Vídeo: jovem gay reage a ataque homofóbico após amiga trans ser chamada de 'viadinho'

em alta
15.10.2021, 21:42:00
Atualizado: 15.10.2021, 21:54:34
(Reprodução)

Vídeo: jovem gay reage a ataque homofóbico após amiga trans ser chamada de 'viadinho'

Grupo de amigos passeava por Balneário Camboriú (SC) quando foi insultado por desconhecido

A artista drag Pikineia passeava com um grupo de amigos por Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina, na última segunda-feira (11), quando foi alvo de ataques homofóbicos promovidos por um desconhecido. Em um vídeo gravado pelo grupo, que viralizou nas redes sociais nesta sexta, é possível ouvir o momento em que o homem se aproxima e grita: “Sai da frente, viadinho”.

“Eu parei na frente da roda gigante com a minha amiga, que é uma mulher trans, e falei ‘amiga deixa eu fazer uns clique seus aqui pra você postar no Instagram?’ Aí estávamos eu, ela e mais dois amigos, de repente, eu escuto uma voz falando bem assim: 'Sai da frente viadinho, se não eu vou te dar um chute na bunda para você parar na lua'", relatou.

Ela e os amigos são todos de Brasília, e estavam visitando a cidade catarinense para comemorar o aniversário da artista, que foi no dia 09. No momento em que ocorreu o ataque, ela diz ter ficado chocada, sem acreditar no que acabara de ouvir.

"Nós fomos para bem longe dele, só que indo até a passarela, até o final. Nós vimos ainda que o cara ia falando coisas para outras pessoas, mas a gente não ouvia. Ele começou a falar coisa pra mulher, falar coisa pra homem, falar coisa pra todo mundo", comentou

O homem, que não foi identificado, voltou a ofender o grupo de amigos de Pikineia, mas dessa vez encontrou resistência. Um dos amigos da artista, Gabriel Nunes, 25 anos, que é um homem gay, decidiu defender a amiga e enfrentar o agressor. 
 
Gabriel, então, partiu para cima do homofóbico, que continuou disparando ofensas a todos do grupo. 

"Gabriel não aguentou, não gostou e foi empurrando ele e deu um mata leão, para a gente achar um policial ou um guarda", conta Pikineia.

Depois de ser intimidado, o agressor foi embora. Mas as vítimas relataram ainda que ele seguiu xingando outras pessoas no local e tentando agredi-las. 

Pikineia comentou que a situação acabou com a viagem. Com medo de que algo do tipo voltasse a acontecer, os amigos decidiram retornar ao hotel. 

“Eu fiquei muito assustado porque eu nunca passei por essa situação e só queria voltar pra pousada. Voltamos e aí de noite eu não consegui mais sair, não fui mais pra lugar nenhum. Fiquei na pousada até o dia do retorno, que foi no dia doze à tarde”, disse.

Conhecida em Brasília por seu trabalho como cantora e apresentadora, Pikineia falou sobre o ocorrido em suas redes sociais e disse que está com medo até de sair na rua.

“É muito chato, porque o medo continua na cabeça. O medo de sair na rua e ser xingado, ser agredido verbalmente ou fisicamente continua na cabeça. Isso não é legal”, comentou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas