Volta às aulas só deve acontecer com taxa de ocupação de UTI abaixo de 65%, diz Neto

coronavírus
04.08.2020, 13:53:00
Atualizado: 04.08.2020, 17:22:47
(Divulgação/Arquivo)

Volta às aulas só deve acontecer com taxa de ocupação de UTI abaixo de 65%, diz Neto

Segunda fase da retomada já deve estar consolidada para que isso ocorra, afirma

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A retomada das aulas em Salvador só deve ser autorizada quando a taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 estiver abaixo de 65% e sem risco de aumento, afirmou na segunda-feira (3) o prefeito ACM Neto, em entrevista à Record do Rio Grande do Norte. Hoje, essa taxa está em 69%.

"Não há hipótese de autorizarmos o retorno às aulas com uma taxa de ocupação acima dos 65%. Tem que estar abaixo disso e é preciso que não haja risco de aumento", disse.

O prefeito lembrou que Salvador ainda vive a primeira fase da retomada e que nem bares e restaurantes estão funcionando na cidade. "No caso da educação, eu inclusive preferi não estabelecer um protocolo conjunto com essas atividades econômicas", acrescentou.

"Só vamos apresentar o protocolo de retomada das aulas presenciais depois que a segunda fase do plano de retomada econômica for ativada e estiver consolidada", disse. Há expectativa de que a segunda fase comece na segunda (10), segundo disse na manhã desta quarta (4) o prefeito.

Neto afirmou que a prefeitura sabe que a educação é uma área que precisa de muito cuidado. "A gente sabe que Educação é um vetor e traz um risco muito alto de contaminação e as crianças, no caso de Salvador, principalmente no Ensino Fundamental II e EJA, estão tendo aula à distância. Oferecemos um canal aberto de TV e chips para todas as crianças terem aula à distância e também pela internet", finalizou.

Em julho, Neto afirmou que a possibilidade das aulas serem retomadas agora em agosto era "quase nula". "Acho mais provável, mais possível, que possa voltar em setembro, caso as coisas corram bem”, disse na ocasião.

Assista:

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas