Vídeos de seguranças incendiados no ensaio do Harmonia são postados na internet

salvador
08.02.2017, 15:17:00
Atualizado: 08.02.2017, 15:24:30

Vídeos de seguranças incendiados no ensaio do Harmonia são postados na internet

A divulgação desse tipo de imagem configura crime e os responsáveis podem pegar de 1 a 3 anos de prisão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Geraldo, de blusa azul, foi uma das vítimas
(Foto: Alexandro Mota/CORREIO)

As mortes dos três seguranças do ensaio da banda Harmonia do Samba, na última segunda-feira (6), foram filmadas e publicadas em sites de redes sociais e aplicativos de trocas de mensagens. A polícia investiga o compartilhamento das imagens.

Diversos vídeos mostram os corpos de Geraldo Mota Cunha e Derivaldo Rocha dos Santos caídos no chão enquanto são incendiados. O crime ocorreu nos arredores do estádio de Pituaçu, onde aconteceria o show.

Segundo o delegado Charles Leão, do Grupo Especializado em Repressão aos Crimes por Meios Eletrônicos (GME), as pessoas que compartilharem esse tipo de conteúdo poderão pegar de 1 a 3 anos de prisão e ainda pagarem multa.

"O crime de vilipêndio a cadáver, que prevê proteção do respeito para com os mortos, está previsto no Artigo 212 do Código Penal. Se entendido que a imagem representa para os familiares humilhação ao cadáver, os responsáveis serão punidos", disse o delegado.

Leão alertou ainda que o fato da humilhação aos mortos ter sido praticada por uma plataforma virtual não diminui em nada o peso do crime. "A internet é apenas o meio e os responsáveis respondem como se o ato tivesse sido praticado pessoalmente", afirmou. 

Além disso, o delegado advertiu àqueles que compartilham esse tipo de conteúdo com alguma boa intenção que isso apenas atrapalha o processo investigativo. "Muitas pessoas divulgam essas imagens porque acham que assim a polícia vai encontrar os criminosos mais rápido, porém, isso só atrapalha as investigações e causa sofrimento para os familiares", alertou. Leão disse ainda que o GME até o momento não foi acionado para atuar neste caso.




***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas