União é condenada a pagar R$ 8 mi para bebê comprar remédio mais caro do mundo

brasil
16.09.2020, 14:35:23
Atualizado: 16.09.2020, 14:54:05
(Foto: Acervo Pessoal)

União é condenada a pagar R$ 8 mi para bebê comprar remédio mais caro do mundo

Criança sofre de doença rara que gera atrofia muscular

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A União tem até 48 horas para desembolsar R$ 8,3 milhões para ajudar um paciente a importar o remédio Zolgensma, considerado o mais caro do mundo. A decisão da Justiça Federal de Brasília é em favor de Arthur, um bebê de um ano e dez meses com Ame (atrofia muscular espinhal), uma doença rara.

Segundo o Uol, os custos totais do remédio, envolvendo compra e importaçõa, somam R$ 11,7 milhões. A decisão da 3ª Vara Cível é que a União complete a diferença do valor arrecadado até agora pela família do garoto: R$ 3,3 milhões por meio de doações.

Enquanto o dinheiro não é depositado, a mãe de Arthur, a dona de casa Alessandra Ferreira Santos, 28, está correndo contra o tempo.

Ela tinha até o dia 8 de novembro para conseguir juntar todo o dinheiro e aplicar o remédio no filho porque o Zolgensma só pode ser usado em crianças de até os dois anos de idade. 

"Ainda não acredito que conseguimos", disse, ao Uol, Alessandra. "Às vezes acho que a ficha caiu, mas às vezes parece um sonho."

"Nem sei como reagir a isso, parecia tão distante, tão impossível, mas está aí, aconteceu, é como se ele tivesse nascido de novo!", celebrou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas