Você sabe qual o seu preço? Veja dicas para definir o valor do seu produto

minha bahia
23.04.2018, 06:00:00
Isadora só começou a faturar quando colocou tudo na ponta do lápis (Foto: Divulgação)

Você sabe qual o seu preço? Veja dicas para definir o valor do seu produto

Cálculo deve levar em conta o preço de aquisição, a margem de lucro planejado e o preço de venda final

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Até conseguir equilibrar a equação custo x retorno financeiro, a proprietária da loja  de artigos de moda artesanal Com Amor, Dora - Isadora Alves - não conseguia lucrar nada com o negócio. “Colocar preço é uma coisa muito difícil. Você não pode cobrar o mesmo valor por uma peça que leva 10 minutos para ficar pronta que outra que passa 3 horas construindo. Por outro lado, também não dá para vender um produto que ninguém vai comprar”. 

Determinar o preço é mesmo uma tarefa complicada para o empreendedor, que não pode arcar com  prejuízos, mas também não se sustenta deixando o produto parado na prateleira. O CORREIO conversou com especialistas que listaram alguns pontos  que ajudam a garantir um bom retorno das vendas. Na hora da conta, não pode ficar de fora o preço de aquisição, a margem de lucro alvo que se planeja obter e o preço de venda final.

Isadora aprendeu a lição e parou de cobrar o mesmo preço que via na concorrência e passou a adotar outras estratégias. Foi aí que a margem de faturamento cresceu 50%. “Comecei a calcular todo o insumo de material que usava, da linha ao glíter.  A partir disso, defini também  minha hora de trabalho e  acrescentei os custos de manutenção da loja, coisa que muitas vezes passava batido”, lembra. 

Outra estratégia foi distribuir o preço em outras peças. “Eu tenho uma faixa de cabelo, por exemplo, que o custo de produção é baixo, mas o valor agregado é alto. Aí eu compenso com a nécessaire. Dá muito trabalho de fazer, mas não posso cobrar tão caro. Com isso, vou fazendo esse jogo de equilíbrio”.

Análise

Isadora está acertando no cálculo, como pontua o analista do Serviço de Apoio a Micro e Pequena Empresa (Sebrae) Fabrício Barreto. De acordo com ele, o empreendedor deve não só avaliar o mercado, mas a viabilidade da operação.  “Um erro muito comum é o famoso 100%. Eu gastei R$ 10 para fazer, vou vender por R$ 20.  A primeira dica para formar preço é: a empresa precisa levar em consideração todos os custos fixos e variáveis. Os R$ 10 não vai dar para pagar essa conta, porque só o material foi levado em consideração”. 

No dia 15 de maio, o Sebrae vai oferecer um oficina gratuita  na unidade do Iguatemi. As inscrições podem ser feitas na loja virtual da entidade (lojavirtual.ba.sebrae.com.br/loja/). “Para ganhar competitividade, é necessário oferecer um preço justo o suficiente para pagar as suas despesas e projetar, inclusive, o retorno do empreendedor. Gerar um algo a mais no produto é mais uma forma de agregar na proposta de valor do produto e serviço”, acrescenta Barreto.    


FORMAÇÃO DE PREÇO

Decisão  Para o head de Eficiência Operacional da AGR Consultores Rodrigo Catani,   a definição do preço é feita basicamente por dois aspectos:  “Aí entra o preço que se chega aplicando uma margem sobre o custo de aquisição e o preço ideal que deveria ser vendido”. 

Na hora do cálculo Esse preço deve ser condizente com a estratégia e com o posicionamento do negócio. A análise que o empreendedor deve fazer é se o negócio dá resultado na última linha, considerando a Receita (diretamente influenciada pelo preço), o Custo de Aquisição (CMV) e todas as despesas”. 

Alvo O fundamental para que se acerte na precificação é descobrir o quanto o produto ou serviço vale para o consumidor, como destaca Catani: “Isso é o mais importante. Também influencia o momento da compra, por isso as lojas de conveniência cobram mais caro do que os supermercados, porque agregam este atributo”.

Cautela  O especialista recomenda ainda que o empreendedor não tome nenhuma decisão precipitada neste momento de retomada da economia: “Não aconselho aumentar preços agora. Trabalhe antes a eficiência para atingir o resultado esperado”.


  

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas