Uso da realidade aumentada está se tornando cada vez mais comum

agenda bahia
26.09.2019, 04:30:00
Atualizado: 26.09.2019, 06:52:30
Óculos é ferramenta mais comum para realidade aumentada (Foto: Nelson Antônio/Senai Cimatec)

Uso da realidade aumentada está se tornando cada vez mais comum

Na indústria ou fora, uso da tecnologia faz parte do dia a dia

Foi-se o tempo em que os óculos serviam apenas para corrigir a visão. Hoje, eles podem ampliar os horizontes, ou mesmo criar realidades completamente novas. A realidade aumentada, coisa de ficção científica há até bem pouco, vem se materializando no dia a dia da indústria em um volume cada vez maior de aplicações. 

O uso inicial, e ainda o mais frequente, foi em processos de configurações ou manutenção de máquinas. Com o apoio de indicações da realidade aumentada, técnicos são guiados rumo à solução de problemas. Mas hoje, é possível desenhar produtos novos, deixando a fase de protótipo – que envolve maiores custos – para etapas posteriores. Imagine-se os benefícios para a indústria automobilística...

“Imagina que você tem um técnico novato na indústria e ele chega na frente de um motor e precisa fazer um reparo. Com um óculos de realidade aumentada, ele vai receber as indicações dos passos que ele precisa tomar”, destaca o gerente de Supercomputação do Senai Cimatec, Adhvan Furtado. 

Com a realidade aumentada, o usuário mantém o seu campo de visão natural, que é acrescido de informações visuais. É possível acrescentar animações, setas e marcações de áreas. 

A tecnologia é muito usada para treinamentos. Com ela, é possível mostrar como funciona o corpo humano, por exemplo, com possibilidade de girar, ampliar, reduzir e inclusive entrar no objeto.

Uso na avião
Para exemplificar o tipo de uso possível da tecnologia, Adhvan Furtado fala sobre um projeto de pesquisa do Cimatec com a Embraer. A fabricante de aviões precisava desenvolver a melhor modelagem para os aviões, com nível de precisão exato, identificando possíveis rachaduras ou falhas nos equipamentos. 

“Encontrar essas falhas exigem marcações complexas, mas com o óculos e as marcas que desenvolvemos de forma digital isso se torna simples”, conta. 

Segundo ele, a pesquisa consistiu em aumentar a precisão dos óculos para encontrar esse tipo de situação, além de adequa-los para gravar informações, permitindo que diversos técnicos tenham acesso à informação, em momentos diferentes. “No futuro, o próprio piloto do avião, mesmo não sendo especialista mecânico, poderá fazer uma manutenção, porque ele vai ter acesso a toda a base de conhecimento para realizar as manobras num caso de emergência”, acredita. 

Tipo de ferramenta
Se o uso da tecnologia é uma realidade, a ferramenta utilizada para acessa-la pode mudar nos próximos anos. Os óculos tendem a disputar espaço com uma ferramenta tecnológica tão presente nas mãos das pessoas hoje quanto as lentes corretoras na face. “A gente sempre pensa nos óculos, mas com celular e tablet, basta apontar para um QR code e trazer o modelo 3D”, lembra o gerente de Supercomputação do Senai Cimatec, Adhvan Furtado.

O entendimento é parecido com o da especialista em Negócios e Inovação pelo MIT, Luma Boaventura, sócia fundadora das empresas de Tecnologia BVT Virtual e Ai Robots. Especialista em desenvolvimento de soluções de negócios dentro da Indústria 4.0, usando tecnologias como Realidade Aumentada e Mista, ela diz que uma outra vantagem do celular é que os óculos de realidade aumentada podem impedir o uso dos equipamentos de proteção individuais (EPI’s), obrigatórios em determinados ambientes industriais.  

“Principalmente na indústria, normalmente não se autoriza o uso de um óculos de realidade aumentada ou realidade mista, porque não seria adequado às regras de segurança. Então, tem sido utilizados smartphones especiais, com certificação EX01, a prova de explosão”, diz. Fora do ambiente industrial, a vantagem do celular é a de já estar na palma da mão de um monte de gente. “É totalmente possível usar a tecnologia em celular e é o que mais vai viralizar”, acredita. 

Luma diz que as aplicações da tecnologia vão além do ambiente industrial. “Serve para ensino, na área médica é extremamente útil, para a experimentação de produtos também é uma tendência. Você pode usar a realidade aumentada e ver como fica em seu corpo, usando o 3D”, enumera. 

O assunto será discutido no Fórum Agenda Bahia 2019, dia 3 de outubro, com inscrições gratuitas. 
O evento é uma realização do CORREIO, com patrocínio da Sotero Ambiental, apoio institucional da Prefeitura de Salvador, Federação das Indústrias da Bahia (Fieb) e Rede Bahia e apoio da Braskem e DD Education.

SEMINÁRIO [A.R] EVOLUÇÃO - 03 de outubro

MANHà
ARENA DO CONHECIMENTO

08h00 às 9h00   – Credenciamento

09h00 às 09h30   – Palestra “Tudo muda o tempo todo”, com Peter Kronstrom, head para América Latina do Copenhagen Institute for Future 
Studies e fundador do Future Lounge

09h30 às 10h00  – Bate-papo com Peter 
Kronstrom moderado por Flavia Oliveira, colunista do jornal O Globo e da Globonews

10h00 às 10h30  – Palestra “O Futuro é agora: como o empoderamento digital transforma vidas e cidades”, com Rodrigo Baggio, presidente da Recode, organização social presente em 8 países e 689 centros de empoderamento digital

10h30 às 11h00  – Bate-papo com Rodrigo Baggio moderado por Flavia Oliveira, colunista do jornal O Globo e da Globonews

11h00 às 12h00  – Painel “Distopia ou disrupção: como se preparar para o amanhã?”, com os palestrantes Peter Kronstrom e Rodrigo Baggio e moderação de Flavia Oliveira.

12h   – Intervalo para almoço

TARDE
ARENA DA VIVÊNCIA
14h30 às 16h00  –
Painel “Do robô ao roubo de dados: as novidades na Educação, na Agropecuária, na Construção Civil e na Saúde”, com Silas Cunha, CEO da Abitat, startup Construtech que busca a gestão mais eficiente de empreendimentos através de IoT (Internet das Coisas), Banco de dados e Machine Learning, Ana Carolina Monteiro, sócia da Hackel, consultoria em Marketing Conversacional e soluções em Educação que trabalha com tecnologias de automação e inteligência artificial. como Internet das Coisas e Chatbots, Matheus Ladeia, CEO do E-rural, o maior marketplace de pecuária do Brasil e especialista em agtech, growrth strategi e growth marketing e Vicente Vale, sócio da REP Educa, plataforma digital que utiliza Realidade Aumentada e Inteligência Artificial para ampliar a aprendizagem dos alunos.

14h30 às 16h00 – Oficina “Como programar um robô com sentimentos”, com Peterson Lobato, fundador da Mini Maker Lab e professor na área de robótica, programação e impressão 3D.

14h30 às 16h00  – Oficina “Circuito de Experiências em tecnologias para Educação e para Indústria”, com Fernanda Mikulski Guedes, coordenadora de ações de avaliação educacional, inovação e competições da Escola Técnica Senai-BA e Igor Nogueira Oliveira Dantas, coordenador de projetos de inovação educacional na unidade de Inovação e Tecnologias Educacionais do Senai-BA, Adalício Neto, especialista em Automação no SENAI CIMATEC e responsável pelo portfólio de serviços 4.0.

14h30 às 16h00  – Os desafios do Bitcoin no Brasil, com Thiago Avancinni, diretor de Educação e Tecnologia da DD Corporation

16h00 às 17h00  – Desafio “Fórum Agenda Bahia/Olimpíada Brasileira de Robótica”, uma parceria jornal Correio e Sesi.

Saiba como  participar

O que  O Agenda Bahia chega aos 10 anos promovendo discussões sobre inovação, compe-
titividade, qualificação e sustentabilidade.

Onde  No Senai Cimatec, na Avenida Orlando Gomes, dia 3 de outubro, entre as 9 e 18 horas

Inscrições  As inscrições gratuitas para o evento podem ser feitas no endereço bit.ly/agendabahia2019

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas