda feitas pelo risco do coronavírus.

Foi pensando nisso que a escola lançou a música e clipe "Toque de Pé", sugerindo que os alunos se cumprimentem com um toquinho de pé ou mesmo de cotovelo. A ideia de professores, professoras, alunas e alunos do Colégio Antônio Vieira, em Salvador, foi de transformar essa nova rotina em música para aliviar a pressão e fixar todas as novidades, automatizando os novos gestos. 

"Eu sinto, óbvio, vontade de abraçar meus colegas, mas penso que é uma conquista vê-los de novo. A gente já sabia que teriam protocolos da pandemia e é uma conquista ter ido para o presencial, sabe? Eu achei bem legal a música porque ela informa bastante e diverte quem está ouvindo, tem um ritmo legal e uma letra informativa de como é a situação", disse o eloquente Davi.

Davi usa a máscara direitinho, mas pretende rasgá-la assim que puder (Foto: Paula Menezes/CAV)

"Toque de pé" teve a letra escrita pelo casal de professores Carmelito Lopes e Letícia Lopes. Letícia também é a voz da música que foi gravada e escrita na casa dos professores antes mesmo do retorno das aulas presenciais. A ideia era voltar com música e clipe prontos para serem um guia de comportamento na comunidade escolar. 

"A música surgiu como uma proposta após percebermos uma dificuldade grande de manter o distanciamento desde a possibilidade de retorno. As crianças gostam de se comunicar, de falar próximo, ficar próximo. Adolescentes também, e seria um grande desafio mantê-los afastados a 1,5m, usando máscara, seguindo protocolos de distanciamento", contextualizou a pró cantora. 

Professores de música, Letícia e Carmelito Lopes escreveram a canção que contou com ajuda das crianças para ganhar videoclipe (Foto: Rodrigo Marques/CAV)

Além dos professores, 17 alunos participaram da gravação do videoclipe que aconteceu de uma maneira diferente do planejado inicialmente: a ideia era já retornar ao modelo presencial com tudo pronto, mas as aulas voltaram antes do previsto. A professora aproveitou e utilizou horários de aula para gravar com as crianças, que deram sua contribuição criando passinhos e dando o jeitinho delas à canção.

Uma das atrizes do videoclipe foi Sophia dos Santos Silva, oito aninhos, aluna do 3º ano do Ensino Fundamental. Ela voltou para o modelo presencial logo que houve a liberação e se mostrou contente em participar de uma atividade que cria música e clipe para situações que precisam ser corriqueiras em sua vida.

Mãe de Sophia, Rosilene Santos afirmou que a família conversou muito com a garota, antes do retorno, sobre a necessidade de usar corretamente a máscara e respeitar o distanciamento demarcado na escola. Segundo Letícia Lopes, que é mestra em educação musical pela Universidade Federal da Bahia, a música é uma facilitadora para diversos conteúdos e pode ser utilizada como um meio para educar.

"A atividade musical pensa em coletivo, no respeito ao outro. Numa banda, coral, todo o mundo tem que saber o seu lugar e respeitar o outro para que tudo tenha a devida harmonia. Então, trazer o contexto da pandemia numa realidade mais lúdica, um tom jovial, mais próximo, dançante, facilita bastante o entendimento dos protocolos", explicou a professora. 

O vídeo da música está disponível no YouTube. Além de Carmelito e Letícia Lopes, a música tem participação de Alex Márcio no Baixo, Germano Silva na Guitarra e Ronaldo Oliveira na Percussão. Arranjo e bateria também são assinados por Carmelito Lopes.

No clipe, alunas e alunos dançam com a máscara e mostram, numa pegada bem Tik Toker, como devem ser os contatos com a pandemia. Nada de mão nem aproximação. Ilustre vizinho do Antônio Vieira, no Garcia, o cantor e compositor Riachão cantava "cada macaco no seu galho", trecho que aparece na letra da música. Já o "Eu e você, você e eu", pelo menos por hora, não é tão juntinho quanto dizia Tim Maia. Mas, é só por hora: afinal de contas, como diria Jorge Aragão, cantando forte e alto, e deixando a tristeza pra lá, a vida vai melhorar.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas