Três pessoas são presas pela PF por tráfico de fósseis no Ceará

brasil
22.10.2020, 15:21:34
Atualizado: 22.10.2020, 15:29:41
Operação investiga tráfico de fósseis na Chapada do Araripe (Foto: Divulgação/PF)

Três pessoas são presas pela PF por tráfico de fósseis no Ceará

Material era retirado ilegalmente da Chapada do Araripe e comercilizado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Polícia Federal (PF) cumpriu 17 mandados de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira, 22, em Santana do Cariri e Nova Olinda, e dois no Rio de Janeiro. A Operação Santana Raptor resultado de investigação que começou ainda em 2017 e investiga esquema de tráfico de fósseis na Região da Chapada do Araripe, sul do estado do Ceará. Nesta manhã, três pessoas foram presas em flagrante e dezenas de fósseis foram apreendidos, em Santana do Cariri e Nova Olinda, conforme o Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com a PF, as buscas foram realizadas em endereços dos investigados por integrarem a organização criminosa. Empresários, servidores públicos, mineradores, pesquisadores e atravessadores de fósseis extraídos da Chapada do Araripe fariam parte do grupo. Dos dois presos pela PF, um deles seria um dos principais negociadores de fósseis no período investigado (2017-2020). O outro seria responsável por receber valores do professor/pesquisador do RJ para coleta e guarda dos fósseis.

A investigação aponta esquema de extração ilegal de fósseis feito por trabalhadores em pedreiras na região, com comercialização criminosa desses bens da União. Além da rede de empresários, servidores públicos e atravessadores que negociam fósseis raros da região, há indícios da prática ilícita por parte de um professor/pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que é um dos alvos da operação, assim como outros pesquisadores nacionais e estrangeiros.

Os investigados vão responder pelos crimes de organização criminosa, usurpação de bem da União e crimes ambientais, previstos nas leis federais 12.850/13, 8.176/91 e 9.605/98, e podem pegar penas de até 16 anos de prisão. 

"A Polícia Federal ressalta que, em razão da situação de pandemia da Covid-19, foi planejada uma logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPIs a todos os envolvidos na missão, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas, investigados e seus familiares", diz a PF em nota.

Santana Raptor
Nome escolhido para a operação, Santana Raptor remete ao gênero de dinossauro encontrado na região da Chapada do Araripe, onde são encontradas riquezas fossilificas de 110 milhões de anos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas