'Viúva Negra' é condenada a 21 anos de prisão por envenenar ex-namorado em Itabuna

bahia
31.08.2021, 19:43:57
Atualizado: 31.08.2021, 19:53:18
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

'Viúva Negra' é condenada a 21 anos de prisão por envenenar ex-namorado em Itabuna

Wane Brenda Oliveira também é suspeita de matar outro namorado com o uso de chumbinho

Wane Brenda Oliveira, 34 anos, conhecida como Viúva Negra, foi condenada a 21 anos de prisão pelo homicídio qualificado do ex-namorado Edvaldo Araújo Alves, de 40 anos, por envenenamento. O julgamento aconteceu nesta terça-feira (31), em Itabuna, no sul da Bahia, segundo informações do blog Verdinho Itabuna. O crime aconteceu em abril de 2017, Wane e Edvaldo namoraram por pouco menos de um ano. 

De acordo com a decisão da Justiça, ela deverá cumprir a pena inicialmente em regime fechado. Ela está presa há quatro anos, mas nega o crime. 

Segundo a investigação, Wane utilizou chumbinho para envenenar o ex-namorado. Ela também é suspeitar de matar outro ex-namorado, Evandro Bonfim de Souza, 40 anos, também por envenenamento. Os crimes teriam sido cometido assim que ela descobriu que eles tinham intenção de terminar o relacionamento.

Relembre o caso
No dia 16 de abril de 2017, Edvaldo começou a passar mal na casa da namorada, por volta das 23h, e foi socorrido por ela num táxi, para o Hospital de Base de Itabuna, onde morreu. Na época do crime, a morte foi atribuída a um infarto fulminante.

“A versão não convenceu a família da vítima que alegava ter conhecimento de que estava insatisfeito com o relacionamento com Brenda e desejava rompê-lo, fato que também era de conhecimento dela”, explicou a delegada Magda Figueiredo, titular da DH.

Poucos meses depois, Brenda já estava num novo relacionamento com Evandro Bonfim de Souza, também de 40 anos, que sentiu-se mal após ingerir um medicamento dado pela namorada. Ele também foi levado por ela a um hospital, onde o médico que o atendeu informou que os sintomas apresentados com ele se assemelhavam aos mesmos por envenenamento por chumbinho.

(Foto: Reprodução Redes Sociais)

Nove dias após o internamento, com Brenda servindo de acompanhante durante todo esse tempo, Evandro deveria receber alta médica quando teve uma parada cardíaca e ao ser submetido a uma lavagem estomacal os médicos encontraram vestígios de uma substância semelhante ao veneno. Seu estado de saúde piorou e no dia 3 de dezembro foi constatada sua morte cerebral.

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar as circunstâncias das mortes de Edvaldo e Evandro. O Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Itabuna recolheu amostras do corpo de Evandro e encaminhou para serem analisadas, em Salvador. Já a DH/de Itabuna conseguiu autorização da Justiça para exumar o corpo de Edvaldo.

“Agilidade no resultado da perícia foi primordial para a elucidação do caso” garantiu a delegada Magda Figueiredo. A análise, realizada pelo DPT, das amostras retiradas dos corpos das duas vítimas revelaram que ambos foram mortos com a utilização do mesmo veneno.

Wane Brenda teve a prisão solicitada à Justiça e seu mandado de prisão preventiva cumprido, na tarde do dia 11 de junho de 2018, no bairro Califórnia em Itabuna.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas