Vinci Airports vence leilão para administrar sete aeroportos do Brasil

brasil
08.04.2021, 09:09:01
Atualizado: 08.04.2021, 09:11:23
(Foto: Reprodução)

Vinci Airports vence leilão para administrar sete aeroportos do Brasil

Empresa já é responsável pelo aeroporto de Salvador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após a conclusão da 6ª rodada de leilões realizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a Vinci Airports obteve nesta quarta-feira (7) a concessão, por 30 anos, de sete aeroportos da região Norte do Brasil: Manaus, Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Cruzeiro do Sul, Tabatinga e Tefé.  

Porta de entrada para a região amazônica e estados brasileiros vizinhos, esses aeroportos receberam 4,7 milhões de passageiros em 2019. Além da operação, manutenção e modernização dos terminais e pistas, a Vinci Airports promete transformar
esses aeroportos em infraestruturas ecoeficientes: 

  • Meta de zero emissões líquidas;  
  • Instalação de fazendas fotovoltaicas; 
  • Gestão da água e dos resíduos sólidos;  
  • Implantação de laboratórios de diversidade; 
  • Projetos para redução da pegada de carbono em parceria com ONGs locais; 

Para alcançar esse feito, a Vinci Airports vai se basear na política ambiental bem-sucedida que vem implementando desde 2018 no Salvador Bahia Airport. 

A Vinci Airports também pretende apoiar a recuperação da economia brasileira no pós-pandemia, desenvolvendo o tráfego de passageiros e as atividades cargueiras no Aeroporto Internacional de Manaus, 3° maior aeroporto de cargas do Brasil. Pilar do desenvolvimento econômico e comunitário da região amazônica, Manaus tem um papel estratégico na economia do país, particularmente pelo alto crescimento da indústria de eletrônicos.  

A Vinci Airports, cuja rede global foi, por conseguinte, expandida para 52 aeroportos, fortalece sua presença nos países lusófonos e na América Latina, onde irá gerenciar 16 equipamentos, no Brasil, Chile, Costa Rica e República Dominicana.  

"Nosso roteiro é claro: aeroportos verdes para o crescimento verde. Nessa região onde o transporte aéreo é essencial, a Vinci Airports tornará esses aeroportos mais resilientes e   ecoeficientes, a fim de sustentar a recuperação econômica no Brasil, enquanto preserva o planeta. Estamos ansiosos para iniciar as operações, junto com as autoridades brasileiras e as comunidades locais", declarou Nicolas Notebaert, CEO da Vinci Concessions e presidente da Vinci Airports. 

Sobre a Vinci Airports  
A Vinci Airports, a principal operadora de aeroportos privados do mundo, administra 45 aeroportos em 12 países da Europa, Ásia e Américas. Aproveitamos nossa expertise como um integrador abrangente para desenvolver, financiar, construir e operar aeroportos, ao mesmo tempo em que aproveitamos nossa capacidade de investimento e expertise na otimização do desempenho operacional, modernização da infraestrutura e condução da transição ambiental. 

A Vinci Airports tornou-se a primeira operadora aeroportuária a iniciar uma estratégia ambiental internacional, em 2016, com o objetivo de alcançar emissões líquidas zero em toda a sua rede até 2050.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas