Transplante e doação de órgãos caem 50% na Bahia por causa da covid-19

bahia
26.09.2020, 11:34:00
Pacientes renais esperam por transplante (Marina Silva/arquivo CORREIO)

Transplante e doação de órgãos caem 50% na Bahia por causa da covid-19

Queda supera o índice nacional, de 37%, na comparação entre 2019 e 2020

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O transplante de rim do policial civil aposentado Roberto Lopes de Oliveira, 63 anos, marcou o fim de sete anos de hemodiálise e de espera por mais qualidade de vida. Felizmente para ele, em agosto, em plena pandemia do novo coronavírus, um órgão compatível foi doado. “Eu fui abençoado”, descreve o idoso, consciente de que, em 2020, a quantidade de transplantes realizados no estado despencou.  

Seu Roberto Lopes se sentiu vitorioso após receber alta do hospital (Foto: arquivo pessoal)

Segundo os dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), a redução de doações e transplantes de órgãos realizados na Bahia entre janeiro e agosto de 2019 e o mesmo período de 2020 foi de 50% (717 em 2019 e 356 neste ano).

E o motivo para essa queda é consenso entre os especialistas ouvidos pelo CORREIO: a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.  

“No começo da pandemia, ficou praticamente inviável para os pacientes fazerem avaliação pré-transplante, ir a consultas e fazer exames, pois os laboratórios estavam fechados. As cirurgias eletivas também diminuíram e a quantidade de potenciais doadores caiu. Tudo isso fez despencar a quantidade de transplantes realizados”, explicou Rita Barreto, diretora médica do Instituto de Nefrologia e Diálise (Ined) de Salvador.  

Esse instituto faz parte da Fresenius Medical Care. A diretora médica nacional, Ana Beatriz, relata que a queda no transplante de órgãos na pandemia é um fenômeno nacional. “A gente sempre estimula o transplante, pois ele dá muita qualidade de vida. Por isso, sempre medimos a quantidade de pacientes que conseguiram transplantar. Vimos que reduziu na pandemia e só a partir de agosto começou a aumentar, mas ainda longe do suficiente”, disse.  

Coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes da Sesab, Rita Pedrosa explica que cada transplante tem suas particularidades e isso explica as várias oscilações entre os números de acordo com o órgão. Por exemplo, o exame de córnea foi paralisado durante a pandemia porque estudos do Ministério da Saúde apontaram que não é um transplante tão urgente como o de um fígado, que normalmente precisam ser realizados de forma urgente para salvar a vida dos pacientes. O número de transplantes de córnea reduziu em 66% quando comparado ao mesmo período do ano passado.

Outra particularidade é relativa ao transplante de rim, o que registoru a menor queda entre todos os realizados na Bahia, com 23% de retração. Rita Pedrosa explica que pacientes que podem fazer o transplante renal normalmente estão em hemodiálise e apresentam quadros estáveis quando comparados a pacientes que precisam de um fígado ou medula, por exemplo.

"Pacientes renais às vezes optam por não fazer o transplante porque é possível ter uma vida fazendo as hemodiálises regularmente e há o medo do corpo rejeitar o novo órgão ou enfrentar complicações ainda maiores", explicou a especialista.

Um outro fato curioso é a questão dos transplantes de pele. Em 2019 não houve nenhum procedimento do tipo aqui na Bahia. Já em 2020, com pandemia e tudo, foram dois transplantes desse órgão aqui no Estado. Rita Pedrosa atribui esse fato à pouca informação de que é possível realizar esse procedimento aqui na Bahia, mais especificamente no Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador.

"Não temos um banco de pele aqui, o que temos é um local que realiza esse transplante, que é o HGE. Então não é comum porque normalmente os transplantes de pele acontecem onde se tem o banco, casos de São Paulo ou Rio Grande do Sul. Ainda é pouco informado aqui na Bahia sobre essa situação de termos médicos capacitados a realizar o transplante. Como ele é pouco divulgado, acredito que seja esse o motivo de ter tão poucos procedimentos", afirmou.

A pandemia impôs vários desafios para a Central de Transplantes do Estado. Para a coordenadora, o principal foi o de não deixar os transplantes caírem em esquecimento, mesmo com a necessidade de reduzir a intensidade dos trabalhos. Por conta disso, foram realizadas lives, rodas de conversa virtuais e ações educativas para que o tema continuasse permeando o imaginário dos profissionais e dos pacientes. "Em agosto, que foi um mês de platô da pandemia, tivemos 25 transplantes renais, que é um número expressivo num momento tão grave como a pandemia", disse Pedrosa.

No país 
Segundo os dados do Ministério da Saúde, em todo o país, de janeiro a julho de 2019, foram realizados 15.827 transplantes. No mesmo período de 2020, o número de procedimentos foi de 9.952. Isso representa uma queda de 37%. Até 31 de julho, eram 46 mil pessoas aguardando por transplante. 

Uma delas é o baiano Moisés Oliveira dos Santos, 54 anos, que há dois anos espera por um rim. Sobre a queda no número de transplantes, ele diz que não foi uma surpresa. “Eu já esperava por isso, pois a pandemia fez com que muitas pessoas morressem de forma muito trágica, o que impediu a doação. Resta a mim pedir forças a Deus para seguir na hemodiálise e sem ser contaminado pelo vírus”, afirma.   

A doutora Ana Beatriz explicou que Mateus está correto quando diz que pessoas que morreram infectadas pelo coronavírus não podem ser doadoras de órgãos. ”A gente ainda desconhece a doença. Não se estabeleceu com coerência se o vírus pode estar circulando e contaminando as pessoas que receberem o órgão. Não se transplanta com qualquer infecção que seja, a não ser que haja uma bem controlada”, explicou.  

Para um órgão ser doado, tem que ter o diagnóstico de morte encefálica. “A covid-19 geralmente não é isso. Quem doa é quem sofre acidentes, que reduziram no início da pandemia, Acidente Vascular Cerebral (AVC), traumatismo craniano, dentre outros problemas”, explicou a doutora Rita Barreto, do Ined. O local é especializado no tratamento de pacientes renais. 

Estado 
Na Bahia, a redução de transplantes de rins foi de 23%, a menor em comparação aos outros órgãos transplantados no estado, segundo a Sesab. A maior redução foi de medula (66%), seguido pela córnea (62,8%). Em um caso atípico, a pele foi o único órgão que registrou aumento no número de transplantes, mas pelo fato de no ano passado nenhum procedimento ter sido realizado no estado. Neste ano, apenas dois ocorreram (veja números abaixo).

A médica nefrologista Carolina Neves, que realiza transplantes pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Hospital Ana Nery, comemorou o fato da Bahia, mesmo no auge da pandemia, não ter parado de realizar as operações. “De fato, houve uma queda, mas o estado da Bahia não fui um dos piores. Nunca paramos a atividade transplantadora. Nunca fechamos o serviço. Tínhamos uma média de 15 a 20 por mês. No pico, isso reduziu para três ou cinco, mas nunca paramos completamente, por ser uma atividade essencial”, disse. 

Cárdio Pulmonar 
Carolina também trabalha no Hospital Cárdio Pulmonar, que em outubro vai passar a realizar transplante de rim. Vai ser a primeira vez que esse hospital realizará transplante de órgãos. “Nós fomos credenciados para isso em junho, após um processo de avaliação demorado do Ministério da Saúde. Eles avaliam a qualidade do hospital e a estrutura para realização da operação e acompanhamento”, explicou.  

“Dentro da nossa proposta do cuidado integral do paciente renal, vamos dar um novo caminho de tratamento. Isso vai contribuir com a sociedade baiana e com a medicina local, já que, na Bahia, apenas o São Rafael realiza o procedimento na rede particular e Ana Nery, Roberto Santos e Pedro de Alcântara, em Feira de Santana, fazem pelo SUS”, lembrou.  

Ainda não há uma estimativa de até quantos transplantes poderão ser realizados na unidade, o que vai depender da demanda. “O Cárdio Pulmonar não é um hospital público como o Ana Nery, onde trabalho. Lá será diferente, pessoas que tem um plano de saúde. Aproximadamente 15% de todos os pacientes que fazem diálise possui um plano. Desses, 40% são elegíveis para transplante. Eles terão o Cárdio Pulmonar como opção”, concluiu.  

Doações de órgãos na Bahia, entre janeiro e agosto:  

Múltiplos órgãos  
2019: 111 
2020: 85
Redução de 23% 

Córnea  
2019: 510 
2020: 228   
Redução de 45%

Transplantes de órgãos realizados na Bahia entre janeiro a agosto:   

Fígado: 
2019 - 28 
2020 - 18    
Redução de 35.5%   

Rim: 
2019 - 204 
2020 - 157      
Redução - 23%   

Córnea: 
2019 - 455 
2020 - 169     
Redução - 62.8%  

Medula: 
2019 - 30 
2020 - 10         
Redução - 66%   

Pele: 
2019
- 0 
2020 - 2 
 

* Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro.
** Colaboração do repórter Vinícius Nascimento

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas