TSE vai se reunir com WhatsApp para discutir combate a fake news

brasil
15.10.2018, 21:03:00
Atualizado: 15.10.2018, 21:12:36

TSE vai se reunir com WhatsApp para discutir combate a fake news

O conselho quer aplicar medidas disciplinares contra o app caso não haja ajuda

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Conselho Consultivo Sobre Internet e Eleições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai se reunir na segunda-feira (22) com representantes do aplicativo WhatsApp, do Facebook, na segunda-feira (22). A informação é do jornal Correio Braziliense. O encontro deve discutir estratégias para combater a disseminação de notícias falsas pela plataforma.

Segundo levantamento feito internamente pelo TSE, as notícias falsas espalhadas com ajuda do WhatsApp foi um dos pontos que comprometeu a tranquilidade do primeiro turno. Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) disputam o segundo turno, com votação marcada para o dia 28. 

As autoridades temem que neste segundo turno a propagação de notícias falsas aumente. O conselho quer aplicar medidas disciplinares contra o app, caso a empresa responsável não mostre alternativas para tentar resolver o problema. Como o aplicativo usa criptografia de ponta a ponta, não é possível fiscalizar as atividades.

Ferramenta contra notícia falsa
De olho no tema, pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolveram uma ferramenta que promete ajudar a descobrir se a notícia é falsa ou não. A plataforma ainda está em fase de testes, mas o público já pode usá-la gratuitamente, tanto na web como através de um bot para o WhatsApp.

“A gente sabe que, quando uma pessoa está mentindo, inconscientemente, isso afeta a produção do texto. Mudam as palavras que ela usa e as estruturas do texto. Além disso, a pessoa costuma ser mais assertiva e emotiva. Então, uma das formas de detectar textos enganosos é medir essas características”, explica o professor Thiago Pardo, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos.

Segundo o professor, o sistema atual identifica com 90% de precisão notícias que são totalmente verdadeiras ou falsa. Contudo, pontua, muitas vezes as fake news têm um fundo verdadeiro, mas distorcem a informação. "Nossa plataforma ainda não tem a capacidade de separar as informações com esse nível de refinamento, mas estamos trabalhando para isso”, acrescenta.

Para usar a ferramenta, acesse este endereço: https://otwoo.app/nilc-fakenews. Uma janela de troca de mensagens aparecerá no app, com uma mensagem para você enviar e abrir o diálogo. Depois, você receberá uma mensagem de boas vindas e já pode colar a notícia lá para que aconteça a checagem. O sistema vai responder se a notícia tem indícios de ser falsa. Depois de 20 minutos de uso, é preciso reativar o sistema. Basta mandar a palavra "Fake" e você receberá novamente a mensagem de boas-vindas. É preciso colar o corpo da notícia, e não o link.

Os pesquisadores usaram milhares de textos - falsos e verdadeiros - para alimentar a plataforma e fazê-la reconhecer padrões. Os textos foram manualmente coletados e analisados, para garantir que somente fizessem parte do conjunto notícias totalmente falsas ou verdadeiras.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas