Uruguai registra caso de 'fungo negro' em paciente que teve covid

mundo
28.05.2021, 08:50:47
Atualizado: 28.05.2021, 08:53:31
(Foto: AFP)

Uruguai registra caso de 'fungo negro' em paciente que teve covid

Mucormicose foi detectado em larga escala na Índia

Um caso de mucormicose, também conhecido como "fungo negro", foi detectado no Uruguai em um paciente que teve covid-19 dias antes. Este quadro foi detectado em larga escala e disparou alarmes na Índia.

O paciente, que é diabético e tem menos de 50 anos, começou a apresentar necrose (morte de tecido) na área das mucosas cerca de dez dias após o teste positivo para o coronavírus, segundo o jornal El País.

A infectologista Zaida Arteta, referência em micologia, explicou como funciona este fungo, que aparece "de vez em quando", embora este seja o primeiro associado ao vírus pandêmico.

"O que ele faz é invadir alguns tecidos. Principalmente, nesses casos secundários à Covid, nos seios paranasais e no pulmão", explicou em declarações ao canal local 4.

Relembre: Surto de superfungo no Hospital da Bahia afeta 11 pacientes internados na unidade

No entanto, esclareceu que, dentro do espectro de fungos que podem atacar pessoas com problemas nas defesas do organismo, doenças debilitantes do sistema imunológico ou lesões, "é um dos menos frequentes".

O caso repercutiu principalmente devido aos alarmes disparados frente a quadros semelhantes na Índia, onde a mucormicose custou centenas de vidas entre convalescentes de Covid-19, segundo a imprensa local.

Os afetados por esse fungo costumavam ser pessoas com diabetes, HIV ou pacientes transplantados com organismos imunossuprimidos.

No entanto, Arteta esclareceu que na Índia as condições de higiene e contaminação ambiental em residências, hospitais e ruas são diferentes das do Uruguai, com mais poeira e esporos deste fungo no país asiático.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas